Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2018-10-31T18:29:36+00:00
Seu mentor de investimentos

O Boeing derrubou a Boeing, que derrubou o Dow, que derrubou o Ibovespa

Desas envolvendo Boeing 737 Max 8 da Lion Air fez as ações da Boeing, uma das 30 que compõem o Dow Jones Industrial, caírem 7% na Bolsa de Valores de Nova York

31 de outubro de 2018
13:44 - atualizado às 18:29
Boeing 737-8 Max
Boeing 737 Max 8 - Imagem: shutterstock

Anteontem, segunda-feira, 29 de outubro, um Boeing 737 Max 8 da Lion Air caiu nas águas do mar de Java, minutos após decolar do Aeroporto Internacional Soekarno-Hatta, de Jacarta, capital da Indonésia. Todas as 189 pessoas a bordo morreram.

Por causa do desastre, as ações da Boeing, uma das 30 que compõem o Dow Jones Industrial, caíram 7% na Bolsa de Valores de Nova York.

Se a aeronave tivesse sido um Boeing 737-700 ou 737-800, a tragédia não teria afetado a cotação das ações da empresa, ou afetado muito pouco, já que se tratam de modelos que voam há bastante tempo e foram mais do que testados e aprovados.

Acontece que o Max 8 é um projeto recente, tendo o primeiro voo regular de passageiros ocorrido em maio de 2017. Nesses casos, sempre fica a desconfiança de que possa ter havido algum erro de concepção.

Isso já aconteceu com diversos tipos de aeronaves, sendo os casos mais emblemáticos o do Comet 2 da De Havilland, em 1953, com dois desastres fatais dos quais, um deles perdeu as asas em pleno voo, e o do Electra 1, da Lockheed, também com dois acidentes causados por panes estruturais, em 1959 e 1960, o que provocou o recolhimento de todos os turboélices da série em operação no mundo até que a falha fosse descoberta e solucionada.

Portanto, nada mais natural do que as ações da Boeing terem sofrido um crash, que contaminou a Bolsa de Valores de Nova York, fazendo com que o Dow Jones perdesse mais de 200 pontos. Tal como vem acontecendo há várias semanas, as perdas da NYSE influenciaram o Ibovespa, que caiu 2,24%.

Só para lembrar, isso foi anteontem.

Mas e a bolsa brasileira?

No que se refere à Bolsa brasileira, essa simetria pode estar com os dias contados. Em algumas semanas, acredito que as expectativas do mercado com relação aos preparativos e aos primeiros meses do governo Bolsonaro deverão prevalecer sobre a influência externa. E não podiam ser mais favoráveis à Bolsa.

Entre as fontes que me enviam notícias de mercado todos os dias estão Thiago Teixeira, da MRJ – Marejo Investimentos. Ontem ele me chamou atenção para a entrevista de Guilherme Aché, da gestora Squadra, ao jornal O Globo.

Aché trabalhou ao lado de Paulo Guedes ao longo de 17 anos no banco Pactual. E revela coisas interessantes sobre seu amigo e ex-parceiro.

Guilherme Aché diz que ainda há muita gente preocupada com o governo Bolsonaro. Isso é “um sinal fantástico”, conclui o entrevistado de O Globo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

AIRBNB

“Não vamos aceitar alegações de concorrência desleal”, diz Leonardo Tristão

No ano passado, o impacto econômico do serviço – que inclui refeições, passeios e outros gastos que os turistas fazem além da hospedagem – foi de R$7,7 bilhões, alta de 92% em relação a 2017

SÃO OS NEGÓCIOS

Influenciadores dão “jeitinho” após fim da contagem de curtidas no Instagram

A rede começou a esconder o número de curtidas em fotos no Brasil. Agora, cada pessoa só acessa os próprios números – uma forma, diz o Instagram, de reduzir o impacto à saúde mental

A FONTE DO PROBLEMA

“Desigualdade tem de ser combatida no imposto de renda”, diz Orair

No primeiro trimestre deste ano, a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros atingiu seu maior nível em pelo menos sete anos

5º MAIS RICO DO MUNDO

Carlos Slim, o bilionário que lucrou com um monopólio e virou o ‘dono do México’

Com conglomerado de mais de 200 empresas, empresário acumulou fortuna de US$ 60 bilhões, que equivale a 6% do PIB do país, e se tornou o quinto homem mais rico do mundo.

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements