Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

E o Congresso? Vota alguma coisa ainda neste ano?

Fila de projetos é grande e alguma coisa pode ser votada, mas reformas, como Previdência, devem ficar mesmo para 2019

10 de outubro de 2018
6:02 - atualizado às 22:51
Plenário esvaziado em sessão na terça-feira, dia 9 de outubro - Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Câmara e Senado tentam retomar a rotina de trabalhos depois do primeiro turno das eleições. No Senado faltou quórum na terça-feira. Na Câmara, os projetos da ordem do dia não foram apreciados. Mas a expectativa é de que temas como privatização das distribuidoras da Eletrobras, cadastro positivo, capital estrangeiro em aéreas e o Orçamento de 2019 sejam resolvidos até o fim do ano. Previdência não.

Segundo o cientista político da Arko Advice, Cristiano Noronha, há espaço para votações, mas de medidas provisórias e projetos de lei ordinária. “Previdência não sou otimista. Independentemente de quem vença, não sou otimista. Acho que falta tempo”, avalia.

O diretor de Relações Governamentais da Barral M Jorge Consultoria, Juliano Griebeler, também acredita ser difícil pensar em alguma votação de reformas até o fim do ano.

"O governo não conseguiu em dois anos, quando estava forte. Agora, na reta final, é muito improvável. Se tiver alguma reforma envolvendo Previdência, seria apenas o estabelecimento de idade mínima. No lado da reforma tributária pode até tentar alguma unificação de alíquotas de PIS/Cofins, mas não é algo que está com tanto consenso assim", resume o diretor.

Para Noronha dois aspetos têm de ser considerados antes de se pensar em alguma votação envolvendo o tema Previdência. Primeiro, é saber como o parlamentar retorna a Brasília depois de um contato intenso com os eleitores.

“Vários parlamentares que votaram pela reforma na comissão especial não conseguiram se eleger. É um tema complexo. E mesmo aquele que renovou o mandato, qual o sentimento que ele traz das ruas para o Congresso?”, pondera.

De acordo com o jornal “O Estado de S.Paulo” dos 23 parlamentares que tinham votado favoravelmente à PEC da Previdência em comissão especial, apenas cinco continuarão no Congresso. Dos 14 que votaram contra, dez conseguiram se reeleger.

O segundo aspecto, segundo Noronha, é saber qual o nível de engajamento daqueles que não foram reeleitos e estão sem mandato a partir de 2019 de votar uma reforma da Previdência. Para ele, talvez, essa disposição seja baixa.

Irritados x chave ouro

Soube por um amigo que a poeira ainda está baixando no Congresso depois do primeiro turno das eleições. Tem muito deputado e senador que está irritado por não ter sido reeleito e diz que não vai aprovar nada que seja impopular para deixar mais fácil a vida do próximo Congresso. Por outro lado, tem parlamentar que quer fechar o mandato com "chave de ouro".

Assim, deveremos ver uma natural divisão entre os parlamentares sobre qual será a postura diante da pauta de votações, mas ainda é cedo para saber que turma vai prevalecer.

Mais Previdência

Noronha lembra que o tema é complexo, exige um quórum altíssimo para votação e não existe um texto consensual já encaminhado entre os parlamentares.

Os dois candidatos que disputam o segundo turno apoiam algum tipo de reforma, mas cada qual com um formato. Jair Bolsonaro e sua equipe falavam em fazer uma migração de modelo de repartição para capitalização. Fernando Haddad fala mais superficialmente sobre o tema, mas acena que iniciaria uma mudança pelo regime de aposentadorias dos servidores, o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS).

Para Griebeler, o presidente eleito vai ter de implementar uma reforma da Previdência. A dúvida é sobre qual será a reforma e quão rígida ela vai ser para conseguir tornar as contas públicas mais equilibradas.

"O Temer está naquele fim de período no qual tem pouca capacidade de mobilizar o Congresso. Ele vai ter de negociar com o próximo presidente tudo o que vai ser feito", explica o diretor.

Para o Noronha é difícil que Congresso aceite votar uma matéria como Previdência que não seja com o próximo presidente eleito.

“O Congresso vai negociar e arrancar compromissos do próximo presidente.”

Ainda de acordo com Noronha, Michel Temer prestou um grande favor ao falar que deseja votar a reforma da Previdência ao término das eleições. Assim, o tema não sai da agenda e há um reforço de sua importância. Temer falou sobre o assunto no fim de setembro.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que não conseguiu se reeleger, já disse que a reforma proposta por Temer não deve estar na sua pauta.

Novo Congresso

Para Noronha não há dúvida de que o presidente eleito vai precisar de enorme habilidade de diálogo no Congresso em função da maior fragmentação e novo arranjo partidário. Em 2019 serão 30 partidos diferentes, contra os atuais 25.

Para o especialista, a maior presença de representantes de bancadas, como ruralista e evangélica, pode facilitar o trabalho de Bolsonaro, já que ele mesmo disse preferir negociar por tema no lugar da tradicional negociação com lideranças partidárias.

Questionado se esse tipo de negociação não poderá ser mais custosa em termos fiscais, Noronha pondera que as concessões não necessariamente precisam ser de cargos ou nacos do Orçamento. “Pode ser conteúdo de outro projeto. O conteúdo de políticas públicas entra nesse processo de negociação, de convencimento. O parlamentar apoia um tema e troca apoio para outro”, explica.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Dia 17

Buona Sera, Queiroz

Presidente dá entrevista à emissora italiana e STF entra no caso Queiroz

Governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial

O que dirá Paulo Guedes em Davos?

Ideia é atualizar as perspectivas com relação ao futuro do Brasil, transmitindo a imagem de uma democracia vibrante e que funciona bem

Estatal vai recorrer

Petrobras tem revés no Carf e pode pagar até R$ 1,5 bilhão em processo

Petroleira informou que aguarda a intimação oficial na via administrativa e que pretende recorrer da decisão

Meios de pagamento

Em negócio bilionário de fintechs, Fiserv compra First Data por US$ 22 bilhões

A união fortalece as companhias na disputa contra os novos competidores nesse mercado. First Data é dona da marca Bin de maquininhas de cartão no Brasil

Longo prazo

Enel vende por R$ 2,9 bilhões usinas renováveis à CGNEI, da China

Valor total da transação entre as companhias foi US$ 700 milhões (cerca de R$ 2,9 bilhões); as três usinas possuem contratos de venda de energia de longo prazo (PPAs) em vigor

Ex-motorista de Flávio Bolsonaro

STF suspende investigação sobre movimentações financeiras de Queiroz

Ex-motorista do senador eleito, Queiroz é investigado por transações atípicas

câmbio

O que o mercado futuro nos diz sobre o dólar?

Cotação da moeda americana, que fez mínimas a R$ 3,68 na semana passada, volta a mirar os R$ 3,80

Passo a passo

10 regras de bolso para quem quer investir sem ter trabalho

Não quer se tornar um ás dos investimentos? Tem preguiça? Não tem tempo para se dedicar? Seus problemas acabaram! Siga essas dicas para investir no modo “easy”

Vídeo

Desaceleração da China: por que o que acontece do outro lado do mundo importa para o investidor

Por que as bolsas ao redor do mundo são afetadas pelas perspectivas para a economia chinesa? E como os investimentos dos brasileiros são afetados pelo que acontece no gigante asiático? Entenda por que você também deveria ficar sempre de olho na China

Exile on Wall Street

Cinco passos para a real educação financeira

O mercado financeiro pertence aos praticantes: as pessoas aprendem e se educam a partir da prática; o conhecimento precisa emanar da prática para a teoria. E não o contrário.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu