Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-16T14:32:30-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Como seria um trader fazendo política monetária?

Indicação de Roberto Campos Neto é bem recebida e mercado também comemora permanência de Carlos Viana como diretor. Mas qual será a postura do novo BC?

16 de novembro de 2018
13:26 - atualizado às 14:32
Roberto campos neto, novo presidente do Banco Central
Roberto Campos Neto, futuro presidente do Banco Central -

Conversei com gestores, economistas e ex-diretores do BC e a avaliação prevalente é de que a indicação de Roberto Campos Neto para presidir o Banco Central (BC) está sendo muito bem recebida pelo mercado. E essa percepção ganhou um "upgrade" com a permanência do diretor de Política Econômica, Carlos Viana.

Segundo um ex-diretor, além do presidente do BC “ser um cara bom”, ele tem de saber formar e fazer equipes funcionarem, e Campos Neto demostrou essa capacidade nos anos que esteve à frente da Tesouraria do Santander.

Para um gestor, a combinação de Campos Neto e Carlos Viana é “espetacular”, pois o primeiro é o executivo financeiro mais bem-sucedido do Brasil e o segundo é o melhor especialista em política monetária do país.

“É um Banco Central triplo A. foi um golaço do Guedes montar um BC dessa qualidade. Se eu soubesse que o Bolsonaro atuaria dessa forma, teria votado nele e não anulado o voto”, diz.

Para esse gestor, o BC de Ilan Goldfajn não tinha ninguém bom de mercado e Campos Neto traz esse conhecimento. O gestor lembra que Campos Neto tem um profundo conhecimento de crises financeiras adquirido nos anos em que passou operando dívida soberana.

Sobre o restante da equipe, o gestor acredita que dado que o BC já tem o Campos e o Viana, “tudo o que tiver além disso é luxo”. Ele chama atenção também para o atual diretor de Assuntos Internacionais, Tiago Berriel, tido como “gênio” de grande capacidade de aprendizado. “Ele evoluiu muito dentro do BC é um poço de bom senso. Contraria ele tranquilamente”, diz esse gestor.

Ainda sobre a equipe, fica a dúvida se será mantida a fórmula atual de manter funcionários de carreira e também "gente do mercado". Bons quadros não faltam no BC. Ilan buscou um equilíbrio entre as indicações "da casa" e "de fora" depois de um período em que o BC teve apenas funcionários de carreira nas diretorias.

A influência de Paulo Guedes

A dúvida mais recorrente que ouvi tanto dos locais quando de estrangeiros é sobre qual seria a influência de Paulo Guedes sobre o BC. Para outro ex-diretor do BC, há uma dúvida sobre a independência efetiva que Campos Neto vai ter.

“Tem uma diferença de idades, a amizade, uma relação meio pai e filho. Não consigo pensar em uma dupla de presidente do BC e chefe da Fazenda tão próximos. Realmente foi uma escolha de laços pessoais”, diz.

Paulo Guedes é tido como uma “cria” do economista e ex-ministro Roberto Campos, expoente do pensamento liberal no Brasil e avô do novo presidente do BC.

“Acho uma escolha de risco. Temos agora as duas mais importantes pessoas da equipe econômica sem experiência de Brasília. Mas tudo isso são dúvidas e riscos”, diz esse ex-diretor.

Esse ex-diretor, no entanto, faz uma importante distinção, afirmando que “influência” é bem diferente de “mandar”.

Para outro ex-diretor, Guedes sabe da relevância de ter um BC independente.

“Os dois discutirem o que está acontecendo é uma coisa. Outra é ter uma ‘influência maligna’, como Guido Mantega e Dilma Rousseff tentaram ter”, avalia.

Para o gestor, não faz sentido pensar que Guedes vá mandar no BC.

“Olha o calibre dos caras, não só no BC, mas no restante do governo. São pessoas com agendas próprias e muito reconhecidas. Não são paus mandados e isso é uma tônica do governo”, avalia.

Outro ponto ressaltado é que “a cadeira muda a pessoa” e que a “cultura da casa” é muito forte e acaba se impondo, mesmo que internamente o presidente do BC tenha muito poder.

Falcão ou pombo?

Em política monetária é muito comum o uso dos termos “hawk”, falcão, e “dove”, pombo, para definir a inclinação de um BC e seus dirigentes. O falcão é aquele de postura mais rígida com os desvios da inflação à meta, enquanto o pombo seria mais condescendente ou de postura mais acomodativa.

Ainda não sabemos onde Campos Neto se coloca no range falcão e pombo, mas um interlocutor diz que o futuro presidente achava que o BC deveria ter subido o juro quando a pressão na taxa de câmbio, que levou o dólar para R$ 4,20, desviou algumas projeções da meta. No entanto essa é uma questão que só ele pode responder.

Reservas e atuação no câmbio

Outra dúvida é qual a postura de Campos Neto com relação ao uso das reservas internacionais e intervenções no mercado de câmbio.

Paulo Guedes já deu exemplo hipotético de venda das reservas em um momento de crise para posterior abatimento de dívida. E, agora, o BC volta a ter um trader o que traz recordações dos “temidos” tempos em que o BC entrava no mercado e era respeitado, como escreveu Jason Viera, economista-chefe da Infinity Asset.

O BC atual tem preferência pelo uso dos swaps cambiais nas intervenções, modelo que usa as reservas como lastro, mas sem alterações efetivas nos cerca de US$ 380 bilhões.

“É cedo para pensar em mudança na forma de atuação no mercadão de câmbio. Uma coisa é ser trader em banco privado outra é ser presidente do BC. A cadeira é outra, a função é outra”, diz o ex-diretor.

Outra dúvida, essa levantada pelo gestor, é qual o encaminhamento que Campos Neto dará para a “Agenda BC mais”, conjunto de reformas e ajustes microeconômicos lançado por Ilan Goldfajn, com foco em aumento da competição no sistema financeiro, redução do spread bancário, menor fardo regulatório e ampliação da cidadania financeira.

“A Agenda BC mais é importante demais para redução do spread bancário e aumento da competitividade. Ela busca aumentar a concorrência de verdade. Tem que cobrar o novo presidente se ele vai levar adiante ou mesmo acelera essa agenda”, diz o gestor.

Meu amigo gringo com seu mordaz senso de humor diz o seguinte: "Tenho lido e ninguém faz críticas à indicação de Campos Neto, que é basicamente um trader. Acho que nenhum jornalista quer ficar de fora das coletivas de imprensa do BC e o pessoal do mercado não quer ficar de fora das reuniões com os diretores."

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

INCERTEZAS NO RADAR

CEO da Moderna levanta dúvidas sobre eficácia de vacinas contra a ômicron e provoca reação negativa nos mercados

Stéphane Bancel disse que cientistas consultados por ele esperam ‘queda significativa’ na eficácia dos imunizantes contra a nova cepa

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os investidores agora viraram virologistas: os impactos da Ômicron sobre os mercados

Ainda não sabemos o bastante para decidir se esta é uma oportunidade de compra, mas parecemos estar mais preparados como sociedade para enfrentar o problema

VAREJO DECEPCIONADO?

Black Friday supera prévias, mas vendas do fim de semana ainda ainda perdem para os números registrados em 2019

Segundo índice calculado pela Cielo, as vendas cresceram 6,9% em relação ao ano passado, mas foram 3,8% inferiores ao período pré-pandemia

Adeus ano velho

Ano novo, impostos novos! Reforma do IR fica para 2022, confirma presidente do Senado

O governo Bolsonaro pressionava pela aprovação da proposta para financiar o Auxílio Brasil, mas não conseguiu apoio na Casa

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Bitcoin e bolsa se recuperam após susto com nova variante, Azul e Latam sobem o tom e outros destaques do dia

Pouco se sabe ainda sobre a nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, mas o que veio à público até agora é muito melhor do que o mercado financeiro precificou na última sexta-feira (26). Sem o pânico visto na semana passada, o Ibovespa encontrou forças para abrir a semana em alta.  Um estudo […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies