Menu
2019-05-24T14:15:47+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Pesquisa

Pela primeira vez, Bolsonaro vê rejeição superar aprovação e população demanda pragmatismo

Grupo que considera atuação do presidente ruim ou péssima subiu para 36%, ultrapassando os 34% que consideram o governo bom ou ótimo. Para 57% manifestações do dia 15 tiveram importância

24 de maio de 2019
10:03 - atualizado às 14:15
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Shutterstock

Os tsunamis das últimas semanas causaram estragos na avaliação do governo Jair Bolsonaro. Rodada extraordinária da pesquisa XP/Ipespe mostra que pela primeira vez no ano o grupo de entrevistados que avalia a atuação do governo como ruim ou péssima subiu para 36%, alta de 5 pontos percentuais, superando os 34% que avaliam o governo como ótimo ou bom (era 35%).

Segundo o relatório da pesquisa, com a redução observada entre os entrevistados que avaliam o governo como regular (de 31% para 26%), é provável que pessoas desse grupo tenham migrado para uma opinião negativa sobre o governo. Foram feitas mil entrevistas nos dias 20 e 21 de maio. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais.

bolsonaro

Também foi captada uma tendência descendente na expectativa da população para o restante do mandato. O grupo de entrevistados que espera que o restante do governo seja ótimo ou bom caiu de 51% na primeira semana do mês, para 47% nessa rodada. Na contramão, também oscilou em 4 pontos percentuais para cima o percentual dos que têm expectativa de que o restante do mandato seja ruim ou péssimo.

bolsonaro

De quem é a culpa?

Perguntados sobre de quem é a maior responsabilidade pela atual situação econômica do país, os entrevistamos seguem indicando os governos Lula (31%), Dilma (18%) e Temer (14%), mas o percentual de respostas em Bolsonaro dobrou desde o começo do mês de 5% para 10%.

Não só isso, mas boa parte dos resultados da pesquisa conversa com a percepção da população com relação às notícias sobre o governo.

Para 56%, as notícias envolvendo o governo e o presidente foram mais desfavoráveis na segunda semana do mês contra 45% na primeira. Enquanto as menções de mais favoráveis caíram de 22% para 14%.

Pragmatismo com o Congresso

Pela primeira vez os entrevistados foram convidados a avaliar o andamento da agenda do presidente Bolsonaro junto ao Congresso Nacional.

Apenas 4% dos entrevistados avaliam como satisfatória a execução dos objetivos do governo no parlamento. Enquanto, 35% afirmam que a agenda tem prosseguido lentamente por culpa do governo e do Congresso.

Outros 30% creditam o ritmo lento à atuação apenas do Congresso e 20% culpam só o governo Bolsonaro pela lentidão.

Parece bem acertada a frase de Bolsonaro de que o grande problema do Brasil é a nossa classe política. Ele também se incluiu como parte do problema.

No entanto, a pesquisa mostra uma demanda ou percepção de que Bolsonaro poderia ser mais pragmático na sua relação com o Congresso.

Para 48% dos entrevistados, o presidente deveria flexibilizar suas posições para aprovar sua agenda, ainda que isso signifique se afastar do discurso inicial. Em abril, eram 37% que defendiam tal postura.

Aqueles que falam que Bolsonaro deve endurecer suas posições e seus discurso, ainda que isso signifique dificuldades na relação com o Congresso, caiu, na margem, de 33% para 31%. Vale notar aqui a semelhança percentual entre o ótimo/bom e o grupo que demanda essa postura mais firme do presidente.

bolsonaro

Alguma mudança de postura pode ser notada nos últimos dias. Ontem, o presidente pediu para o Senado aprovar sem alteração a MP 870, que reestruturou ministérios e tirou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) de Sergio Moro.

A questão do Coaf vinha sendo um cavalo de batalha política e popular dentro do Congresso, mas o gesto do presidente foi importante, ao falar que além de autoridade, o Parlamento tem legitimidade para fazer alterações nos projetos que partem do Executivo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A importância de Rodrigo Maia

Também foram feitas perguntas específicas sobre a relação de Bolsonaro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Para 40% a relação é vista com ruim ou péssima, contra 36% em abril, e para outros 40% a relação entre os chefes do Executivo e do Legislativo é regular, ante 44% na pesquisa anterior.

Perguntado sobre qual a importância dessa relação entre os dois, 44% dizem sem muito importante, contra 43% em abril. Para 39% ela é importante (38% anteriormente).

Manifestações

Os pesquisadores também buscaram medir a opinião da população sobre os protestos ocorridos no último dia 15 de maio, contra o contingenciamento de verbas do Ministério da Educação.

Bolsonaro chamou os manifestantes de imbecis e idiotas uteis e depois falou que quem não entendia a lógica do contingenciamento era um abutre. Nesta semana, o governo optou por usar uma reserva de orçamentou e poupar o MEC e demais órgãos do Executivo de um novo contingenciamento, após revisar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% para 1,6% em 2019.

Mais da metade dos entrevistados (57%) afirmam que as manifestações tiveram importância, enquanto outros 38% disseram que o movimento não teve relevância.

O que é quase um consenso entre os entrevistados é que novos protestos devem voltar a ocorrer, já que 86% optaram por essa resposta.

Parlamentarismo não

Com Rodrigo Maia afirmando que Câmara e Senado terão uma agenda muito racional de reestruturação do Estado, que não vai mais ficar olhando as redes sociais e guerrilhas virtuais e que o Congresso vai tocar uma agenda de reformas apesar do Executivo, surgiu a percepção de que poderíamos rumar para um parlamentarismo branco.

Dentro desse contexto, os entrevistados foram perguntados sobre uma eventual mudança no sistema de governo do país.

A manutenção do atual sistema de presidencialismo foi defendida por 70% dos entrevistados. Outros 18% concordam que com a mudança para o parlamentarismo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

avanços no diálogo

G-7: EUA e Japão fecham acordo; Japão vai comprar excedente de milho americano

No entanto, segundo Trump, tarifas de automóveis dos EUA, que as autoridades japonesas queriam ver reduzidas, permanecerão onde estão

libra

Projeto de criptomoeda do Facebook pode sofrer baixa com parceiros

Segundo o Financial Times, são dois os parceiros da empreitada de criptomoeda que disseram ao jornal estar considerando abandonar a moeda digital

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements