🔴 NOVA META: RENDA EXTRA DE ATÉ R$ 2.000,00 POR DIA – VEJA COMO

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

E não é que o Banco Central vai ter de ouvir música?

Como o big data usa a lista de mais ouvidas no Spotify para avaliar indicadores de sentimento econômico

Eduardo Campos
Eduardo Campos
30 de outubro de 2018
14:37 - atualizado às 13:42
Anitta
No Brasil, lista de músicas mais tocadas no Spotify têm funk de Anitta e sertanejos. - Imagem: Fagner Alves/Estadão Conteúdo

Faz pouco tempo recebi uma mensagem de um amigo dizendo o seguinte: “Você vai precisar entender de música para cobrir o Banco Central”, seguida de um link para um interessante e até mesmo inusitado tópico dentro do site do “Fórum Econômico Mundial”, com o seguinte título – “Seu histórico do Spotify pode prever o estado da economia”.

Leve e bem-humorado, o artigo em questão trata de como os estudiosos da economia comportamental buscam novas formas de medir como as pessoas se sentem com relação à economia. E como essas medições podem ser utilizadas para desenhar políticas e medir seus resultados.

Pesquisadores já utilizam largamente análises de linguagem para tentar medir o sentimento da população em postagens do Facebook e Twitter. Mas o artigo destaca uma nova pesquisa de estudantes da Claremont Graduate University que mostrou ser possível extrair um índice de percepção econômica da lista das 100 músicas mais ouvidas de plataformas como o Spotify. Eles ainda fizeram testes estatísticos mostrando que esse novo indicador se mostrou tão útil quanto qualquer outro índice de confiança do consumidor e encontraram relação desse índice com o retorno mensal dos índices Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 (claro que no longo prazo os fundamentos prevalecem, ressalvam os autores).

A ideia é que as músicas trazem um componente emocional como energia, tempo e volume. Além disso é possível extrair as emoções expressadas das letras. É possível fazer isso atribuindo cargas emocionais positivas ou negativas às palavras ou de forma mais sofisticada, como diz o artigo, fazer uma matriz de palavras para oito emoções centrais: alegria, tristeza, raiva, medo, nojo, surpresa, confiança e antecipação.

Uma medida do sentimento econômico

Com a lista de músicas e emoções os pesquisadores podem montar um indicador sobre a percepção geral dos ouvintes e utilizar isso como uma medida de sentimento econômico. E esse exercício pode ser feito de forma periódica e em diferentes locais.

Sem a pretensão e muito menos o rigor necessário para replicar o estudo fui dar uma olhada no “top 100” do Spotify por aqui. Liderando a lista estão músicas sertanejas e funks, com letras que variam entre desilusão, saudade, traição, arrependimento e “amor ao copo”. Seria uma expressão da realidade econômica ou apenas uma fuga romântica desses últimos anos de penúria no lado real da economia?

O artigo também faz menção a um interessante discurso do economista-chefe do Banco da Inglaterra (BoE), Andy Haldane, que falou sobre o uso da música como medida de sentimento econômico em uma ampla e interessante exposição sobre o uso de Big Data e como essa técnica e suas ferramentas estão sendo utilizadas dentro e fora do BC inglês. “E por que parar nas músicas? As preferências com relação a livros, TV e rádio também podem oferecer uma janela para a alma das pessoas”, disse Haldane, que também levanta a hipótese de se usar jogos para entender o comportamento das pessoas diante de algumas restrições.

No cerne está uma discussão mais aprofundada sobre os modelos matemáticos que os BCs e demais agentes usam para fazer seus exercícios de projeções. Uma batalha ou complementariedade entre modelos puramente dedutivos e estáticos (que falharam miseravelmente da crise 2008/2009) com modelos empíricos e que aceitam equilíbrios mais dinâmicos, como a própria sociedade.

Por aqui, nosso BC faz uso de Big Data com relação a informações de crédito, que ajudam a desenhar políticas prudenciais. Com a imensa base de dados que dispõe o BC também faz uma supervisão em tempo real sobre a solvência do sistema financeiro, isto é, se alguma instituição está passando por dificuldades de caixa, e dispõe também de um intrincado modelo de detecção de fraudes.

Quer receber notícias por e-mail? Clique aqui e se cadastre na nossa newsletter gratuita.

Leia também:

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar