Menu
2019-12-04T07:35:15-03:00
Puxando a alta

Construção civil é destaque na alta da taxa de investimentos

Indústria da construção civil cresceu pelo segundo trimestre seguido. O avanço de 4,4% ante o terceiro trimestre de 2018 foi a segunda alta nessa base de comparação após uma sequência de 20 trimestres de queda na atividade

4 de dezembro de 2019
7:35
Prédios em São Paulo
Prédios em São Paulo - Imagem: Shutterstock

Impulsionado pela construção civil, o investimento foi destaque no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) nacional no terceiro trimestre. A chamada Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) teve alta de 2,0% ante o segundo trimestre do ano e de 2,9% na comparação com o terceiro trimestre de 2018. Em tempos de restrições orçamentárias em todas as esferas de governo, o movimento foi encabeçado pelo setor privado.

Segundo Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve aumento tanto na importação de máquinas e equipamentos quanto na produção doméstica de bens de capital, ao mesmo tempo que a construção civil registrou expansão, o que impulsionou o crescimento da FBCF.

A indústria da construção civil cresceu pelo segundo trimestre seguido. O avanço de 4,4% ante o terceiro trimestre de 2018 foi a segunda alta nessa base de comparação após uma sequência de 20 trimestres de queda na atividade. A perspectiva é que a participação do setor cresça nos próximos trimestres, quando os estandes de novos empreendimentos residenciais se transformarem em obras, movimentando mais trabalhadores, insumos e serviços.

"O mercado imobiliário ainda tem uma contribuição restrita para o PIB. A tendência é que esse mercado venha a aparecer mais fortemente no nível de atividade daqui para frente", explicou Ana Maria Castelo, pesquisadora da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) frisa que, apesar de sinalizar recuperação, a taxa de investimento está há 66 meses abaixo do nível anterior à recessão de 2014 a 2016, no primeiro trimestre de 2014. A entidade alerta que a recuperação tende a ser lenta, mas acredita que, em 2020, o setor de infraestrutura - responsável por obras de grande porte e que segue patinando - tende a contribuir de forma mais positiva para a economia, puxado por iniciativas como alterações regulatórias em setores como petróleo e gás natural, saneamento e energia elétrica.

Se sustentou os investimentos pelo lado da demanda, o início da recuperação da construção civil também contribuiu, pelo lado da oferta, para o avanço no PIB industrial, embora o crescimento de 0,8% da indústria no terceiro trimestre em relação ao período imediatamente anterior tenha sido marcado por variações divergentes entre as atividades.

A indústria extrativa avançou 12% ante o segundo trimestre e também impulsionou o PIB industrial. O salto ocorreu sob os efeitos de um aumento da produção de petróleo e gás no pré-sal, associado a um arrefecimento dos impactos negativos do desastre com a barragem da Vale em Brumadinho (MG), ocorrido em janeiro.

Já a indústria de transformação, coração da atividade industrial, ficou no negativo tanto na comparação com o segundo trimestre (-1,0%) quanto com o terceiro trimestre de 2018 (-5,0%). Houve influência da redução nas exportações para a Argentina, principal mercado consumidor da indústria automotiva nacional, mas também da desaceleração no ritmo de crescimento mundial, especialmente da China.

Para o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), o quadro industrial do País inspira cuidados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Sessão tranquila

Sem surpresas com o Fed, dólar cai a R$ 4,11 e Ibovespa fecha em leve alta

A primeira parte do script imaginado pelos mercados foi cumprida à risca: o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa de juros no país na faixa de 1,50% e 1,75% ao ano, conforme era esperado pelos agentes financeiros. E, sem nenhuma surpresa, o dólar à vista encontrou espaço para continuar caindo, enquanto […]

Menor juro da história

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,5% ao ano

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) efetuou, nesta quarta-feira (11), um novo corte na taxa básica de juros, a Selic. Com a redução de 0,5 ponto percentual, os juros atingem nova mínima histórica, de 4,5% ao ano, dentro da expectativa do mercado. Nesta última super quarta do ano também teve decisão de […]

Juros

Banco Central reduz juros para 4,5% ao ano, mas não garante novos cortes

Com a nova redução de 0,5 ponto percentual em decisão unânime tomada pelo Copom, a Selic renova a mínima histórica

Antes tarde do que nunca?

No dia do IPO da XP, CVM lança proposta para facilitar listagem de BDR

Se já estivesse em vigor, a regra permitiria a listagem de recibos de ações da XP na bolsa brasileira. CVM também pretende liberar investimento em BDR para o varejo

SEM BUROCRACIAS

Em evento na CNI, Bolsonaro faz acenos ao empresariado ao criticar “burocracias”

“Cada instrução normativa deve ser muito bem pensada. Deve atender ao interesse do Brasil. Não de grupos”, disse o presidente

MAIS MAGRINHA

Venda de 51% da Gaspetro com 20 distribuidoras deverá ser por IPO, diz Petrobras

“As conversas continuam com a Mitsui e a nossa expectativa é realizar a transação no mercado de capitais. Em 2015 a Petrobras vendeu 49% da empresa para a Mitsui e agora vamos vender nossa parte em bolsa”, disse Castello Branco

APROVADO

Cade aprova compra da Nextel pela Claro sem restrições

O negócio já havia sido aprovado pela Superintendência Geral do Cade em setembro, mas, após recurso apresentado pela concorrente TIM no mês seguinte, foi reavaliado pelos conselheiros do tribunal

Fim dos cortes?

Fed mantém juros dos EUA entre 1,50% e 1,75% e sinaliza estabilidade nas taxas em 2020

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) manteve a taxa básica de juros do país inalterada, afirmando ver condições favoráveis no mercado de trabalho e expansão econômica moderada

situação complicada

Paralisação da OMC tira do Brasil via para questionar taxas americanas sobre o aço

Tribunal da OMC é o órgão máximo de apelação para questionamentos de condutas comerciais entre países e perdeu o quórum mínimo necessário para que continue funcionando

altas do dia

Ações de Kroton e Estácio sobem forte após MEC ampliar ensino a distância no País

Medida tende a reduzir os custos de ambas as empresas; segundo um analista, entra na conta dos investidores a perspectiva de melhora da economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements