Menu
2018-11-06T16:23:30-02:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Ação do mês

Petrobras é a aposta na bolsa em novembro; entenda o porquê

Seu Dinheiro traz a principal indicação de sete corretoras que elaboram carteiras recomendadas todos os meses. Todas só puderam escolher uma ação para recomendar.

6 de novembro de 2018
5:09 - atualizado às 16:23
Selo Ação do mês
Petrobras é a aposta do mês de novembro para a bolsa - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Se você tivesse que apostar em apenas uma ação neste mês de novembro, qual seria ela? Que papel teria tudo para deslanchar e garantir uma aplicação certeira? Essas são perguntas que provavelmente você já deve ter feito a si mesmo e que poucas vezes conseguiu responder. No meio de centenas de opções - preferenciais e ordinárias, estatais ou empresas privadas -, não é nada fácil apontar o dedo para apenas um lado e seguir esse caminho.

Mas foi exatamente isso o Seu Dinheiro resolveu fazer por você. Chega de carteiras com cinco, dez, ou quinze ações recomendadas. Não é sempre que um investidor pessoa física consegue apostar em várias cartas ao mesmo tempo. É possível selecionar apenas uma ação e o Seu Dinheiro vai te mostrar a partir deste mês qual é essa aposta feita pelas corretoras.

Lancei esse desafio e sete aceitaram embarcar nessa proposta de enxugar suas listas e trazer o Top 1 das ações. Veja a sugestão de cada uma delas:

Maré favorável na Petrobras

Não foi surpresa para mim quando três dessas corretoras recomendaram as ações preferenciais da Petrobras. De fato, a petroleira vive um momento de negócios muito bom e está se beneficiando diretamente do otimismo com o Brasil na bolsa de valores após o resultado da eleição.

Mesmo com um lucro abaixo do esperado no terceiro trimestre, a companhia divulgou um balanço beneficiado pela alta de preços do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar. Esse cenário se manteve nas últimas semanas e deve se manter ao longo do mês.

É válido comentar que o resultado da Petrobras foi derrubado por despesas pontuais, no caso pelos acordo no valor de R$ 3,5 bilhões firmado com a Justiça dos EUA para encerrar investigações envolvendo a empresa.

Além do petróleo e do dólar, também pesa a favor da estatal a profunda mudança de gestão que ela vem promovendo ao longo dos últimos anos. O Plano Estratégico e o Plano de Negócios e Gestão 2018-2022 têm como diretrizes a redução da alavancagem financeira e dos investimentos futuros, além de um significativo corte de custos operacionais e de venda de ativos - como a refinaria de Pasadena no Texas.

Outra movimentação, dessa vez vinda lá de Brasília, pode dar gás extra aos papéis. É grande a expectativa de que o Congresso aprove o projeto da cessão onerosa, que vai render bilhões aos cofres da Petrobras. Um primeiro passo pode ser dado já nesta terça-feira, 6, com a aprovação do regime de urgência no Senado, adiado na semana passada.

Mas você investidor deve ficar atento porque o projeto tem potencial tanto para trazer uma onda positiva como negativa para as ações. Na negociação com o Senado, não se pode descartar o risco de uma modificação ou rejeição do texto pela Casa - ou até mesmo mudanças nas diretrizes do governo em relação ao tema.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Ex-ministro da Fazenda

Reabertura da economia não está para ser anunciada na Grande SP, diz Meirelles

O secretário da Fazenda e do Planejamento do Estado de São Paulo, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira, 25, que o governo estadual “não está para anunciar” uma reabertura da economia na Região Metropolitana de São Paulo

Mercados tranquilos

Alívio generalizado: Ibovespa dispara e dólar cai a R$ 5,45 na sessão pós-vídeo

O Ibovespa foi às máximas desde 10 de março e o dólar à vista chegou à menor cotação em maio. Os investidores aproveitaram o feriado nos EUA para focar nas questões domésticas — com destaque para o vídeo da reunião ministerial, divulgado no fim da tarde de sexta

Presidente falou hoje

Bolsonaro atribui imagem ruim à ‘imprensa mundial de esquerda’

A declaração foi dada na manhã desta segunda-feira, 25, a uma apoiadora que o recomendou usar a Secretaria Especial de Comunicação para fazer propaganda positiva

otimismo apesar de covid-19

Vamos arrebentar na venda de aeroportos, vamos conseguir vender todos, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, demonstrou nesta segunda-feira, 25, otimismo com os próximos leilões de aeroportos, mesmo diante da pandemia, que afeta bruscamente a aviação civil

Dados de hoje

Déficit da balança brasileira na 3ª semana de maio foi de US$ 701 milhões

A balança comercial brasileira registrou déficit comercial de US$ 701 milhões na terceira semana de maio (de 18 a 24), de acordo com dados divulgados hoje

Bom cenário para a commodity

XP eleva preços-alvo de Suzano e Klabin com boa perspectiva para celulose

Preços-alvo de Suzano e Klabin foram elevados de R$ 43 para R$ 47 e de R$ 18,50 para R$ 22, respectivamente; XP espera valorização de preço da celulose

repercussão internacional

Bolsonaro está levando Brasil ao desastre, diz artigo no Financial Times

Texto compara Bolsonaro ao presidente dos Estados Unidos, mas diz que o mandatário brasileiro é “muito mais estúpido”

DATA MARCADA

Assinatura de renovação de Malha Paulista será no dia 27, diz ministro

De acordo com o ministro, o assunto será deliberado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) nesta terça-feira, 26.

NÃO SE CONCRETIZOU

Promessa feita por Bolsonaro de cortar 30% dos cargos fica no papel

O enxugamento da máquina foi prometido por Bolsonaro várias vezes, ao longo da disputa de 2018.

decisão pós-ataque

Aneel abre tomada de subsídios sobre possível regulação em segurança cibernética

Estudo elaborado em 2018 pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) já apontava que um potencial ataque cibernético no setor elétrico do País poderia gerar um impacto econômico de até R$ 303,8 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements