Menu
2019-07-10T14:10:11+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ranking

Os fundos multimercados mais rentáveis do primeiro semestre de 2019; será que o seu está na lista?

Fundos com maior retorno pesaram a mão na renda variável e tiveram grande volatilidade. Mas lembre-se de olhar um histórico de rentabilidade mais longo antes de investir nesse tipo de produto!

10 de julho de 2019
14:10
Medalha de ouro de primeiro lugar
Fundos multimercados mais rentáveis tiveram grande exposição a renda variável e alta volatilidade. Imagem: sergign/Shutterstock

A consultoria Economatica divulgou nesta tarde de quarta (10) um estudo com o desempenho dos fundos multimercados que compõem o Índice de Hedge Funds Anbima (IHFA), um indicador calculado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) com o objetivo de servir de parâmetro para o acompanhamento da evolução deste segmento.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O levantamento inclui um ranking com os multimercados mais rentáveis do primeiro semestre de 2019. É claro que uma análise de tão curto prazo para fundos multimercados não é a ideal, pois muitos destes fundos são destinados a objetivos de longo prazo e podem ter bastante volatilidade. Ou seja, na hora de escolher um fundo desse tipo, o ideal é olhar um histórico longo de rentabilidade.

Ainda assim, a análise pode servir para entender quais estratégias foram vencedoras num determinado período de tempo e também para acompanhar o desempenho dos fundos que o investidor tem em carteira frente aos seus pares, especialmente depois de analisar o desempenho médio dos ativos que eles têm em carteira. Saiba quais investimentos se saíram melhor no primeiro semestre de 2019.

Confira o ranking de rentabilidade dos fundos multimercados que compõem o IHFA

Fundos multimercados mais rentáveis do 1º semestre de 2019

Breve análise

Boa parte dos fundos multimercados mais rentáveis neste primeiros semestre são classificados como Estratégia Específica (focam em uma única estratégia) ou Investimento no Exterior (que podem investir mais de 40% do patrimônio líquido em ativos no exterior). É o caso dos fundos da CSHG, Oceana, JGP, M Square e do FoF Multi Global Equities, do Itaú.

Essas duas classificações tiveram a mais alta mediana de retorno no ano dentre todos os fundos do índice, segundo a Economatica: 13,40%, no caso dos fundos Investimento no Exterior, e 12,71%, no caso dos fundos Estratégia Específica.

Muitos dos fundos desta lista também são long biased, o que significa que eles lançam mão de estratégias para o investimento em ações que lhes permite ganhar na alta ou na baixa.

A maioria dos fundos da lista é destinado a investidores em geral, mas alguns são exclusivos para qualificados ou têm aporte inicial muito elevado, como é o caso do fundo do Itaú e do Oceana Long Biased. Alguns também estão fechados para captação, não aceitando novos aportes, como os da XP, o da JGP e os da Safari.

Importante ressaltar também que, para obter essas rentabilidades formidáveis, os fundos multimercados tiveram que pesar a mão em renda variável neste primeiro semestre. Pelo menos metade deles, incluindo os três primeiros, estiveram entre os 20 fundos do IHFA com maior posição em renda variável na última carteira aberta.

Por consequência, esses fundos também têm volatilidade bem alta. A maioria deles constou na lista dos 20 fundos do IHFA com maior volatilidade nos últimos 12 meses, segundo a Economatica. Isto é, com maior sobe e desce nos preços das cotas.

Em outras palavras, é possível concluir que os fundos multimercados mais rentáveis do primeiro semestre de 2019 se beneficiaram, em geral, da alta nos preços das ações, inclusive no exterior, lançaram mão de estratégias para ganhar até mesmo na baixa e correram uma boa dose de risco.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Sem recessão

FMI estima crescimento mundial de 3,2% em 2019; Brasil terá um magro 0,8%

Projeções foram atualizadas hoje. Para 2020, mundo cresce 3,5% e Brasil avança 2,4%. Risco é de baixa e decorre da guerra comercial e tecnológica

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Ele nunca ganhou tanto dinheiro…

Veja os destaques do Seu Dinheiro nesta manhã

IPCA-15

Queda nos preços dos combustíveis pressiona e prévia da inflação sobe 0,09% em julho, diz IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação, já acumula uma alta de 2,42% no ano. Em 12 meses, o índice chega a 3,27%. 

Mudança no comando

Boris Johnson é eleito chefe do partido Conservador e substituirá Theresa May como premiê britânico

Johnson terá como principal tarefa a conclusão do ‘Brexit’, a separação oficial do Reino Unido da União Europeia, uma dificuldade enfrentada por sua antecessora que foi derrotada três vezes no Parlamento britânico

aporte de peso

Microsoft vai investir US$ 1 bi em projeto de inteligência artificial de Elon Musk

Empresas planejam estender os recursos do serviço de nuvem corporativo Microsoft Azure em sistemas de IA em larga escala

Balanço

Santander tem lucro de R$ 3,635 bilhões no segundo trimestre e rentabilidade bate em 21,3%

Tanto o lucro líquido, que aumentou 20,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado e ficou mais uma vez acima das projeções, como a rentabilidade representam o maior patamar histórico para o Santander

Operação lava Jato

Juiz condena delator e valida acordos de R$ 700 mi da Lava Jato

Para fraudar a competitividade de procedimentos licitatórios da Petrobras, um cartel composto pelas maiores empreiteiras do Brasil, incluindo a Construtora Camargo Corrêa, pagava propina para Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento da estatal.

a bula do mercado

O inevitável afrouxamento monetário se aproxima

Dados do IPCA-15 serão decisivos para calibrar expectativas sobre corte de juro

Ah, poxa vida!

Em nova proposta, governo agora quer limitar saques do FGTS a R$ 500 em 2019

O público-alvo da medida são 100 milhões de contas do fundo (um trabalhador pode ter mais de uma conta)

O Seu Dinheiro na sua noite

Atrás do trio elétrico

Questionado certa vez sobre quem seria o “novo Caetano Veloso”, o cantor e compositor baiano respondeu: “o novo Caetano Veloso sou eu.” Na época, a música popular brasileira apresentava uma renovação com nomes como Lenine, Zeca Baleiro e, principalmente, Chico César. O paraibano era apontado como o principal candidato a herdar o trono do baiano, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements