Menu
2019-04-04T14:01:21-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Política monetária

A faxina geral da Argentina com as novas políticas do Banco Central

Novo presidente do BC, Guido Sandleris, anunciou que vai abandonar o regime de metas de inflação e apresentou uma alternativa

26 de setembro de 2018
19:31 - atualizado às 14:01
Peso argentino
Nova política monetária também buscará restringir o valor da moeda local - Imagem: Shutterstock

O novo presidente do Banco Central da Argentina chegou com o pé na porta e promete causar mudanças significativas na política monetária dos hermanos. Guido Sandleris tomou posse como chefe do BC ontem e já nesta quarta-feira, 26, anunciou novas medidas para reduzir a inflação do país.

Sandleris enterrou o regime de metas de inflação que vinha sendo adotado até o momento e lançará medidas conhecidas como "âncora nominal". Na prática, o BC vai deixar de ter uma meta para a inflação e passará a lidar apenas com o objetivo de reduzi-la. A medida entrará em vigor em 1º de outubro.

Dentro desse processo, o banco também vai deixar de intervir no câmbio argentino quando o dólar estiver cotado entre 34 e 44 pesos argentinos. A ação do BC por meio de leilões de dólares só voltará se o peso for negociado acima dos 44 dólares.

Além do novo regime, a política monetária também buscará restringir o valor da moeda local com o objetivo de determinar quais serão os preços do país e estabilizar a inflação.

Mais dinheiro no caixa

Mais cedo, foi a vez do ministro da Economia, Nicolás Dujovne, e da diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, anunciarem novas ações para recuperar a economia argentina. Além dos US$ 50 bilhões que estavam prometidos pelo fundo, a equipe econômica de Macri terá mais US$ 7 bilhões extras para recuperar suas situação fiscal.

Somente neste ano, o FMI vai emprestar US$ 13,4 bilhões à Argentina, ante US$ 6 bilhões previstos anteriormente. Para 2019, o valor repassado será de US$ 22,8 bilhões.

Dujovne também falou sobre o câmbio livre, reafirmando a política de não-intervenção na cotação do peso argentino que foi anunciada pelo BC, salvo em momentos de grandes oscilações.

*Com agências de notícias.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

nem tudo é sucesso

O projeto de Jeff Bezos que levou seis anos, milhões de dólares — e fracassou

Sem alarde, Amazon lançou em maio deste ano um jogo chamado “Crucible”, que foi retirado para download gratuito poucas semanas após ser disponibilizado

após marco legal

Estatais de saneamento pressionam governo por crédito

Empresas querem que o CMN retire os financiamentos às estatais de saneamento do cálculo do limite de exposição dos bancos ao setor público

'CALCINHA BEGE' DA ALOCAÇÃO DE ATIVOS

Conheça o método 60/40, uma estratégia simples e eficiente para montar seu plano de aposentadoria

Estratégia perfeita exatamente para quem sabe que precisa investir, mas não têm muito saco para fazê-lo

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements