Menu
2018-10-17T09:39:29-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Banco Central

Atividade surpreende novamente e sugere terceiro trimestre positivo

Indicador do Banco Central (BC) sobe 0,47% em agosto e acumula alta de 1,5% em 12 meses

17 de outubro de 2018
9:39
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

Pelo segundo mês consecutivo a atividade surpreende para cima na métrica do Banco Central (BC). O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) apresentou alta de 0,47% em agosto, vindo de variação positiva de 0,65% em julho (dado revisado de 0,57%).

A leitura mensal ficou acima da mediana de 0,25% da “Broadcast Projeções”, que oscilava entre queda de 0,10% e avanço de 0,90%. No ano, o indicador acumula alta de 1,28%. E medido em 12 meses, que capta melhor a tendência em função das revisões constantes, a variação é positiva em 1,50%.

Fazendo um breve exercício de projeção, a economia caminha para um terceiro trimestre com crescimento na casa de 2% sobre o trimestre anterior, quando teve queda de 0,84%, considerando aqui estabilidade do IBC-Br para o mês de setembro.

Essa surpresa positiva, no entanto, não tem força para mudar a visão do Banco Central (BC) com relação ao nível de ociosidade da economia, que faz parte do balanço de riscos para a inflação.

Por ora, a avaliação é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) tem condições de manter a Selic estável na reunião de 31 de outubro em 6,5% ao ano em função da recente desvalorização do dólar, que reduz a pressão sobre as projeções e expectativas de inflação em 2019.

Por outro lado, uma confirmação dessa reação da atividade pode vir a pesar na tomada de decisão do Copom nas demais reuniões. Por isso não se descarta que o BC possa começar a retirar estímulo monetário em 2019.

Há uma diferença entre reduzir a quantidade de estímulo e mudar a instância da política monetária, que segue e deverá continuar estimulativa, ou seja, com taxa abaixo da considerada neutra (taxa neutra é aquela que não tira nem dá estímulo).

A questão envolvendo o “nível de ociosidade” tem pelos menos dois impactos sobre a tomada de decisão do BC. Primeiro, atividade fraca não representa ameaça para a inflação. Segundo, atividade fraca reduz a capacidade de transmissão da alta do dólar para o restante dos preços da economia.

Mas a queda do dólar, que saiu de R$ 4,20 para linha de R$ 3,70, ainda não chegou aos índices de inflação. Sinal claro disso veio nesta manhã com a divulgação do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10). O indicador subiu 1,43% em outubro após aumento de 1,2% em setembro, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). A mediana da “Broadcast Projeções” era de 1,46%, com intervalo de 0,99% a 1,83%.

Para 2018, o BC trabalha com um crescimento do PIB de 1,4%. A mediana do Focus aponta variação positiva de 1,34%. Para 2019 a previsão do BC é de 2,4% e a do mercado está em 2,5%.

Não é o PIB do BC

Mesmo conhecido como PIB do BC, o IBC-Br tem metodologia de cálculo diferente das contas nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em box no Relatório de Inflação (RI), o BC explicou que IBC-Br e PIB são indicadores agregados de atividade econômica com trajetórias similares no médio prazo. Mas há características que os diferenciam tanto do ponto de vista conceitual quanto metodológico.

O IBC-Br, de frequência mensal, permite acompanhamento mais tempestivo do comportamento da atividade econômica, enquanto o PIB, de frequência trimestral, descreve quadro mais abrangente da economia. Além disso, o BC alerta que o processo de dessazonalização pode ampliar diferenças pontuais entre os dois indicadores, o que demanda cautela em comparações nos horizontes mais curtos. No entanto, essas diferenças tendem a se compensar ao longo do tempo, favorecendo as comparações em horizontes mais longos, como o anual.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

pós-isolamento

Adidas informa que dois terços de suas lojas em todo mundo já reabriram

Empresa já reabriu quase todas as suas lojas na Ásia-Pacífico e nos mercados emergentes, enquanto três quartos de suas próprias lojas operam na Europa

diz boa vista

Pedidos de falência no Brasil sobem 30% em maio

No acumulado em 12 meses finalizados em maio, os pedidos de recuperação judicial cresceram 3,7%

entrevista

‘Não precisa passar as coisas de baciada’, diz presidente da Abag

Anúncio de uma página inteira nos principais jornais do País, na semana passada, de entidades do agronegócio, da indústria, da construção civil e do comércio em apoio ao ministro do Meio Ambiente não caiu bem, diz Marcello Brito

em meio à crise

BRMalls fecha parceria para venda nas plataformas da B2W

Acordo permite a venda dos produtos das mais de 6 mil lojas no Americanas.com, Submarino e Shoptime

esquenta dos mercados

Mercado faz pausa no rali enquanto aguarda decisão do BCE

Após alguns dias de rali, os mercados interncionais realizam lucros enquanto aguardam decisão monetária do BCE. Com a agenda esvaziada no Brasil, destaque para a divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego e da balança comercial nos Estados Unidos.

após denúncia

Banco do Nordeste demite presidente 24 horas após posse

Decisão do governo foi tomada após o Estadão revelar que Alexandre Borges Cabral é alvo de uma apuração conduzida pelo TCU

diante da crise

Estímulos devem ser mantidos, diz FMI

Para Kristalina Georgieva, a comunidade internacional deve trabalhar para expandir as transformações digitais e reduzir desigualdades.

hoje não

Holanda rejeita acordo Mercosul-UE

Questão ambiental, relacionada à agricultura no Mercosul, foi o argumento central para o voto dos holandeses

de olho na varejista

Via Varejo anuncia oferta que pode movimentar R$ 4 bilhões

Recursos da oferta serão usados em investimentos em tecnologia e logística, inovação e desenvolvimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements