Menu
2019-04-04T14:43:10-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
De olho nas fintechs

BC quer mais concorrência no setor financeiro

Instituição vem agindo para abrir espaço para que fintechs consigam atuar no mercado, segundo diretor do Banco Central, Reinaldo Le Grazie

13 de novembro de 2018
14:23 - atualizado às 14:43
Reinaldo Le Grazie –
Reinaldo Le Grazie - - Imagem: Banco Central/Divulgação

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Reinaldo Le Grazie, disse que a autoridade monetária vem tomando medidas para aumentar a concorrência no setor financeiro. Com isso, a instituição planeja abrir espaço a empresas menores, como as fintechs.

Le Grazie participou da abertura de evento no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que discute a estrutura do setor financeiro nacional e o impacto da verticalização sobre a concorrência.

Custo do crédito

O diretor citou ações adotadas pelo BC para aumentar a oferta de produtos e reduzir o custo do crédito, como segmentação de instituições, regulação e previsão de instituições com propósitos específicos e com menores custos regulatórios.

"Além disso, a instituição vem tomando medidas para aumentar a disponibilidade de informações às instituições, fomentar a portabilidade de depósitos e empréstimos, facilitar o acesso ou mudança de instituição financeira pelos clientes e incentivar inovações financeiras", completou.

Le Grazie disse ainda que, com base nesse ambiente regulatório que tem sido criado, o mercado mostra que a atuação em nichos específicos e de forma inovadora, permite que empresas entrantes possam competir com as já estabelecidas. "Os casos das cooperativas de crédito e das fintechs são exemplos de como a regulação pode fomentar a concorrência na prestação de serviços financeiros", afirmou.

Medidas especiais

Ele ressaltou ainda medidas que vêm sendo tomadas para que fintechs tenham condições de atuar no mercado, como a portabilidade de salário e permissão de que estrangeiros participem do capital dessas empresas.

"Esta medida facilitará a capitalização dessas empresas e a entrada de novas, tendo, portanto, grande potencial de aumentar a competição no setor". Ele acrescentou que a regulação permitiu o desenvolvimento de um ecossistema de fintech "diversificado e crescente".

O diretor ressaltou que o avanço da regulamentação na área de pagamentos teve como um dos efeitos mais evidentes para os usuários finais o aumento da oferta no mercado de credenciadoras, que saiu de um duplo monopólio para mais de 20 empresas. "É preciso manter as condições para que novos credenciadores tenham condições de entrar no mercado", completou.

Le Grazie lembrou que, no mês passado, o Banco Central limitou tarifa de intercâmbio para cartões de débito e disse que a expectativa é que essa redução seja repassada ao usuário final, barateando e aumentando o uso dos meios eletrônicos como forma de pagamento.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

NÚMEROS DA PANDEMIA

Confirmadas mais 1.541 mortes por covid-19 em 24 horas

No período, número de novos casos de infecção pela covid-19 atinge 65.998, de acordo com dados do Ministério da Saúde

Sextou com o Ruy

Certeza é para idiotas. Como ganhar na bolsa mesmo sem saber para que lado a ação vai andar

Nesta semana eu consegui realizar um lucro de 1.250% com uma opção de Petrobras, e nem precisei adivinhar para onde a ação iria

IR 2021

Prazo para envio de informe de rendimentos termina nesta sexta; saiba o que fazer caso não receba algum deles

Saiba que informes de rendimentos você deve esperar receber até o fim do dia de hoje; documento é essencial para preencher declaração de imposto de renda e comprovar informações junto à Receita Federal

Pegue o passaporte

Como usar os ETFs para escapar do risco Brasil e investir nas bolsas globais sem sair da B3

Qualquer investidor com uma conta em corretora pode ter acesso hoje mesmo a uma cesta de ativos que representa as ações das maiores empresas do mundo

Reverteu prejuízo

Vale termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões e aprova dividendos

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior e aprovou distribuição de dividendos, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies