Menu
2019-05-29T22:46:17+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

O que o Temer e o BNDES têm a ver com suas férias na Disney?

A pergunta pode parecer sem sentido, mas temos mudanças no setor público e no mercado de capitais que têm impacto sobre a cotação do dólar. Você já tá xingando, mas essas mudanças são coisa boa

30 de maio de 2019
5:15 - atualizado às 22:46
férias disney
Com dólar acima de R$ 4 virou brincadeira falar que "não vai ter Disney" - Imagem: Shutterstock

Lá no fim de abril, escrevi uma nota dizendo que o Banco Central (BC) enxergava a alta do dólar como um fenômeno estrutural, relacionado à redução de fluxo de capital estrangeiro para o país. Quem trouxe essa explicação foi o diretor de Política Monetária, Bruno Serra Fernandes, e ontem tive a oportunidade de perguntar se ele poderia explicar um pouco melhor essa avaliação.

A explicação passa pela redução no ritmo de crescimento de gasto público, imposta pelo teto de gastos do governo Temer, e conversa, também, com a queda da Selic e com a saída do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do mercado de crédito subsidiado, com a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP).

Sendo bem didático, pois o assunto é áspero, um governo que gasta muito precisa captar mais dinheiro aqui e lá fora para se financiar. Assim, a taxa de câmbio (e de juros) que equilibra essa necessidade acaba sendo estruturalmente mais valorizada.

Com a emenda do teto, o crescimento do gasto público está agora limitado à inflação, exigindo um câmbio real (que considera a inflação) menos valorizado.

Segundo o diretor, isso é algo positivo para o crescimento de longo prazo da economia brasileira.

Junto disso, temos observado um crescimento do mercado de capitais impulsionado por dois vetores. Selic baixa e estável (juro está em 6,5% desde março do ano passado) e a saída do BNDES como fonte de financiamento direcionado com juro muito abaixo da Selic. (Na época dos campeões nacionais e setores eleitos, chegamos a ver empréstimos com juro real negativo, ou seja, o BNDES praticamente pagava o tomador para ele se endividar.)

De acordo com Serra, em função dessas mudanças, o mercado de capitais passou a alocar a poupança nacional de forma mais eficiente que no passado. “O que temos visto é um mercado de capitais com oferta muito grande de recursos por aqui”, explicou.

O diretor lembrou que temos visto emissões de debêntures com prazos de sete a oito anos e teve até uma colocação com 25 anos de prazo. Algo inimaginável pouco tempo atrás.

Ao mesmo tempo, diz Serra, algumas empresas que tinham financiamento no exterior estão vendo a opção de captar no mercado local de forma mais barata. Inclusive já estamos vendo empresas captando dinheiro por aqui para fazer o pré-pagamento de compromissos no mercado internacional.

“Isso é extremamente positivo porque reduz o risco cambial da economia brasileira a longo prazo”, explicou.

Segundo o diretor, todo esse movimento é “muito positivo” e só essa alocação de poupança de forma mais eficiente para o setor privado tende a gerar mais produtividade para a economia brasileira no médio e longo prazos.

“É isso que está acontecendo. Isso, momentaneamente, reduz a liquidez do mercado de câmbio. Durante esse processo, deixamos de captar lá fora e, em alguns casos, temos pré-pago dívida no exterior”, explica.

Ainda de acordo com o diretor, o BC tem bastante capacidade e os instrumentos necessários para lidar com essa transição, provendo liquidez ao mercado quando necessário. Exemplo disso, são os leilões de linha com compromisso de recompra.

Como estamos falando de câmbio é sempre bom fazer um hedge e aqui vai o meu: Falamos aqui de alguns vetores que influem a taxa do dólar, como diferencial de juros interno/externo e fluxo de capitais. Mas a formação de preço também considera, cenário externo, balança comercial, outras moedas emergentes e as expectativas sobre a agenda de reformas, que a depender do resultado, podem promover um influxo de capital no país (facilitando a viagem ao exterior).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Menos Estado, mais mercado

O diretor deu essa explicação durante a coletiva de lançamento da Agenda BC#, que reúne inciativas para melhorar a inclusão, competitividade, transparência e educação financeira.

“Temos sempre a premissa de diminuir o setor público e aumentar o privado”, disse o presidente do BC, Roberto Campos Neto, ao apresentar a agenda.

Essa avaliação macroeconômica do diretor parece demonstrar os primeiros efeitos práticos de algo que o BC e a nova equipe econômica estão falando tem tempo: "O mercado precisa se libertar da necessidade de financiar o governo e se voltar para o financiamento ao empreendedorismo."

A tese que parece começar a se comprovar é que o Estado grande e perdulário promove o chamado “crowding out” do setor privado não só no crédito, mas em outros segmentos da economia. Com o Estado reduzindo sua necessidade de financiamento e com o BNDES racionalizando sua atuação, passaríamos a ver uma maior oferta de recursos para financiar o setor privado, que faria o chamado "crowding in".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De volta à velha política

Governo se rende às indicações políticas para aumentar base

Presidente foi convencido por ministros da área política de que premiar partidos leais a suas propostas seria a única forma de aprovar reformas

Grandes planos

“Vamos lançar nosso banco digital em mil lojas antes da Black Friday”, diz CEO da Via Varejo

Roberto Fulcherberguer tem trabalhado para que o sistema de vendas pela web esteja tinindo para a próxima Black Friday

Passou!

Centauro aprova plano de outorga para opção de compra de ações neste ano

Plano prevê que a quantidade máxima de ações vinculadas será de 7.943.848

Seu Dinheiro no domingo

Quanto rendeu o Seu Dinheiro em um ano?

Você sabe quanto o Seu Dinheiro rendeu em um ano? Não estou falando aqui do montante que você tem aplicado no banco. Mas do Seu Dinheiro mesmo, esse projeto independente de jornalismo e educação financeira que eu coordeno junto com a Olivia Alonso e que tem um time de feras como o Vinícius Pinheiro, o […]

Olhe e copie

5 coisas inteligentes que pessoas com consultores financeiros fazem com o próprio dinheiro que lhes dão uma vantagem

Nem todos querem ou podem pagar um planejador financeiro próprio. Mas que tal dar uma espiada no que eles andam aconselhando?

Enquanto isso, na Assembleia da ONU...

Promessa de ‘afagos’ teria convencido Bolsonaro a aceitar jantar com Trump

No pacote de gestos, a expectativa de auxiliares do Planalto é que Bolsonaro sente-se próximo de Trump

Poucos amigos

Major Olímpio diz que há estratégia no Congresso para desgastar Bolsonaro

Senador afirmou que parlamentares “votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos”

Série: os mais ricos do Brasil

Abilio Diniz: um bilionário bom de briga

Ele transformou a pequena doceria do pai na maior rede varejista do país e aos 82 anos continua na ativa

Papo de poder

Maia conversa com Bolsonaro sobre pauta de votações da Câmara para próxima semana

Entre os itens da pauta está o projeto de lei que trata do registro, posse e comercialização de armas

Após operação da PF

Governo Bolsonaro já avalia substituto para líder no Senado

Dois nomes cogitados para ocupar o cargo de Fernando Bezerra Coelho devem ser discutidos por aliados com o presidente quando ele retornar dos Estados Unidos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements