Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-07-05T08:48:57+00:00
Blog da Angela

Investidor se mexe e Câmara empurra a porta para queda da Selic

Poupança perde R$ 15 bilhões no semestre, patrimônio dos fundos alcança R$ 5 trilhões e ergue um “Titã” para encarar a dívida pública

5 de julho de 2019
6:05 - atualizado às 8:48
Congresso Nacional
Congresso Nacional - Imagem: Pedro França/Agência Senado

A porta para a queda da taxa Selic a 5% ao ano começa a se abrir. Ainda que a aprovação do relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a reforma da Previdência, na comissão especial da Câmara, pareça mais uma fresta do que exatamente uma porta, o caminho está sendo percorrido e o prazo indicado pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para a chancela do Plenário para a reforma está sendo cumprido.

Mantido o ritmo frenético dos últimos dois dias, o projeto do governo tem grande chance de chegar ao Plenário na semana que vem e ser aprovado, ainda que em 1º turno, antes do recesso parlamentar.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta tarde, em São Paulo, espera a aprovação da reforma nos dois turnos no Plenário da Câmara ainda antes do recesso parlamentar.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Isso feito, a retomada do ciclo de corte da taxa básica de juro estará bem mais próxima, uma vez que o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, e os documentos recém-publicados pela instituição atrelaram a redução da Selic à aprovação da reforma das aposentadorias. Mas não é só isso.

Se Campos Neto perseguir um alinhamento da política do “BC do B” às políticas monetárias das principais economias, não tem saída: a Selic cai e logo. Na palestra realizada no evento promovido hoje pela XP Investimentos, o primeiro gráfico da apresentação de Campos Neto fala pelo presidente do BC – explicita sem rodeios as taxas de juros praticadas nos EUA, Reino Unido e Europa e a expectativa dos mercados. Todas as taxas caem fortemente.

A Selic está há mais de um ano a 6,50% e a expectativa de que poderá descer mais alguns degraus é crescente. Já é considerada pelos maiores bancos do país.

Será que os ventos fortes do juro baixo (ainda mais baixo) começa a incomodar os poupadores? Tomara!

Esse seria um excelente motivo para explicar o resgate líquido de quase R$ 15 bilhões das cadernetas no primeiro semestre deste ano. Um péssimo motivo seria a necessidade de pequenos poupadores de compor orçamentos depauperados pela taxa teimosamente elevada de desemprego.

No primeiro semestre do ano, a poupança ficou na lanterna das aplicações financeiras com retorno positivo. O investimento mais conservador do mercado foi acompanhado (no 1º semestre) pelos ativos atrelados ao CDI, taxa de juros próxima da Selic, que permanece na sua mínima histórica de 6,50% ao ano, lembra a repórter Julia Wiltgen.

Hoje, o BC informou que os saques superaram os depósitos em R$ 14,499 bilhões, praticamente o dobro dos R$ 7,350 bilhões de retirada líquida no primeiro semestre de 2018. O saldo total da poupança atingiu R$ 800,647 bilhões ao final de junho.

Em outra ponta do mercado, que oferece rentabilidade mais atraente ao investidor, os fundos de investimento registraram captação líquida – entrada de recursos descontados os resgates – de R$ 130,8 bilhões também no primeiro semestre. Esse montante é quase três vezes maior que o visto no mesmo período do ano passado, que foi de R$ 45,6 bilhões. Os dados são da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

O patrimônio líquido da indústria em junho ficou em R$ 5 trilhões, aumento de 8,2% em relação ao visto em dezembro do ano passado. O número de fundos alcançou 17.905, alta de 4,2% na mesma base de comparação. O número de contas subiu 4,6%, para 16,4 milhões.

No Brasil, os “Titãs” à altura de uma boa luta são os fundos de investimento e a dívida mobiliária federal. São estoques de R$ 5 trilhões de cada lado -- incluindo na fatura da dívida pública as “operações compromissadas” do BC com o mercado. Essas operações correspondem à venda temporárias de títulos federais da carteira do BC atrelados a compromissos de recompra em datas previamente agendadas.

Esse empate R$ 5 trilhões x R$ 5 trilhões é simbólico. Há dupla contagem de estoque, uma vez que os fundos de investimento são os maiores compradores de títulos públicos federais. Em maio, dados mais recentes divulgados pelo Tesouro, os fundos carregavam em suas carteiras R$ 992,8 bilhões, os fundos de previdência R$ 927,4 bilhões, as instituições financeiras R$ 821,7 bilhões, investidores estrangeiros R$ 476,04 bilhões, governo R$ 151,99 bilhões, seguradoras R$ 151,67 bilhões e outros R$ 213,69 bilhões. O estoque das “operações compromissadas” do BC somam, neste início de julho, pouco mais de R$ 1,2 trilhão

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Mercado de trabalho

Emprego informal recorde derruba produtividade da economia brasileira

O crescimento do trabalho informal tem afetado os índices de produtividade da economia do país, de acordo com cálculos da Fundação Getulio Vargas

Shake it off

Taylor Swift, o grupo de investimentos Carlyle e uma briga feia no mundo da música pop

O Carlyle está no centro de uma discussão envolvendo Taylor Swift e sua antiga gravadora, a Big Machine Records, que estão disputando os direitos autorais da obra da cantora pop

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: O jovem bilionário do Facebook

20 de janeiro de 2010: essa é a data da minha primeira postagem no Facebook. Nada muito inspirador, eu estava só reclamando do clima chuvoso. Nos meses seguintes, todas as minhas interações tratavam de joguinhos on-line — aparentemente, eu era um grande fã de FarmVille. Acessar o túnel do tempo das redes sociais é revelador. […]

Fim das atividades

Braskem encerra extração de sal-gema em Alagoas, alvo de ações de R$ 40 bi

Após supostos prejuízos causados a ruas e casas em Maceió (AL), a petroquímica Braskem decidiu encerrar as atividades de extração de sal-gema cidade

Ultrapassou Jeff Bezos

O maior bilionário: Bill Gates volta a ser o homem mais rico do mundo

Com uma fortuna avaliada em US$ 110 bilhões, o fundador da Microsoft, Bill Gates, ultrapassou Jeff Bezos na disputa pelo posto de maior bilionário do mundo

O segundo passo

Binance e Bittrex, duas exchanges estrangeiras de criptomoedas para chamar de sua

Entenda por que vale a pena abrir conta em uma corretora de fora e veja quais são as principais diferenças entre as duas casas sugeridas por especialistas com grande experiência no mercado

Dicas do Fausto Botelho

Bitcoin e outras criptomoedas que estão com tendência de alta

Neste vídeo, o analista gráfico faz projeções para o Bitcoin e muitas outras criptomoedas, além de fazer comentários sobre a tendência do S&P

Abertura de capital

XP Investimentos dá a largada para o IPO e apresenta documentos à CVM americana

A XP Investimentos protocolou os documentos referentes ao seu processo de abertura de capital nos EUA. A operação será feita na Nasdaq, com ofertas primárias e secundárias

Tensão nos ares

Crise na Boeing: sindicatos de companhias aéreas temem a liberação do 737 Max

Com a possibilidade de as aeronaves 737 Max da Boeing serem liberadas novamente para voar, os sindicatos das companhias aéreas mostram-se preocupados

Protestos no país

Banco Central do Chile anuncia novas medidas para conter a queda do peso

A autoridade monetária do Chile irá adotar mais ferramentas para frear a trajetória de desvalorização da moeda do país, em meio à onda de protestos sociais vistos nos últimos dias

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements