Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Estrangeiro vende US$ 3,8 bilhões em dólar futuro na B3

Último pregão de janeiro foi de firme troca de posições no mercado futuro. Posição líquida do gringo, no entanto, segue comprada em US$ 33 bilhões

1 de fevereiro de 2019
11:37
Imagem: shutterstock

Todo fim de mês já estamos acostumados a assistir a tradicional briga de comprados, que ganham com a alta do dólar, e vendidos, que lucram com a queda no preços da moeda, no mercado futuro da B3. Mas na virada de janeiro para fevereiro a disputa foi particularmente acirrada.

Os estrangeiros fizeram uma dar maiores vendas diárias desde o conturbado período pré-eleitoral. A posição comprada em dólar futuro caiu em US$ 3,8 bilhões, para apenas US$ 365 milhões. Para dar um parâmetro, em 18 de janeiro a posição chegou a US$ 6,7 bilhões, vindo de posição vendida na virada do ano.

Se o estrangeiro vendeu, alguém comprou. No caso, foram os bancos a contraparte, comprando US$ 3,7 bilhões em dólar futuro, elevando sua posição comprada para US$ 11 bilhões.

Os fundos de investimento não entraram nessa briga e seguiram carregando US$ 12,5 bilhões em posição vendida em contratos futuros.

A avaliação de ganhadores e perdedores nesse mercado é sempre feita em tese, pois não sabemos a que preço as posições foram montadas e se esses agentes possuem exposição ao dólar no mercado à vista e de balcão. Mas teríamos os estrangeiros realizando prejuízo e os bancos remontando posição com dólar mais barato.

Atenção agora ao comportamento desses agentes nos próximos dias, pois é isso que vai determinar a formação da taxa de câmbio. Nos últimos dias assistimos uma briga ao redor dos R$ 3,70 e agora a disputa parece na linha dos R$ 3,65 cotação vista ontem e testava novamente nesta sexta-feira.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Exposição líquida

Além do dólar futuro outra forma de exposição é o cupom cambial (DDI, juro em dólar). Considerando esses contratos, temos que o estrangeiro vendeu dólar futuro, mas comprou cupom cambial. Assim, a exposição líquida não sofreu grande alteração, encerrando o mês de janeiro em US$ 33 bilhões, sendo US$ 32,6 bilhões em DDI mais US$ 365 milhões em dólar. Em 10 de dezembro, essa "aposta" no dólar marcou o recorde a R$ 41,7 bilhões.

Os bancos têm uma exposição líquida vendida pouca expressiva, de US$ 814 milhões. São US$ 11,817 bilhões vendidos em cupom e US$ 11 bilhões comprados em dólar.

Assim, a contraparte do estrangeiro é o investidor institucional, vendido em US$ 34,6 bilhões. Poucas vezes vimos a posição dos fundos acima da dos estrangeiros. Além dos US$ 12,5 bilhões vendidos em dólar há outros US$ 21,85 bilhões vendidos em cupom cambial.

Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu