Menu
2018-11-15T12:51:31-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Comando do Banco Central ainda está em definição

Segundo assessoria de Paulo Guedes escolha do nome que vai presidir a autoridade monetária está em fase final

15 de novembro de 2018
12:51
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

A assessoria de imprensa do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, não confirma nenhum nome para o comando do Banco Central (BC) do próximo governo.

“A escolha do nome para comandar o Banco Central está em fase final de definição e, assim que for confirmado, será devidamente anunciado”, diz breve nota da assessoria.

Segundo o jornal “O Estado de S.Paulo”, Ilan não vai permanecer no comando do BC por motivos pessoais. Ainda de acordo com o jornal, a equipe de transição avalia os nomes do atual diretor de Política Econômica, Carlos Viana, e do diretor do Santander, Roberto Campos Neto.

O site “O Antagonista”, afirma que Campos Neto já foi escolhido para comandar a autoridade monetária.

Procurado, o Banco Central, por meio de sua assessoria de imprensa, disse não comentar o caso.

Neto do ex-ministro Roberto Campos, o economista é tido como próximo de Paulo Guedes e esteve no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) na terça-feira, onde fica reunida a equipe de transição.

O atual presidente Ilan Goldfajn está em férias e é substituído pelo diretor de Regulação, Otávio Damaso.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies