Menu
Alexandre Mastrocinque
Que Bolsa é essa?
Alexandre Mastrocinque
É economista, contador e especialista em investimento em ações
2018-10-29T08:19:09-03:00
Que ações vão bombar?

Se o Ibovespa decolar, o lixo vai explodir

O “kit Brasil” continua valendo: estatais como Branco do Brasil (BBAS3), Eletrobras (ELET6) e Petrobras (PETR4) devem puxar a fila. Se estivermos falando de mais de 100 mil pontos no Ibovespa, o que vai subir mesmo é o “lixo”.

29 de outubro de 2018
5:28 - atualizado às 8:19
Placa indica alta no Ibovespa
Placa indica alta no Ibovespa - Imagem: Shutterstock

“Você voltaria até quando para tentar consertar o país?”

“Difícil dizer, mas me parece que tem muita coisa errada com a Constituição de 88. Certamente daria para melhorar algumas coisas.”

Meu primo, que é mais velho e infinitamente mais sábio, rebateu:

“Acho que as coisas começaram a dar errado um pouco depois de assinarem o Tratado de Tordesilhas.”

O Brasil é um país confuso, para dizer o mínimo.

Uma coleção de jabuticabas: arremedos, puxadinhos e privilégios. Fundado na tradição das Capitanias Hereditárias, 500 anos de idas e vindas nos transformaram no país da meia-entrada, se Marcos Lisboa me permite...

Não é uma pessoa, qualquer que seja, que vai dar conta de arrumar toda essa bagunça.

O caminho é longo e os problemas, enormes. Estamos à beira de um colapso fiscal, a reforma da Previdência está uns cinco anos atrasada e as reformas política e fiscal são mais do que prioridades.

Mas Bolsonaro recebeu cerca de 58 milhões de votos (pouco mais de 55% dos votos válidos) – quase 11 milhões de votos a mais que o “Andrade” – o que lhe dá capital político e legitimidade para implementar as ideias de Paulo Guedes, economista mais do que respeitado e, acredita-se, capaz de indicar um bom caminho para a economia do país.

O que virá desse novo governo, só o tempo dirá.

Mas a eleição das agendas reformistas e, mais do que isso, a derrota do partido responsável por boa parte dos problemas econômicos que estão aí na mesa, tendem a gerar um clima de euforia não só nos mercados financeiros, mas na economia real.

Empresários devem aprovar investimentos e o otimismo deve impulsionar o consumo. Se levarmos em consideração o momento favorável do ciclo – ociosidade, baixa pressão inflacionária, juros baixos (podem subir um pouco) – há um crescimento “contratado” para os próximos anos.

Nesse ambiente, não enxergo uma classe de ativos melhor do que ações: os 100 mil pontos são, sim, uma realidade possível, ainda mais se os ventos lá de fora continuarem soprando a nosso favor. Já tem gente falando em 125 mil ao fim de 2019, olha aí o tal do otimismo que gira a economia!

E, se for isso mesmo, se a euforia tomar conta, quase tudo vai subir – vai ser uma alta “across the board” como gostam de falar os gringos (cujo capital deve inundar os mercados brasileiros nos próximos meses). Isso, claro, sempre pensando nas condições normais de temperatura e pressão, ou seja, desde que não tenhamos nenhuma ruptura nas economias lá de fora, que já mostram alguns sinais de desgaste.

Nem tudo vai subir igual, claro.

Que ações vão bombar?

O “kit Brasil” continua valendo: estatais como Branco do Brasil (BBAS3), Eletrobras (ELET6) e Petrobras (PETR4) devem puxar a fila. Algumas estaduais também podem brilhar, com destaque para Cemig (CMIG4), que tem tudo para viver dias de glória depois da vitória esmagadora de Romeu Zema (Novo) em Minas Gerais.

Se o brasileiro se animar e for às compras, as chamadas cíclicas domésticas – B2W (BTOW3), Lojas Americanas (LAME3), dentre várias outras – podem apresentar crescimento forte.

Com o capital fluindo para cá, o dólar perde um pouco da pose e as exportadoras, como Fibria (FIBR3), Suzano (SUZB3) e Vale (VALE3) podem perde o fôlego – ficaria longe delas até o fim do ano.

Gosto muito das empresas de infraestrutura, como Rumo (RAIL3), e de shoppings – Multiplan (MULT3) e Iguatemi (IGTA3) podem voar, já que, com essa animação toda, é difícil acreditar que os juros não cedam mais um pouco – será que veremos a “B” com cupom abaixo dos 4% nos próximos meses???

Mas, cá entre nós, se vier tudo isso mesmo. Se estivermos falando de 100 mil, 125 mil ou sei lá quantos mil pontos, o que vai subir mesmo é o “lixo”. Empresa alavancada, microcaps e vários daqueles nomes que a gente nem lembrava ser listada. Por que não fazer uma fezinha em Oi (OIBR3) e Brasil Properties (BRPR3)? Para fechar o carrinho e partir para o checkout, um punhado de SMALL11, só para ter certeza de que tem um monte das pequenas ali na cesta.

Como vai terminar a união do capitão com o economista liberal eu não sei. A oposição já deve estar se armando e, ao primeiro sinal de desgaste político, veremos do que é feito esse casamento. Até lá, Bolsonaro tem um parlamento relativamente favorável e, ao que tudo indica, está formando uma coalizão para governar.

O que nos resta agora é torcer para um bom governo e para que o país, já dividido há tantos anos, encontre uma forma de caminhar junto – tomara que, de fato, Bolsonaro governe para todos, como sinalizou em seu primeiro discurso.

Enquanto torcemos, não custa nada se posicionar para surfar a onda e colocar uma grana no bolso.

Leia também

Com vitória de Bolsonaro, mercado entra em festa. E você pode participar

Os Estados Unidos podem atrapalhar a festa do investidor brasileiro? Só depois do parabéns!

Paulo Guedes: O foco do programa econômico será o controle de gastos

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu