Menu
2019-12-03T06:20:51-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).

Mercado entre guerra comercial e PIB

3 de dezembro de 2019
5:35 - atualizado às 6:20
entreguerraePIB
Dados do PIB podem surpreender, após números animadores da atividade doméstica

O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil no terceiro trimestre deste ano (9h) é o destaque do dia, já que a agenda econômica está esvaziada no exterior, mantendo o foco na guerra comercial. Aqui, a expectativa é de que a economia brasileira volte a surpreender, enquanto lá fora a preocupação é com as investidas protecionistas de Donald Trump.    

Após comprar briga com Brasil e Argentina, restaurando a taxação sobre o aço e alumínio por causa da desvalorização das moedas desses países, o presidente norte-americano propôs elevar em até 100% as tarifas sobre US$ 2,4 bilhões em produtos franceses importados aos Estados Unidos e estuda fazer o mesmo com Áustria, Itália e Turquia. 

A medida da Casa Branca contra Paris é uma resposta à taxação na receita de empresas de setor de tecnologia, que atinge em cheio Google, Apple, Facebook e Amazon.com. E os mais recentes movimentos de Trump servem de lembrete aos investidores que o prazo para uma nova rodada de tarifas contra produtos chineses, no dia 15, está se aproximando.

Com a tensão comercial se espalhando e atingindo vários parceiros comerciais dos EUA, os mercados internacionais se retraem. A maioria das bolsas na Ásia fechou em queda, exceto Xangai, que subiu 0,3%, digerindo a notícia de que o governo chinês deve publicar uma “lista de entidades não confiáveis”, que podem ser alvo de sanções e restrições de visto.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores da China, a determinação do país de se opor à interferência externa é “inabalável”. A medida seria uma resposta aos movimentos do Congresso dos EUA por direitos humanos nas regiões de Hong Kong e Xinjiang e sinaliza que as negociações comerciais entre os dois países estão cada vez mais ameaçadas. 

Já no Ocidente, os índices futuros das bolsas de Nova York exibem ganhos moderados, em uma tentativa de Wall Street se recuperar da maior queda em oito semanas vista ontem. As bolsas europeias tentam acompanhar o sinal positivo, mas estão preocupadas com o arriscado jogo dos EUA de mostrar seu poder econômico com tarifas.    

Entre as moedas, destaque para o dólar australiano, que sobe forte contra o xará norte-americano, após o Banco Central local (RBA) manter estável a taxa de juros do país, conforme esperado. A moeda dos EUA também perde terreno para as divisas europeias e o iene, enquanto o petróleo avança, à espera de cortes na produção pelos cartel da Opep.    

Atividade e inflação calibram juros aqui

Por aqui, a expectativa é de que a economia brasileira acelere o ritmo de expansão no terceiro trimestre deste ano, mas não se espera um resultado muito forte. A previsão é de alta de 0,5% em relação ao período anterior, enquanto na comparação anual, o crescimento de 1% apurado no segundo trimestre deve ser repetido nos três meses seguintes, entre julho e setembro.

De qualquer forma, os números oficiais do IBGE devem reforçar a recuperação em curso da economia doméstica, puxada pela produção nacional, os investimentos fixos (FBCF) e o consumo interno. Mais que isso, a abertura dos dados do PIB devem sugerir uma arrancada na reta final de 2019, com a liberação de recursos do FGTS e o desempenho do comércio na Black Friday impulsionando a atividade. 

E esses indícios de uma economia mais aquecida tende a encerrar o ciclo de cortes na taxa básica de juros antes do estimado, logo após a queda “já contratada” de meio ponto em dezembro. Ainda mais diante da resistência do dólar em afastar-se da faixa de R$ 4,20. Com isso, a Selic pararia em 4,50%, sem ajustes residuais no início do ano que vem.  

A recente valorização da moeda estrangeira somada ao acúmulo de pressão inflacionária vinda dos preços de proteínas e da conta de luz levantou dúvidas sobre cortes adicionais no juro básico. Até mesmo a queda neste mês foi colocada em xeque e ainda há incertezas sobre por quanto tempo o Banco Central consegue segurar a Selic estável. 

Os indicadores econômicos domésticos sobre a atividade e a inflação a serem conhecidos nesta semana tendem a calibrar essas apostas. Para tanto, merecem atenção também os números da indústria nacional em outubro, na quarta-feira, e o índice oficial de preços ao consumidor (IPCA), na sexta-feira. Mas hoje é dia de PIB!

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Dinheiro no bolso do acionista

CVC paga R$ 62 milhões em juros sobre capital próprio aos acionistas

Para o pagamento, que será realizado no dia 8 de janeiro, será considerada a posição acionário em 23 de dezembro de 2019, respeitando a negociação realizada no dia

novos ventos

Estrangeiros injetam R$ 161 bilhões em aquisições no Brasil

Depois de um 2018 permeado por incertezas provocadas pela corrida eleitoral, o ambiente voltou a ficar mais favorável para fechar operações de fusões e aquisições no Brasil

dinheiro no caixa

Notre Dame Intermédica define ação a R$ 57 em nova oferta e movimenta R$ 5 bilhões

Companhia faz a oferta para levantar recursos para novos investimentos, liquidar debêntures e para pagar a aquisição do grupo Clinipam

guerra comercial

Negociadores de comércios dos EUA e China ‘mantêm contato próximo’, diz Pequim

No domingo (15), vence o prazo para que os EUA adotem tarifas extras a mais US$ 156 bilhões em importações chinesas

em brasília

Senado aprova pacote anticrime de olho em possíveis vetos de Bolsonaro

Projeto foi desidratado em relação ao conteúdo original encaminhado pelo ex-juiz da Lava Jato; Moro já defendeu que os pontos retirados sejam novamente discutidos no Congresso

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements