Menu
2019-04-20T17:00:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Contas Externas

Longe da Argentina e mais ainda da Turquia

Solidez das contas externas sugere um preço diferente para o dólar no Brasil

24 de setembro de 2018
11:57 - atualizado às 17:00

O Banco Central (BC) apresentou os dados de agosto sobre a nossa relação comercial, financeira e de serviços com o resto do mundo. Ficamos “devendo” US$ 717 milhões no mês passado. Mas isso não representa problema. No mês, o investimento externo feito no país ficou em US$ 10,61 bilhões, maior valor mensal desde janeiro de 2017 e mais que o dobro em comparação com o visto um ano antes.

Esse quadro de investimentos financiando o déficit se repete nas principais métricas acompanhadas para dizer se o país pode vir a ter um problema no seu balanço de pagamentos. Quadro que sempre vem acompanhado de alta do dólar e posterior ajuste para cima nas taxas de juros. Algo que vimos acontecer faz poucos dias com Argentina e Turquia.

Por aqui, no entanto, o quadro externo não inspira maiores cuidados. De fato, se fosse apenas esse o fator utilizado para dar preço ao dólar, certamente a cotação não estaria nessa linha dos R$ 4,0, mas abaixo.

Em período eleitoral, no entanto, o que manda são as expectativas com relação ao pleito e as incertezas que envolvem o escolhido pelas urnas. O tal fundamento conta, mas deixa de ser determinante nesses momentos. A boa notícia é que o setor externo é uma preocupação a menos para quem quer que venha ocupar o Palácio do Planalto.

Em 12 meses, o déficit em transações correntes equivale a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) elevação em comparação com o fim do ano passado, quando era de 0,48%, mas algo já esperado em decorrência de uma breve reação da atividade.

Já o Investimento Direto no País (IDP) soma US$ 69,632 bilhões, também em 12 meses, o que equivale a 3,61% do PIB, melhor leitura do ano e que sugere uma recuperação depois de meses no qual o IDP ficou no menor patamar desde fins de 2013, na linha dos 3% do PIB.

Regra de bolso para as contas externas é olhar quanto do déficit é financiado pelo IDP. Quanto maior essa relação, melhor para o país, que fica menos dependente de capitais mais ariscos, como aportes em títulos e na Bolsa de Valores, para financiar sua relação com o exterior. Aqui a conta está perto de 4 vezes.

Por isso mesmo que o BC vem falando à exaustão que não existe relação mecânica entre os choques recentes (que impactam o preço do dólar) e a política monetária. Não há sombra de crise nas contas externas que justificaria uma elevação de juro por esse motivo, como chegou a ser aventado por parte do mercado em meados do ano. Exato oposto do ocorrido com Argentina e Turquia. O juro aqui sobe se a inflação e as expectativas ficarem fora das metas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

EM SITUAÇÃO DELICADA

FMI vê País com a pior dívida entre emergentes

Situação fiscal ruim do Brasil só é superada por países menores, como Angola, Líbia e Omã

ESQUENTA DOS MERCADOS

Coronavírus assusta, mas balanços corporativos tentam injetar otimismo nos mercados

O aumento do número de casos do coronavírus e a novela do pacote de estímulos fiscais americanos continuam como os principais fatores de cautela no radar dos investidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Lá e de volta outra vez: o maior IPO da história e a pandemia em semana de decisão monetária

Hegel costumava afirmar que a história sempre se repete (como disse, se reordena e retrocede sobre si). Ora, não é que nos deparamos com essas duas ideias nessa última semana de outubro?

Balanços

Santander tem recuperação em “V” e lucro sobe para R$ 3,9 bilhões no trimestre

A unidade local do banco espanhol supera expectativas de longe com lucro líquido de R$ 3,902 bilhões, alta de 5,3% em relação ao terceiro trimestre de 2019

REPARAÇÃO

Eletrobras adere a acordo de leniência da Camargo Corrêa e receberá R$ 117 milhões

Empreiteira assinou acordo de leniência em 2019, confessando ilícitos praticados contra diversas estatais e o governo federal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies