Menu
2019-08-14T17:32:38+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Emprestar R$ 10 para receber R$ 8? Aceito, dependendo da moeda!

Ajuste de mais de US$ 15 trilhões que estão aportados em títulos com rendimento negativo pode acontecer na cotação das moedas

14 de agosto de 2019
15:56 - atualizado às 17:32
dólar euro franco
Taxas negativas de juros podem terminar em forte instabilidade cambial - Imagem: Shutterstock

Tenho uma proposta imperdível: você me empresta R$ 100 hoje e te devolvo R$ 90 dentro de alguns anos. Você topa? Creio que a resposta será um “não” ou o nosso popular “está de brincadeira”. Mas no mundo, hoje, os donos de US$ 15 trilhões têm certeza de que esse é um bom negócio.

Esses US$ 15 trilhões representam o estoque de recursos que está alocado em ativos que estão com juro negativo. Algo bastante contra intuitivo tendo em vista que o normal é emprestar dinheiro para ter mais dinheiro ao longo do tempo. Ou ao menos não ver a inflação corroer seu poder de compra.

Estudiosos da academia e dos mercados também buscam explicações e algumas delas passam pelo envelhecimento da população, menor necessidade de capital para financiar projetos tecnológicos, desequilíbrios causados pela política de juro baixo e compra de ativos pelos Bancos Centrais.

Essa é uma excelente e infindável discussão, mas o ponto que quero colocar aqui é o seguinte: eu aceitaria perder 10% do principal dependendo da moeda que será feito o pagamento. E você?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Juros x câmbio

A ideia para essa conversa veio da leitura de um relatório feito por Russell Clark, da Horseman Global, que avalia que a taxa de retorno (yields) dos títulos governamentais também embutiria uma perspectiva de longo prazo para as taxas de câmbio.

O assunto parece complexo, mas um exemplo vai nos ajudar a entender qual o ponto dessa discussão e como isso também pode vir a ter reflexos sobre a cotação do dólar, real, yuan e demais moedas globais.

O exemplo dado pela casa de gestão é o do título de 10 anos da Suíça, com retorno negativo de 1%. Isso quer dizer que o comprador terá uma perda de 10% do capital ao  manter o título em carteira até o vencimento.

Essa taxa pode estar refletindo a expectativa de qual será o juro definido pelo Banco Central da Suíça nesse horizonte de tempo. Mas a Clark acredita que pode ter uma avaliação sobre câmbio também.

Um investidor nos EUA pode achar que o retorno de 1,6% que está sendo pago por um papel de 10 anos do Tesouro não é suficiente para compensar a probabilidade de desvalorização do dólar. Então, ele prefere aportar recursos na Suíça, perder 10% do capital, e tomar parte em uma estimada valorização do franco suíço ante o dólar.

Deixando de lado cupom e taxas compostas, para essa tese de investimento ser verdade, teríamos de ver uma valorização de 26% do franco ante o dólar.

Quando maior a diferença entre os títulos dos EUA com os da Suíça, por exemplo, maior é o retorno esperado de se ficar comprado em franco e vendido em dólar.

De acordo com o relatório, algo semelhante já aconteceu nos mercados de títulos e moedas envolvendo Estados Unidos e Japão. Entre 2004 e 2005 o spread dos títulos se ampliou, prenunciando uma firme valorização do iene entre 2007 e 2011.

Tal relação também seria verdadeira para outros mercados. O exemplo dado é o da China, onde um título de 10 anos tem taxa de 3%. Mantendo o papel suíço como referência, teríamos uma valorização implícita do franco de cerca de 40% para compensar a perda de capital nominal.

“Se esta análise estiver correta, os atuais rendimentos dos títulos sugerem que uma substancial volatilidade cambial está prestes a surgir”, conclui Clark.

Agora, fica a provocação. Um contrato de juro futuro (DI) de 10 anos aqui no Brasil está na casa dos 7,4%. Qual seria a desvalorização implícita do real contra o franco? E se trocarmos o yield suíço pelo americano? E se a conta for feita contra o dólar? Se o dólar de fato se desvalorizar ante o franco, ele também se desvaloriza ante o real? Necessariamente os países com juros mais negativos terão a maior apreciação cambial?

A íntegra do relatório pode ser encontrada aqui.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Aquecendo o mercado imobiliário

Novo programa habitacional pode ter verba de R$ 450 milhões em 2020

Governo quer substituir o atual programa habitacional por um sistema de “voucher”, um vale que assegurará um crédito às famílias para a casa própria

Destinos no Brasil e América do Sul

Latam Brasil amplia acordo de codeshare com a Qatar Airways

Agora bilateral, a parceria proporcionará aos clientes da Qatar Airways conexões para destinos em todo o Brasil e América do Sul

Seu Dinheiro na sua noite

Não é só a Previdência

Quando Paulo Guedes assumiu o comando da economia no governo Bolsonaro, formou-se no mercado um misto de grande expectativa e curiosidade. Afinal, era a primeira vez que o Brasil teria uma diretriz liberal “puro sangue”. Parte dos investidores esperava que as primeiras medidas de abertura comercial fossem tomadas logo em janeiro, já que não dependiam […]

Mercado paralelo

Unick Forex é alvo de operação da PF por esquema de pirâmide financeira

A empresa vinha sendo investigada por atuar no mercado financeiro paralelo com a captação ilegal de recursos de cerca de um milhão de clientes

Caged saindo do forno

Saldo líquido de emprego formal foi positivo em 157.213 vagas em setembro

Saldo de setembro do Caged decorre de 1,341 milhão de admissões e 1,184 milhão de demissões

Não está sendo fácil

Campos Neto destaca nos EUA choques internacionais que afetaram PIB em 2019

Apresentação do presidente do BC mostra que a projeção do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto em 2019 é de 0,87%

Crise profunda no PSL

Bolsonaro tenta derrubar líder na Câmara, sofre derrota e destitui Joice Hasselmann da liderança no Congresso

Presidente atuou pessoalmente para tentar derrubar Delegado Waldir, mas movimento foi falho e apenas aprofundou a crise no partido

falam os analistas

UBS eleva preço-alvo da Via Varejo, mas diz que ainda não é hora de comprar a ação da companhia

Analistas do banco suíço avaliam que mudanças promovidas na varejista após a retomada do controle acionário pelo bloco da família Klein ainda não são suficientes para recomendar a compra dos papeis, que ontem fecharam cotados a R$ 7,82

Tá bem na fita

Santander recomenda compra das ações do Banco Pan, chama ativo de “melhor dos dois mundos” e papéis disparam na bolsa

Setor de investimentos do banco espanhol iniciou sua cobertura das ações com um preço-alvo de R$ 14

Balanço SPE

Queda do juro no Brasil é estrutural, diz Ministério da Economia

Entre 2011 e 2013, queda de juros foi feita “na marra” e se tornou insustentável. Agora, Selic menor é vista como sustentável

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements