Menu
2018-09-27T08:12:54-03:00
Estadão Conteúdo
Alívio financeiro

Argentina ganha fôlego com US$ 7 bi a mais do FMI

FMI emprestará à Argentina US$ 13,4 bilhões neste ano ante os US$ 6 bilhões previstos anteriormente

27 de setembro de 2018
6:32 - atualizado às 8:12
Presidente da Argentina, Mauricio Macri
Autoridades argentinas não permitirão volatilidade excessiva, sugerindo intervenções pelo banco central quando houver grandes variações do dólar em relação ao peso - Imagem: shutterstock

O ministro de Economia da Argentina, Nicolás Dujovne, e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, anunciaram nesta quarta-feira, 27, que o montante a ser recebido pelo país vizinho aumentou US$ 7 bilhões, totalizando US$ 57 bilhões.

Dujovne também disse que o câmbio continuará a ser flexível, mas ressaltou que as autoridades argentinas não permitirão volatilidade excessiva, sugerindo intervenções pelo banco central quando houver grandes variações do dólar em relação ao peso.

“Neste novo acordo, o governo resolveu continuar com a implementação de um conjunto de políticas orientadas ao fortalecimento da economia argentina. A convergência mais rápida ao equilíbrio fiscal primário é um passo decisivo para a redução das necessidades de financiamento do governo, o que impulsionará a economia argentina”, afirmou Dujovne.

De acordo com ele, o montante que o FMI emprestará à Argentina neste ano será de US$ 13,4 bilhões, ante US$ 6 bilhões previstos anteriormente. Já o valor previsto para 2019 é de US$ 22,8 bilhões.

Dujovne ainda comentou que a Argentina tem enfrentado uma jornada de volatilidade nos mercados financeiros nas últimas semanas. No entanto, ele garantiu que tem mantido o compromisso de assegurar câmbio flexível. “A estabilidade do peso não depende da política de intervenção, mas sim de uma política fiscal forte”, afirmou o ministro. Nesse sentido, ele comentou que o câmbio continuará flexível, embora grande volatilidade possa exigir intervenções.

Lagarde, presente na coletiva de imprensa, afirmou que o FMI está “completamente comprometido” em ajudar a Argentina e disse que o plano revisado será “fundamental para restabelecer a confiança no país”. Segundo ela, o dinheiro para a Argentina poderá ser usado para manter a seguridade social, mas apontou que o FMI está decidido a adotar um regime de taxa flutuante em acordo com a Argentina.

“O FMI nos respalda a darmos apoio para setores vulneráveis da economia”, disse Dujovne. Segundo ele, o déficit está “plenamente financiado por investimentos externos” e o país deu um passo “muito importante” na qualidade do gasto público.

Sob nova direção

Enquanto isso, na Argentina, o novo presidente do Banco Central da República Argentina (BCRA), Guido Sandleris, anunciou a política monetária que a instituição adotará com objetivo de reduzir a inflação no país. Em coletiva, o dirigente afirmou que a autoridade monetária vai abandonar o regime de metas de inflação. “Vamos voltar a ele em algum momento, mas hoje precisamos adotar uma via mais potente.”

O novo regime anunciado por Sandleris é conhecido como âncora nominal, definido pelo banco central como uma restrição sobre o valor da moeda local, cujos objetivos são determinar o nível de preços e estabilizar as expectativas de inflação. A principal diferença em relação ao regime de metas, segundo o presidente do BCRA, é que não existe uma taxa definida para a inflação, mas sim o objetivo de reduzi-la.

A nova política monetária da instituição terá dois elementos centrais. “O primeiro é o estrito controle do crescimento da base monetária, enquanto o segundo se refere à limitação da zona de intervenção e não intervenção no câmbio”, afirmou. “A base monetária crescia cerca de 2% ao mês e agora não vai crescer, mas isso é necessário para recuperar a estabilidade.”

Já a zona de não intervenção, segundo o dirigente, se dará com o dólar cotado entre 34 e 44 pesos argentinos. Caso a moeda local se deprecie além do que deseja a instituição, o BCRA fará leilões diários de dólares.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

follow on

Ânima levanta R$ 918 milhões em oferta restrita de ações

Recursos levantados serão destinados a financiar parte da aquisição dos ativos do grupo americano de educação Laureate no Brasil

na briga

Em meio a IPO da Rede D’Or, Dasa adquire rede de hospitais em SP por R$ 1,77 bi

Com Leforte, companhia passa a ter cinco hospitais na região metropolitana de São Paulo e expande número de leitos de internação para 2,6 mil

Entrevista exclusiva

Meta da Mitre é lançar cerca de R$ 1,5 bi por ano e pagar ‘bastante dividendo’, diz CEO

Com queda de cerca de 20% no preço das ações desde o IPO, a construtora Mitre Realty entregou bons resultados no 3º trimestre e atingiu 75% da meta inicial de lançamentos para o ano; a partir de 2021, objetivo é estabilizar em seu “tamanho ideal” e focar em rentabilidade e dividendos, diz o presidente Fabrício Mitre.

Sextou com o Ruy

Compre ações de empresas que ganham junto com o cliente

A Pagseguro e a Stone são ótimos exemplos dessa mudança. Elas surgiram com o propósito de melhorar a experiência para os clientes insatisfeitos com os serviços da Cielo e da Redecard

prévias operacionais

Na Gol, demanda por voos cai 43,8% em novembro na comparação anual

No acumulado em 11 meses, a demanda tem recuo de 53,6% na comparação com 2019, enquanto a oferta recuou 52,4%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies