Menu
2019-07-25T06:55:14+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

O BCE entre a cruz e a caldeirinha

Consenso entre analistas é de sinalização para corte em setembro

25 de julho de 2019
6:55
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam o dia em meio à expectativa com o resultado da reunião de cúpula do Banco Central Europeu (BCE). O BCE divulgará sua decisão de política monetária às 8h45. Logo em seguida, o presidente da autoridade monetária, Mario Draghi, concederá entrevista coletiva para falar sobre a decisão.

A cautela que costuma preceder reuniões de política monetária importantes como esta fez com que os mercados de ações na Ásia fechassem com variações estreitas. As principais bolsas de valores europeias abriram no azul, mas também com pequenas oscilações, enquanto os índices futuros de Nova York operavam sem direção única.

Investidores do mundo inteiro preparam-se há meses para o início de uma rodada de corte de juro pelas principais autoridades monetárias do planeta, que mostram-se relutantes. Por trás da pressão sobre os bancos centrais estão a desaceleração econômica global e a política de guerra comercial do presidente norte-americano, Donald Trump.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Os diretores da autoridade monetária da zona do euro realizam sua reunião periódica em um momento no qual o consenso entre os agentes do mercado financeiro é de que o BCE sinalizará hoje um corte de juro para setembro. Entretanto, comentários recentes de diretores do BCE deixam aberta a possibilidade de o alívio monetário começar hoje.

Qualquer que seja a direção tomada pelo BCE, os ativos financeiros locais abrirão a sessão de hoje sob o impacto da decisão de juro e do balanço trimestral do Bradesco.

Fed deve ser o primeiro a agir

Na quarta-feira da semana que vem, será a vez de a direção do Federal Reserve Bank dos Estados Unidos se reunir e é considerada alta a probabilidade de que a autoridade monetária norte-americana desate sua primeira rodada de corte de juros em uma década.

No Brasil, o mercado financeiro abrirá hoje com os investidores já cientes da decisão do BCE enquanto seguem precificando um corte de pelo menos 0,25 ponto porcentual na taxa Selic na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), cuja decisão será conhecida apenas algumas horas depois do posicionamento do Fed.

Existe, no entanto, a possibilidade de o Copom ousar um pouco mais e promover um corte de até 0,50 ponto porcentual na Selic. Contribui para isso a dificuldade do País para voltar a crescer em meio a indicadores e revisões de estimativas que apontam para uma nova retração do PIB no segundo trimestre, o que confirmaria o diagnóstico de recessão técnica no Brasil.

Tal percepção tem levado os contratos futuros de juros a projetarem taxas baixas como nunca se viu antes no mercado brasileiro. Alguns analistas antecipam inclusive que os investidores devem se preparar para a perspectiva de uma nova realidade no mercado local diante da necessidade de assumir mais riscos em suas carteiras na busca por retornos mais elevados.

Cautela justificada

A cautela dos investidores em relação às medidas econômicas de curto prazo prometidas pelo Palácio do Planalto mostrou-se justificada. O governo Jair Bolsonaro autorizou ontem o saque de apenas R$ 500 por conta do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Segundo os cálculos do Ministério da Economia, a liberação dos saques injetaria R$ 30 bilhões na economia até o fim de 2019 e mais R$ 12 bilhões no decorrer de 2020. Seriam portanto R$ 2 bilhões a menos do que de fato entrou na economia em 2017, quando Michel Temer tentou algo parecido.

As surpresas prometidas com ar de grandiosidade pelo ministro Paulo Guedes na véspera do anúncio, como a criação do chamado saque-aniversário a partir do ano que vem, teriam como objetivo evitar que a medida emergencial limite-se a um “voo de galinha”.

Como o uso dos recursos vai depender da decisão e da necessidade individuais de cada correntista, não há garantias de que o impacto será o esperado pelo governo. Há quem considere que a limitação dos saques a R$ 500 direcionaria o dinheiro ao consumo. Pelas contas dos especialistas, se tudo der muito certo, o impacto positivo sobre o PIB de 2019 será de 0,3 ponto porcentual.

Mas em um momento no qual mais de 40% da população adulta do país está endividada, uma porção considerável das pessoas beneficiadas deve optar pelo abatimento de dívidas, repetindo o que ocorreu dois anos atrás, quando a galinha nem saiu do chão.

Enquanto isso, o Tesouro Nacional divulga hoje a situação da dívida pública em junho. Já o Banco Central publica o fechamento do saldo em conta corrente do País no mês passado.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

bombou na semana

MAIS LIDAS: Loucura, loucura, loucura!

De todos os programas criados pelos governos petistas, um dos mais polêmicos sem dúvida é o Bolsa Empresário, como ficou conhecida a política de financiamentos do BNDES a grandes empresas com juros bem camaradas. A estimativa é que os subsídios, ou seja, os recursos públicos usados para tornar esses empréstimos mais baratos, superaram os de […]

dinheiro na conta

Zuckerberg vende US$ 296 milhões em ações do Facebook em um mês

Desde abril, o CEO do Facebook não disponibilizava os papéis que detinha ao mercado; no ano, o bilionário vendeu 2,9 milhões de ações

olhos lá na frente

SulAmérica vende operações à Allianz por R$ 3 bi e ganha fôlego para crescer

Investimento é o maior já feito pela seguradora no Brasil e a coloca no patamar mais alto do que já teve

acusação de jornal

Amazon vende milhares de produtos irregulares nos EUA

Wall Street Journal diz que identificou na loja online brinquedos e medicamentos que eram vendidos sem os devidos avisos sobre os riscos de saúde a crianças

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements