Menu
2019-06-21T13:03:32+00:00
Natalia Gómez
Natalia Gómez
Balanço

Embraer continua voando baixo e registra prejuízo ajustado de R$ 229,9 milhões no primeiro trimestre

Balanço ficou abaixo do esperado pelos analistas, que previam prejuízo líquido ajustado de R$ 93,2 milhões. A receita líquida da companhia ficou estável e somou R$ 3,1 bilhões

15 de maio de 2019
7:19 - atualizado às 13:03
Sede da Embraer
Imagem: Wikpedia

A Embraer voltou a apresentar um resultado negativo no primeiro trimestre de 2019, com prejuízo líquido ajustado de R$ 229,9 milhões. Um ano antes, o prejuízo foi de R$ 208,9 milhões. Além da última linha vermelha, a empresa reportou menores volumes de entrega, uma carteira de pedidos mais magra e um aumento expressivo na dívida líquida.

O prejuízo atribuível aos acionistas somou R$ 160,8 milhões, ante um resultado negativo de R$ 130,4 milhões no mesmo período do ano anterior. O balanço ficou baixo do esperado pelos analistas, que previam prejuízo líquido ajustado de R$ 93,2 milhões, segundo a Bloomberg.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 120,4 milhões, 32% inferior ao Ebitda ajustado de R$ 177,1 milhões do ano anterior.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A receita líquida da companhia ficou estável e somou R$ 3,1 bilhões, com uma queda na receita da aviação comercial compensada pelos demais segmentos.

Carteira mais magra

A carteira de pedidos firmes da Embraer atingiu US$ 16 bilhões no final de março, considerando todas as entregas assim como os pedidos firmes ocorridos no período.

A carteira ficou praticamente em linha com o quarto trimestre de 2018 (US$ 16,3 bilhões), mas encolheu quando comparada ao primeiro trimestre de 2018, que era de US$ 19,5 bilhões.

Entregas não decolaram

Foram entregues 22 aeronaves no período, ante um total de 25 nos primeiros três meses de 2019. Mesmo assim, a empresa manteve a previsão de entregar 5 a 95 jatos comerciais e de 90 a 110 jatos executivos este ano. A companhia afirmou que espera que as entregas aumentem ao longo do ano.

O segmento de aviação comercial teve receita líquida de R$ 1,06 bilhão no primeiro trimestre, representando 34,2% da receita consolidada da empresa, ante participação de 39,7% no ano anterior. Isso ocorreu devido à queda das entregas, que passaram de 14 para 11 jatos.

A área comercial da Embraer é a parte da empresa que foi envolvida em um acordo com a Boeing para a formação de uma joint venture. A operação foi aprovada pelo governo brasileiro e pelos acionistas da Embraer mas precisa da aprovação regulatória de vários países.

As entregas da aviação executiva no primeiro trimestre somaram 11 unidades, em linha com o primeiro trimestre do ano anterior. Este segmento representou 14,4% da receita total, com R$ 449,6 milhões de receita líquida. Na aviação executiva, o avanço da receita foi de 8% sobre o ano passado.

O segmento de Defesa e Segurança ficou praticamente estável e sua participação na receita total da companhia foi de 21,8%. As receitas de Serviços e Suporte cresceram 19% em relação ao ano anterior, para R$ 920,7 milhões no trimestre, representando 29,5% da receita consolidada da companhia no primeiro trimestre de 2019, comparado a 24,9% um ano antes.

Dívida líquida em alta

Outra notícia desanimadora do balanço foi o aumento da dívida. A empresa fechou o trimestre com dívida líquida de R$ 4,3 bilhões, bem acima da dívida de R$ 2,5 bilhões do ano anterior.

O uso livre de caixa foi de R$ 2,49 bilhões, comparado a um uso de R$ 1,39 bilhão no primeiro trimestre de 2018. Segundo a empresa, o aumento foi causado por maiores investimentos em capital de giro (em especial estoques e contas a receber de clientes) e por menores contribuições de parceiros para compensar investimentos.

Despesas também pressionam

As despesas administrativas da Embraer subiram no primeiro trimestre, passando de R$ 143,8 milhões para R$ 173,9 milhões, impactadas pela variação cambial no período.

As despesas operacionais também ficaram mais pesadas devido ao aumento da baixa contábil (impairment) de aeronaves comerciais usadas no portfólio da empresa e pelos custos de separação relacionados à parceria com a Boeing. Outro motivo foi o aumento de impostos sobre remessas intercompanhias.

A linha de outras despesas operacionais foi a que mais cresceu, passando de R$ 96,2 milhões para R$ 201,5 milhões.

No relatório de resultados, a Embraer disse esperar que seu resultado operacional (Ebit) seja zero em 2019, incluindo os custos de separação relacionados à transação com a Boeing. No primeiro trimestre, o resultado operacional foi negativo em R$ 53,7 milhões.

A Embraer anunciou na semana passada que vai divulgar o balanço do primeiro trimestre atualizado em 31 de maio, já com a unidade de aviação comercial como operação descontinuada, refletindo a parceria com a Boeing. Os resultados de hoje ainda não trouxeram os efeitos desta separação.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

dinheiro no bolso

36,9 milhões de correntistas da Caixa já sacaram recurso do FGTS

Saque de até R$ 500 por conta ativa ou inativa do fundo tem sido feito de forma escalonada, dependendo da data de aniversário de trabalhador

novas funções

Relator de MP que permite saque do FGTS vai ampliar forma de aplicação do fundo

Hoje, a lei só permite que o dinheiro seja usado para financiar moradias, saneamento e infraestrutura

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements