Menu
2019-04-20T17:00:40-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Contas Externas

Longe da Argentina e mais ainda da Turquia

Solidez das contas externas sugere um preço diferente para o dólar no Brasil

24 de setembro de 2018
11:57 - atualizado às 17:00

O Banco Central (BC) apresentou os dados de agosto sobre a nossa relação comercial, financeira e de serviços com o resto do mundo. Ficamos “devendo” US$ 717 milhões no mês passado. Mas isso não representa problema. No mês, o investimento externo feito no país ficou em US$ 10,61 bilhões, maior valor mensal desde janeiro de 2017 e mais que o dobro em comparação com o visto um ano antes.

Esse quadro de investimentos financiando o déficit se repete nas principais métricas acompanhadas para dizer se o país pode vir a ter um problema no seu balanço de pagamentos. Quadro que sempre vem acompanhado de alta do dólar e posterior ajuste para cima nas taxas de juros. Algo que vimos acontecer faz poucos dias com Argentina e Turquia.

Por aqui, no entanto, o quadro externo não inspira maiores cuidados. De fato, se fosse apenas esse o fator utilizado para dar preço ao dólar, certamente a cotação não estaria nessa linha dos R$ 4,0, mas abaixo.

Em período eleitoral, no entanto, o que manda são as expectativas com relação ao pleito e as incertezas que envolvem o escolhido pelas urnas. O tal fundamento conta, mas deixa de ser determinante nesses momentos. A boa notícia é que o setor externo é uma preocupação a menos para quem quer que venha ocupar o Palácio do Planalto.

Em 12 meses, o déficit em transações correntes equivale a 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) elevação em comparação com o fim do ano passado, quando era de 0,48%, mas algo já esperado em decorrência de uma breve reação da atividade.

Já o Investimento Direto no País (IDP) soma US$ 69,632 bilhões, também em 12 meses, o que equivale a 3,61% do PIB, melhor leitura do ano e que sugere uma recuperação depois de meses no qual o IDP ficou no menor patamar desde fins de 2013, na linha dos 3% do PIB.

Regra de bolso para as contas externas é olhar quanto do déficit é financiado pelo IDP. Quanto maior essa relação, melhor para o país, que fica menos dependente de capitais mais ariscos, como aportes em títulos e na Bolsa de Valores, para financiar sua relação com o exterior. Aqui a conta está perto de 4 vezes.

Por isso mesmo que o BC vem falando à exaustão que não existe relação mecânica entre os choques recentes (que impactam o preço do dólar) e a política monetária. Não há sombra de crise nas contas externas que justificaria uma elevação de juro por esse motivo, como chegou a ser aventado por parte do mercado em meados do ano. Exato oposto do ocorrido com Argentina e Turquia. O juro aqui sobe se a inflação e as expectativas ficarem fora das metas.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

questionamentos em brasília

Novo marco de saneamento é alvo de ofensiva no Supremo e no Congresso

No Supremo, mais de 20 empresas estatais que prestam hoje serviços no setor querem a volta da possibilidade de fechar os chamados “contratos de programa”, diretamente com as Prefeituras e sem licitação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies