Menu
2019-05-13T14:31:08+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Guerra Comercial

Pode a China vender seu estoque de US$ 1 trilhão em dívida americana?

Possibilidade de retaliação além do campo comercial chegou a correr pelos mercados, mas tal movimento não faria sentido

13 de maio de 2019
14:31
guerra comercial
Imagem: Shutterstock

Os mercados globais reagem de forma negativa à escala da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e um elemento ressurgiu dentro desse ambiente conflagrado: a possibilidade de a China vender seu estoque de títulos da dívida americana.

Sites de notícias voltaram a levantar essa possibilidade depois que a China anunciou que vai impor tarifas a produtos americanos em resposta ao movimento anunciado na semana passada por Donald Trump.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O China é maior financiador da dívida americana, com mais de US$ 1,130 trilhão em Treasuries (dados de fevereiro do Tesouro americano). Em segundo lugar está no Japão, com US$ 1,072 trilhão. Em terceiro lugar estamos nós, o Brasil, com US$ 307,7 bilhões (grande parte de nossas reservas internacionais está nesses títulos). A dívida total passa de US$ 6,3 trilhões.

Essa possibilidade de venda pelos chineses chegou a se refletir no mercado de Treasuries, com as taxas operando em alta em parte do pregão. No entanto, a busca por proteção e a avaliação do mercado de que os chineses não fariam essa venda, coloca as taxas de juros para baixo.

O papel de 10 anos tinha taxa de 2,39%, a menor desde março, depois de chegar a subir a 2,44% no começo do pregão. Quanto maior a demanda pelos papéis, menor é a taxa deles.

Conversei com meu amigo gringo sobre essa possibilidade de retaliação financeira por parte dos chineses, e ele me explicou que os chineses não pensam ou atuam como traders de mercado.

De fato, uma venda rápida dos papéis imporia novos problemas aos Estados Unidos, com uma elevação súbita das taxas de juros. Mas meu amigo explicou que os chineses levam em conta as consequências desse tipo de retaliação no médio e longo prazos.

Se eles realmente fizerem isso, podem sofrer com uma queda acentuada no fluxo de capitais e os chineses sabem que não podem abrir mão dos recursos e do financiamento internacional para sustentar e impulsionar seu crescimento econômico.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Seu Dinheiro na sua noite

Paisagem na janela

O mercado financeiro tem todo um linguajar próprio, com uma penca de termos em inglês. Alguns deles já foram “tropicalizados”, por assim dizer, e fazem parte do dia a dia de quem acompanha as negociações. É o caso do IPO, que é a sigla para oferta pública inicial (ou initial public offering), como é chamada […]

Tudo pelo teto de gastos

FMI diz que ajuste fiscal depende de idade mínima e redução de benefícios de servidores

Fundo afirma que uma reforma robusta e medidas adicionais na área fiscal são necessárias para colocar a dívida pública em trajetória sustentável

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast: Natura e Avon no mesmo pote e o dia depois do ‘tsunami’

Semana foi marcada por negócio bilionário no segmento de beleza, briga pela Netshoes e novidades no front político.

Conquistando aliados

Entidades assinam manifesto pró-reforma da Previdência

Empresários alegam ter confiança na aprovação do texto e dizem que as mudanças são um primeiro passo para a retomada da confiança

Cenário de emprego misto

Caged aponta criação de 129 mil empregos formais em abril; serviços lideram vagas

Resultado divulgado pelo governo, em linha com as expectativas de mercado, foi o melhor para o mês desde 2013

Se quiser ir, vai

Ninguém é obrigado a ficar como ministro, diz Bolsonaro sobre fala de Guedes

Na linha defendida por seu ministro da Economia, presidente voltou a dizer que sem a reforma previdenciária “será o caos na economia”

Privatizações

“Brasil é locomotiva atolada no brejo, precisamos colocá-la sobre os trilhos”, diz Salim Mattar

O secretário responsável pelas privatizações do governo Bolsonaro afirmou mais uma vez que não conhece nenhuma estatal eficiente. “Se alguém encontrar me manda um WhatsApp.”

Mais casos de corrupção

Líder do governo Bolsonaro no Senado está entre os alvos da Lava Jato com bens bloqueados

Senador Fernando Bezerra Coelho é acusar de cometer desvios em negócios relacionados ao esquema de corrupção na Petrobras

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements