2019-04-20T17:00:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Contas Externas

Longe da Argentina e mais ainda da Turquia

Solidez das contas externas sugere um preço diferente para o dólar no Brasil

24 de setembro de 2018
11:57 - atualizado às 17:00

O Banco Central (BC) apresentou os dados de agosto sobre a nossa relação comercial, financeira e de serviços com o resto do mundo. Ficamos “devendo” US$ 717 milhões no mês passado. Mas isso não representa problema. No mês, o investimento externo feito no país ficou em US$ 10,61 bilhões, maior valor mensal desde janeiro de 2017 e mais que o dobro em comparação com o visto um ano antes.

Esse quadro de investimentos financiando o déficit se repete nas principais métricas acompanhadas para dizer se o país pode vir a ter um problema no seu balanço de pagamentos. Quadro que sempre vem acompanhado de alta do dólar e posterior ajuste para cima nas taxas de juros. Algo que vimos acontecer faz poucos dias com Argentina e Turquia.

Por aqui, no entanto, o quadro externo não inspira maiores cuidados. De fato, se fosse apenas esse o fator utilizado para dar preço ao dólar, certamente a cotação não estaria nessa linha dos R$ 4,0, mas abaixo.

Em período eleitoral, no entanto, o que manda são as expectativas com relação ao pleito e as incertezas que envolvem o escolhido pelas urnas. O tal fundamento conta, mas deixa de ser determinante nesses momentos. A boa notícia é que o setor externo é uma preocupação a menos para quem quer que venha ocupar o Palácio do Planalto.

Em 12 meses, o déficit em transações correntes equivale a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) elevação em comparação com o fim do ano passado, quando era de 0,48%, mas algo já esperado em decorrência de uma breve reação da atividade.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Já o Investimento Direto no País (IDP) soma US$ 69,632 bilhões, também em 12 meses, o que equivale a 3,61% do PIB, melhor leitura do ano e que sugere uma recuperação depois de meses no qual o IDP ficou no menor patamar desde fins de 2013, na linha dos 3% do PIB.

Regra de bolso para as contas externas é olhar quanto do déficit é financiado pelo IDP. Quanto maior essa relação, melhor para o país, que fica menos dependente de capitais mais ariscos, como aportes em títulos e na Bolsa de Valores, para financiar sua relação com o exterior. Aqui a conta está perto de 4 vezes.

Por isso mesmo que o BC vem falando à exaustão que não existe relação mecânica entre os choques recentes (que impactam o preço do dólar) e a política monetária. Não há sombra de crise nas contas externas que justificaria uma elevação de juro por esse motivo, como chegou a ser aventado por parte do mercado em meados do ano. Exato oposto do ocorrido com Argentina e Turquia. O juro aqui sobe se a inflação e as expectativas ficarem fora das metas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

OPERAÇÃO BILIONÁRIA

Por que a BR Properties (BRPR3) quer reduzir o capital em mais de R$ 1,1 bilhão e distribuir o dinheiro para os acionistas?

6 de julho de 2022

A empresa calcula que, sem novos investimentos relevantes no curto prazo após a venda de parte do portfólio para a Brookfield, seu capital social se tornará excessivo e optou restituir os investidores

NOITE CRIPTO

Bitcoin (BTC) ignora recado do Fed e opera em alta, nos US$ 20 mil; confira cotações

6 de julho de 2022

O Federal Reserve não foi tão claro sobre uma possível recessão norte-americana, mas seus membros evidenciaram que a atual política monetária agressiva vai provocar a desaceleração dos EUA; entenda por que isso mexe com o BTC

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ata do Fed sem surpresas, retorno de 6% + IPCA e mais uma falência no universo cripto; confira os destaques do dia

6 de julho de 2022

A ata do Federal Reserve, divulgada nesta tarde (06), confirmou todas as desconfianças do mercado. Os juros americanos vão continuar subindo de forma acelerada na próxima reunião, as expectativas de inflação no longo prazo seguem crescendo e não há como descartar que a reação da economia ao aperto monetário será uma desaceleração.  A resposta das […]

FECHAMENTO DO DIA

Sem novidades, ata do Fed impulsiona Ibovespa; dólar tem mais um dia de alta e vai a R$ 5,42

6 de julho de 2022

Apesar de a ata mostrar que a situação segue complicada, não houve nenhuma mudança no posicionamento do Federal Reserve

Ranking

Carteira recomendada de ações do Itaú foi a única, entre as maiores corretoras do país, a fechar o semestre com desempenho positivo

6 de julho de 2022

Levantamento da Grana Capital mostra carteira recomendada do Itaú com o melhor desempenho no ano, com alta de mais de 5%, enquanto o Ibovespa recua 6%