Menu
2019-04-20T14:02:38+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Guedes não recua e não se rende na CCJ

Ministro foi com um objetivo, defender a constitucionalidade do pretendido regime de capitalização. Foi agredido e revidou, levando a ferro e fogo o lema de sua equipe

4 de abril de 2019
5:07 - atualizado às 14:02
Paulo Guedes na CCJ
O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Já falei outro dia que o lema do ministro da economia Paulo Guedes é não recuar e não se render. E foi exatamente a isso que assistimos ao longo de pouco mais de 6 horas, ontem, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O epílogo, com o bate-boca envolvendo “tigrão”, “tchutchuca”, “mãe”, “avó” e quase vias de fato, pode acabar por eclipsar o que foi o gesto político mais relevante.

A chegada do ministro à comissão com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e com uma penca de deputados do chamado centrão. Guedes chegou com os votos, todo o resto é um jogo de cena.

Nesse jogo de cena, a percepção é de que a oposição levou a melhor. De fato, a oposição montou esse cenário e soube pilotar boa parte do espetáculo. Fez os requerimentos da audiência, colocou os seus para serem os primeiros na lista de inscrição, entrou na fila pouco antes das 13 horas para pegar os primeiros lugares na CCJ.

Por isso, quem assistiu às primeiras horas da audiência ficou com a clara impressão de que Guedes estava sozinho. No fim, cerca de 40 deputados falaram, sendo pouco menos da metade da base.

Guedes, no entanto, se disse seguro e otimista, pois sabe que tem apoio e que o Congresso, mesmo fazendo cortes e correções, vai votar a medida.

Cenas ou rounds

O ministro também soube se colocar em cena. Reagiu ao primeiro ataque, mas logo recuou, falando que estava errado ao interagir, pois os deputados tornam a discussão técnica sobre as vantagens da mudança de sistema “em outra coisa”.

“Não cabe a mim entrar no debate político. Tenho que dar explicações técnicas e os senhores decidem. Não preciso me exaltar, desculpem”, disse.

Do segundo ato, ou round, para frente, Guedes soube se colocar, entendeu que ninguém está muito preocupado com os fatos, mas com fazer cena ou falar com seu eleitorado. A primeira lição no mundo dos investimentos, do qual Guedes é egresso, é sobreviver. E foi isso que ele fez.

Intercalando toques técnicos, com pancadaria para cima do PT e outros partidos de oposição, o ministro falou que o partido esteve por 16 anos no poder e não fez as medidas que cobrava, como tributação de dividendos, além de aumentar gastos com subsídios e financiar empresários riscos. A plateia aplaudiu.

Em um dos pontos altos, rebateu a crítica sobre o modelo proposto aos militares, que além de assistência também veio com uma revisão de carreiras. “Militares? Cortem vocês. Vocês são o Congresso Nacional. Vocês estão com medo?”

Conselho a Arminio Fraga

Ao longo de boa parte da fala dos deputados, seja da base, independentes ou de oposição, me vinha à mente um conselho que o ex-presidente Fernando Henrique Cardos (FHC) deu ao então postulante ao cargo de presidente do Banco Central, Arminio Fraga, que seria sabatinado pelo Senado.

“O Brasil não gosta do sistema capitalista. Os congressistas não gostam do capitalismo, os jornalistas não gostam do capitalismo, os universitários não gostam do capitalismo. Eles não sabem que não gostam do sistema capitalista, mas não gostam. Eles gostam do Estado, eles gostam de intervenção.”

Mas aí fui surpreendido pela colocação do próprio Guedes, de que o presidente e a tentativa de um modelo liberal chegaram até aqui por meio do voto. Como diz Guedes, o pessoal falou “pera aí”, depois dos 30 anos de centro-esquerda, ponto que ele sempre aborda em suas apresentações. Será que desta vez será diferente?

Ponto objetivo

Guedes tentou mostrar aos deputados que não há escolha, o atual sistema já faliu. Ou se refunda o sistema previdenciário ou em três ou quatro anos estaremos, novamente, discutindo uma “reforma”.

No seu plano, esse arranjo passa por reformar o sistema atual de repartição, que é solidário, para um regime de capitalização. O ponto aqui é a solidariedade, Guedes tentou mostrar que o que se pede é solidariedade nossa para com filhos e netos e não apenas com os idosos que já trabalharam.

Guedes pede, no entanto, a coisa mais difícil para os parlamentares: fazerem uma escolha entre o voto certo ou quase certo na próxima eleição por um futuro que pode se mostrar brilhante.

Pragmático, Guedes disse que ser contra uma reforma, não necessariamente a atual, é “caso para internação” e que se o Congresso optar por não fazer uma reforma ou fazer um ajuste muito tímido, ficará clara a opção por comprometer as gerações futuras.

“Somos solidários, mas não podemos ser contra a aritmética, contra o juro composto”, disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Economia aquecida?

Empresários esperam queda na inadimplência e mais investimentos até o fim do ano

Pesquisa também mostra que 55% das empresas têm a intenção de aportar recursos em novos produtos e serviços, 53% querem dar um upgrade tecnológico e 46% capacitar seus profissionais

Seu Dinheiro na sua noite

O elefante na loja de cristais dos mercados

No seu livro Princípios – leitura obrigatória (ao lado do meu romance Os Jogadores, é claro…) –, Ray Dalio afirma que o importante para quem investe não é prever o futuro, mas captar mudanças no ambiente econômico enquanto elas estão acontecendo. O bilionário gestor do maior “hedge fund” do mundo sabe que é natural os […]

Sete blocos envolvidos

MPF entra com ação para impedir leilão de petróleo ao lado de Abrolhos

MPF na Bahia sustenta que blocos não deveriam ir a leilão sem os devidos estudos ambientais prévios

Papel passado

Bolsonaro sanciona com vetos MP da liberdade econômica

Presidente disse durante a cerimônia de sanção que o governo avalia projeto para incentivar a abertura de empresas

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A Selic caiu novamente. E agora, como ficam os seus investimentos?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

A grana tá solta

Governo libera R$ 12,459 bilhões do Orçamento de 2019 e educação leva a maior fatia do bolo

Parte desse dinheiro não poderá ser distribuída livremente já que, do total, R$ 2,6 bilhões vêm das receitas recuperadas por meio da Operação Lava Jato

Tesourada no governo também

Ministério da Economia corta projeção da Selic em 2019 de 6,2% para 5,9%

Projeção para o câmbio médio deste ano passou de R$ 3,8 para R$ 3,9. Já a estimativa para a alta da massa salarial passou de 5,5% para 4,9%

Meio ambiente em jogo

Amazon entra na onda verde e assina acordo ambicioso para combater mudanças climáticas

Como parte do plano, Bezos disse ainda que vai adquirir 100 mil vans de entregas elétricas da startup de veículos elétricos Rivian e que elas vão começar a rodar a partir de 2021

O céu é o limite?

Ações da Braskem disparam na bolsa após notícias sobre venda pela Odebrecht

Construtora teria recontratado a empresa Lazard para dar continuidade às negociações de venda da sua participação na Braskem

Nova tecnologia

Tim prepara novos polos de testes do 5G no Brasil

“Queremos disponibilizar a tecnologia o quanto antes para que os desenvolvedores comecem a projetar aplicações. Quando o 5G chegar, elas já estarão disponíveis”, explicou, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements