Menu
2019-07-24T19:54:08+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Cartões

Sem bandeira branca, Cielo diz ter “bastante apetite” para continuar na guerra das maquininhas

Vencedores nessa disputa serão empresas que tiverem base de clientes para apresentar outros produtos, diz presidente da Cielo, que avalia ter banco próprio

24 de julho de 2019
12:08 - atualizado às 19:54
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo
Paulo Caffarelli, presidente da Cielo - Imagem: Beto Barata/PR

Até onde vai a guerra de preços no mercado de maquininhas de cartão? O presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, não sabe dizer, mas deixou claro que não vai hastear bandeira branca aos concorrentes.

"Quem define o preço é o mercado, mas temos bastante apetite para continuar nesse jogo", afirmou Caffarelli, em uma entrevista coletiva na sede da empresa de maquininhas controlada pelo Banco do Brasil e Bradesco.

O presidente da Cielo disse que os vencedores nessa disputa serão as empresas que tiverem base de clientes para apresentar outros produtos aos clientes.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Por isso a companhia decidiu mudar a estratégia e dar foco ao aumento na participação de mercado, em detrimento das margens de lucro.

Os dois lados dessa moeda aparecem bem nos resultados do segundo trimestre. A Cielo registrou lucro líquido de R$ 431,2 milhões, queda de 33,3% em relação ao mesmo período do ano passado e mais uma vez abaixo das projeções do mercado.

Do lado operacional, porém, a empresa mostrou reação, com aumento de 9% no volume de transações realizadas com as maquininhas. A base de clientes também cresceu e chegou a 1,4 milhão, um avanço de 4,6% em três meses e de 14,4% em relação ao segundo trimestre de 2018.

"Os números demonstram que a nossa estratégia focada na participação de mercado foi acertada. Isso não quer dizer q estamos satisfeitos, mas estamos no caminho certo", afirmou Caffarelli.

Líder de mercado, a Cielo voltou a ganhar participação no primeiro trimestre deste ano, com um aumento de 1 ponto percentual, segundo Caffarelli. A expectativa é que essa tendência se repita no segundo trimestre, mas ele não disse que ainda não há como afirmar porque os números dos concorrentes ainda não saíram.

O mercado parece ter comprado o discurso, pelo menos hoje. As ações da Cielo disparou e fechou em alta de 12,89% hoje na B3. Confira também nossa cobertura atualizada de mercados.

Crédito "fumaça"

Na linha de novos produtos que passaram a ser oferecidos aos clientes, o presidente da Cielo destacou o "Receba Mais". Trata-se de um financiamento concedido com base nas projeções de vendas futuras das lojas, o chamado "crédito fumaça".

O projeto piloto começou em junho, com a concessão de R$ 40 milhões. "Essa pode ser uma nova avenida de geração de resultado", afirmou Caffarelli.

Banco Cielo?

O "crédito fumaça" já existe hoje, mas é concedido principalmente por bancos. Ou seja, a Cielo vai competir com as instituições financeiras nessa linha.

Os recursos para a concessão de financiamentos na linha "Receba Mais" hoje vêm de duas fontes: do Bradesco, um dos controladores da Cielo, e de um fundo de recebíveis (conhecido pela sigla FIDC).

Caffarelli não descarta o uso de recursos de outros bancos no futuro ou até mesmo criar um banco próprio para ter um "funding" mais estável para as operações, na linha do que fizeram outras empresas de maquininhas. Mas disse que essa é uma discussão para o futuro.

Sobre os possíveis planos dos bancos controladores de fechar o capital da Cielo depois da forte queda das ações, Caffarelli negou mais uma vez que haja qualquer discussão nesse sentido.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

libra

Projeto de criptomoeda do Facebook pode sofrer baixa com parceiros

Segundo o Financial Times, são dois os parceiros da empreitada de criptomoeda que disseram ao jornal estar considerando abandonar a moeda digital

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements