Menu
2019-11-21T16:02:21-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

JP Morgan recomenda apostar no Brasil em 2020 e vê alta firme do Ibovespa

Banco trabalha com Ibovespa entre 126 mil e 144 mil pontos e tem mercado brasileiro entre os principais temas de investimento na América Latina

21 de novembro de 2019
9:36 - atualizado às 16:02
Bull-Bovespa touro
Imagem: Andrei Morais / Montagem/Shutterstock

O JP Morgan apresentou um longo relatório sobre os temas de investimento na América Latina para 2020 e quem abre a lista de recomendações é o Brasil, com firme previsão de alta para o Ibovespa.

Segundo o banco, temos uma narrativa única entre os mercados emergentes, considerando uma agenda ampla e profunda de reformas que segue adiante apesar da “implementação barulhenta”. Além disso, juros baixos pavimentam o caminho para uma recuperação puxada pelo consumo, o que permite aumento nos lucros e reduz a preocupação com o preço dos ativos (valuation).

No cenário base, o Ibovespa terminaria 2020 aos 126 mil pontos, o que representa uma alta de 18,2%, sobre os 106.557 pontos considerados no dia da avaliação. No cenário mais otimista (bull case), o índice poderia chegar aos 144 mil pontos, valorização de 35,1%.

Caso as coisas não saiam como o planejado (bear case), o Ibovespa recuaria aos 95 mil pontos, queda de 10,8%. Os “ursos” seriam soltos pela morte do esforço reformista e baixo crescimento.

As previsões para o mercado brasileiro de ações estão acima da média esperada para a região. No cenário básico, o MSCI LatAm tem potencial de alta de 11,7%, e no cenário mais otimista, de 30,3%. Também cairíamos menos que os 14,4% previsto para o índice regional no cenário negativo.

A premissa básica do JP Morgan é que a economia global pode estar voltando a acelerar e que as ações de política monetária dos BCs vão afastar o temor de uma recessão.

A visão é de crescimento acelerando na América Latina, mas com inflação baixa, o que permite que os cortes de juros feitos em 2019 sejam preservados ou mesmo ampliados, combinação única para a região. No lado político, foco nos protestos populares.

O que comprar?

O banco também apresenta dois quadros com suas as ações mais e menos preferidas para a região.

Nos chamados “top picks” temos Afya, Azul, CBD, Copel, Cyrela, Intermedica, IRB, Petrobras ON, Randon, São Martinho, Sonae Sierra e Vale ON.

Os papéis menos preferidos, que têm recomendação entre “neutro” e “abaixo da média” são: BB Seguridade, Braskem, Cogna, CVC, Cteep, Marfrig, Odontoprev, Oi, Tenda, Usiminas e Weg.

País distinto

A convicção do JP Morgan na recomendação acima da média (OW) é “elevada” e está baseada em três fatores fundamentais:

  • Inflação e expectativas baixas por longo período permitem ao Banco Central cortar e, mais importante, manter o juro em patamar baixo, algo "transformacional" para o Brasil
  • Uma retomada do crescimento está a caminho, com a taxa de crescimento anualizada dobrando
  • Agenda de reformas estruturais continua avançando no Congresso

Além do cenário internacional, o maior risco para essa tese de investimento é a ameaça do baixo crescimento, que pode resultar em uma política fiscal mais frouxa conforme as eleições de 2022 ganhem relevância no cenário.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Gringos x Locais

No relatório, o JP Morgan também avalia a saída do estrangeiro da bolsa, notadamente do mercado secundário, e atribui o movimento ao saque generalizado de recursos que se observou em outros emergentes. Mas acredita que assim que esse fluxo mudar de mão, o Brasil poderia se beneficiar.

No lado doméstico, o banco nota que estamos passando por uma mudança estrutural. O juro baixo veio para ficar. O JP Morgan trabalha com Selic de 4,5% no fim de 2019 e 4,25% no começo de 2020. Mesmo acreditando que o juro pode voltar a subir no fim do ano que vem, não teríamos um ciclo de alta, mas sim um ajuste.

Esse cenário tem contribuído para as elevadas captações de recursos pelos fundos multimercado e de ações. Os dois grupos levantaram R$ 227 bilhões em 2019 até outubro e a expectativa é de que essa rotação da renda fixa para ativos de maior risco continue em 2020.

Bilhões ainda estão fora do jogo

Para o JP Morgan, o que temos visto é “apenas o começo”. A alocação total da indústria de fundos no mercado de ações era de apenas 12% dos ativos até agosto, percentual inferior à média de 15 anos de 13,6% e bem abaixo da máxima de 21,7% registrada em 2007.

Além disso, a alocação total dos fundos de pensão no mercado de ações estava em 18,2%, abaixo da média de 15 anos de 27,7%.

Como resultado, diz o banco, se a alocação dos fundos de pensão voltar à média, o potencial de ingresso de recursos no mercado seria da ordem de US$ 41,6 bilhões, algo como 3,8% da capitalização de mercado da B3 em dólares.

Com relação aos pares da região, apenas Colômbia também aparece com “overweight”. Peru tem classificação neutra. México, Chile e Argentina estão com “underweight”.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ECONOMIA

Ilan Goldfajn: ‘O mais importante hoje é a persistência nas reformas’

O economista, hoje presidente do conselho do Credit Suisse, afirma estar otimista, pois vários obstáculos, como a taxa de juros elevada, já foram retirados do caminho

AVIAÇÃO

Companhia aérea que fará voo comercial mais longo do mundo escolhe aviões da Airbus para a operação

A Qantas anunciou na última semana que escolheu os aviões da Airbus e não os da Boeing para realizar o projeto da rota comercial mais longa do mundo e que está em fase de pesquisa

ORÇAMENTO

Congresso pode votar proposta de Orçamento na próxima semana

O texto prevê o total de R$ 3,6 trilhões para as projeções de receita e de despesa. Desse total, R$ 3,5 trilhões são dos orçamentos fiscal e de seguridade social, dos quais R$ 917,1 bilhões referem-se ao refinanciamento da dívida pública

NOVIDADES À VISTA

A estratégia do novo CEO da Ambev para inovar e fazer a empresa decolar

Após reunião com novo CEO, analistas do Goldman Sachs disseram que a empresa vai estar mais “aberta” a ouvir os consumidores e que pretende impulsionar um salto tecnológico significativo nos próximos anos

OLHO NO PAÍS

Bolsonaro diz que hoje Brasil é um país favorável a se investir e gerar empregos

o Credit Default Swap (CDS) do Brasil caiu de 102,97 para 100,89 pontos, ficando no patamar mais baixo desde 7 de novembro de 2012 (100,25 pontos)

VIVER DE RENDA É POSSÍVEL

Aposente-se aos 40 (ou o mais rápido possível)

Isso pode parecer utópico à primeira vista, mas é uma filosofia de investimentos amparada em regras bem realistas. E digo mais: com uma boa quantidade de casos de sucesso.

OLHA A VENDA

Petrobras pode render até R$ 24 bi ao BNDES

A contratação de bancos para conduzir essa operação já foi autorizada pelo conselho de administração do BNDES em reunião realizada ontem

VETO

Moro e entidades pedem veto a juiz de garantias

Quem se opõe à proposta argumenta que seria de difícil implementação e resultaria em custo extra para o Judiciário, pois seria necessário contratar ainda mais juízes

MAIOR IPO DA HISTÓRIA

Saudi Aramco: como o príncipe-herdeiro da Arábia Saudita vendeu por trilhões a petroleira que seu avô comprou por uma ninharia

Anteontem, quinta-feira, dia 12, exatamente às 14:50, o José Castro (Zezinho), um dos especialistas em ações da Inversa, postou o seguinte comentário no WhatsApp: + + Valor de mercado da Saudi Aramco supera US$ 2 trilhões no segundo dia de negociação da ação após IPO. + + Na Bolsa de Riad, papel subiu hoje (12.12.2019) […]

VENDA DE AÇÕES

Cofundador da Uber vende cerca de US$ 166 milhões em ações da gigante em dezembro

O fundador de 43 anos fez a venda de mais de 5,8 milhões de papéis da Uber nos últimos três dias úteis desta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements