Menu
2019-04-04T13:42:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

E não é que o Banco Central vai ter de ouvir música?

Como o big data usa a lista de mais ouvidas no Spotify para avaliar indicadores de sentimento econômico

30 de outubro de 2018
14:37 - atualizado às 13:42
Anitta
No Brasil, lista de músicas mais tocadas no Spotify têm funk de Anitta e sertanejos. - Imagem: Fagner Alves/Estadão Conteúdo

Faz pouco tempo recebi uma mensagem de um amigo dizendo o seguinte: “Você vai precisar entender de música para cobrir o Banco Central”, seguida de um link para um interessante e até mesmo inusitado tópico dentro do site do “Fórum Econômico Mundial”, com o seguinte título – “Seu histórico do Spotify pode prever o estado da economia”.

Leve e bem-humorado, o artigo em questão trata de como os estudiosos da economia comportamental buscam novas formas de medir como as pessoas se sentem com relação à economia. E como essas medições podem ser utilizadas para desenhar políticas e medir seus resultados.

Pesquisadores já utilizam largamente análises de linguagem para tentar medir o sentimento da população em postagens do Facebook e Twitter. Mas o artigo destaca uma nova pesquisa de estudantes da Claremont Graduate University que mostrou ser possível extrair um índice de percepção econômica da lista das 100 músicas mais ouvidas de plataformas como o Spotify. Eles ainda fizeram testes estatísticos mostrando que esse novo indicador se mostrou tão útil quanto qualquer outro índice de confiança do consumidor e encontraram relação desse índice com o retorno mensal dos índices Dow Jones, Nasdaq e S&P 500 (claro que no longo prazo os fundamentos prevalecem, ressalvam os autores).

A ideia é que as músicas trazem um componente emocional como energia, tempo e volume. Além disso é possível extrair as emoções expressadas das letras. É possível fazer isso atribuindo cargas emocionais positivas ou negativas às palavras ou de forma mais sofisticada, como diz o artigo, fazer uma matriz de palavras para oito emoções centrais: alegria, tristeza, raiva, medo, nojo, surpresa, confiança e antecipação.

Uma medida do sentimento econômico

Com a lista de músicas e emoções os pesquisadores podem montar um indicador sobre a percepção geral dos ouvintes e utilizar isso como uma medida de sentimento econômico. E esse exercício pode ser feito de forma periódica e em diferentes locais.

Sem a pretensão e muito menos o rigor necessário para replicar o estudo fui dar uma olhada no “top 100” do Spotify por aqui. Liderando a lista estão músicas sertanejas e funks, com letras que variam entre desilusão, saudade, traição, arrependimento e “amor ao copo”. Seria uma expressão da realidade econômica ou apenas uma fuga romântica desses últimos anos de penúria no lado real da economia?

O artigo também faz menção a um interessante discurso do economista-chefe do Banco da Inglaterra (BoE), Andy Haldane, que falou sobre o uso da música como medida de sentimento econômico em uma ampla e interessante exposição sobre o uso de Big Data e como essa técnica e suas ferramentas estão sendo utilizadas dentro e fora do BC inglês. “E por que parar nas músicas? As preferências com relação a livros, TV e rádio também podem oferecer uma janela para a alma das pessoas”, disse Haldane, que também levanta a hipótese de se usar jogos para entender o comportamento das pessoas diante de algumas restrições.

No cerne está uma discussão mais aprofundada sobre os modelos matemáticos que os BCs e demais agentes usam para fazer seus exercícios de projeções. Uma batalha ou complementariedade entre modelos puramente dedutivos e estáticos (que falharam miseravelmente da crise 2008/2009) com modelos empíricos e que aceitam equilíbrios mais dinâmicos, como a própria sociedade.

Por aqui, nosso BC faz uso de Big Data com relação a informações de crédito, que ajudam a desenhar políticas prudenciais. Com a imensa base de dados que dispõe o BC também faz uma supervisão em tempo real sobre a solvência do sistema financeiro, isto é, se alguma instituição está passando por dificuldades de caixa, e dispõe também de um intrincado modelo de detecção de fraudes.

Quer receber notícias por e-mail? Clique aqui e se cadastre na nossa newsletter gratuita.

Leia também:

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

pandemia

Itamaraty confirma que Índia atrasará entrega de vacinas

Chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies