Menu
2019-04-02T13:30:52+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Devo, não nego

Brasil é destaque negativo entre emergentes quando se considera dívida do governo

Levantamento do IIF mostra que endividamento público do país só perde para Egito e Líbano. Instituto apresentou seu levantamento sobre a dívida mundial, que somou US$ 243 trilhões ou 317% do PIB global em 2018

2 de abril de 2019
13:30
Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O aumento no endividamento mundial apresentou forte desaceleração em 2018. A constatação é do Instituto Internacional de Finanças (IIF) que computou um aumento de apenas US$ 3,3 trilhões na dívida global no ano passado, depois um salto de US$ 21 trilhões em 2017.

Ainda assim, a montanha de dívida mundial é de US$ 243 trilhões, o equivalente a 317% do Produto Interno Bruto (PIB) global, considerando população, empresas, governos e bancos.

O acompanhamento dessas cifras astronômicas é relevante pois ajudam a mostrar o quadro geral de alavancagem da economia e quão desastrosas pode ser a próxima crise financeira.

Não por acaso vimos o mundo tremer quanto o Federal Reserve (Fed), banco central americano, chegou a falar em três ou quatro elevações de juros neste ano de 2019, no fim do ano passado, e o consequente alívio com o aceno de que novas elevações no custo do dinheiro saíram no radar ao menos no curto prazo.

Segundo o IIF, todo o aumento de dívida aconteceu no primeiro trimestre do ano passado, quando a soma atingiu US$ 248 trilhões. Depois houve um recuou e relativa estabilidade para o restante do ano.

dívida mundial

E o Brasil com isso?

Olhando apenas as economias emergentes, onde o Brasil está incluso, o crescimento da dívida foi de US$ 1 trilhão, menor ritmo desde 2001, e ficou concentrado no setor doméstico não financeiro. Como as economias também cresceram, a relação dívida sobre o PIB emergentes ficou praticamente estável em 212%.

O Brasil é destaque negativo quanto se olha a dívida governamental, que na métrica do IIF, bateu 86,8% do PIB no ano passado, contra 83,2% em 2017.

A média dos pares emergentes é de 49,7% do produto. Segundo o IIF, esse percentual é recorde e foi puxado pelos países da América Latina e Ásia.

De toda a amostra considerada, a dívida pública brasileira só não é maior que a do Egito (92,5%) e a do Líbano (150%).

O IIF alerta que esse elevado estoque de dívida tem resultado em crescente pagamento de juro da dívida, notadamente no Brasil, Egito e Líbano, cenário que pode resultar em maiores impostos junto com um esvaziamento do investimento público.

Esse alerta do IIF nos é bastante familiar, pois é o crescimento das despesas públicas, financiadas via emissão de dívida, que o governo quer atacar com a reforma da Previdência. Ao mesmo tempo, Paulo Guedes fala em fazer grandes privatizações para reduzir essa conta de juros.

Ainda sobre o Brasil, o IIF mostra que a dívida das famílias equivale a 28,1% do PIB, contra a média emergente de 37,6%. Já a dívida das empresas é pequena se comparada aos pares, totalizando 42,2% do PIB, contra 91,7% do PIB dos emergentes. Já a dívida do setor financeiro se mostra em linha com os demais, ficando em 35,5% do PIB, ante 33,6% da média.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Desenvolvidos

Entre os mercados desenvolvidos a relação dívida/PIB ficou em 390% do PIB. A estabilidade do dado agregado, no entanto, mascara discrepâncias entre os países. Japão, França e Austrália se endividaram mais, enquanto Irlanda, Holanda e Portugal reduziram seus patamares de endividamento.

Dívida nos EUA

A dívida total nos EUA subiu em US$ 2,9 trilhões, somando US$ 68 trilhões em 2018, maior crescimento anual desde 2007. Quem puxou o aumento do endividamento por lá foi o governo, respondendo por 40% do aumento, tendência que deve se repetir em função do elevado déficit público.

No entanto, como a economia cresceu de forma vigorosa no ano passado, a relação dívida total sobre o PIB ficou em 326%, menor patamar desde 2005.

Enquanto a dívida doméstica e do setor financeiro cresceram de forma moderada, permanecendo em patamares inferiores ao da crise de 2008, a dívida das empresas não financeiras foi a 73% do PIB do país, se aproximando dos patamares pré-crise.

A dívida das empresas é vista como um vetor de risco, ainda mais se o Fed retomar alta de juros e a economia entrar em recessão. Juros mais altos aumentam o gasto com o serviço da dívida em um momento de perda de receita.

A dívida do governo se mantém ao redor dos 100% do PIB desde 2015 e segue cerca de 30 pontos percentuais acima do período pré-crise.

China

Os esforços governamentais para reduzir a alavancagem financeira mostram resultado, com a dívida total da China rondando os 290% do PIB desde 2016. A dívida do setor não financeiro está entre 150% a 155% do PIB, abaixo do pico de 2016, mas ainda entre os maiores patamares do mundo.

Já a dívida doméstica, carregada pelos chineses, subiu mais de 40% desde 2016, marcando 52% do PIB, com o aumento do endividamento da população acontecendo em velocidade muito superior ao crescimento de sua renda. O IIF alerta que tal crescimento deixa a população muito mais vulnerável às oscilações do ciclo econômico.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Seu Dinheiro na sua noite

A vida depois da reforma da Previdência

Por 60 votos a 19, o Senado aprovou na noite de hoje o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno. Confesso que em alguns momentos ao longo dessa longa jornada cheguei a duvidar desse resultado. De Lula a Bolsonaro, o projeto atravessou governos de todos os espectros ideológicos. A definição da idade mínima para […]

Tá quase acabando

Senado aprova reforma da Previdência por 60 votos a 19

Votado o texto principal, senadores avaliaram dois dos quatro destaques apresentados. Votação será retomada na quarta-feira

Menos de um mês de operação

Aérea ultra low cost Flybondi aumenta número de voos para Florianópolis e Rio

Adepta do modelo de negócios ultra low cost, a empresa realizou seu voo inaugural ao País, na rota Buenos Aires-Rio, em 11 de outubro

Água no chope

Doria diz que não apoiará Joice Hasselmann para a prefeitura de SP: “meu candidato é Bruno Covas”

Governador paulista se esquivou em relação às discussões sobre 2022. Para o tucano, “não é hora de debater eleição”

Último gás

Alcolumbre inicia ordem do dia no Senado que inclui votação da reforma da Previdência

Essa é a última etapa antes da promulgação da reforma, oito meses após a chegada do texto ao Congresso Nacional

Dinheiro na mão

CMO aprova projeto de lei que abre crédito para União pagar cessão onerosa à Petrobras

Projeto define em R$ 34,6 bilhões os valores relativos ao pagamento da Petrobras

E a crise continua

Ex-líder do PSL, delegado Waldir diz que Bolsonaro é covarde e se dobra a generais em reforma da Previdência dos militares

Praças estão revoltados com as mudanças porque há a previsão de um reajuste maior para as patentes mais altas

Mudanças no radar

Governo apresentará 3 propostas do pacto federativo no dia 29, diz líder do governo no Senado

A expectativa do senador Fernando Bezerra Coelho é que as três medidas sejam aprovadas no Senado ainda em 2019

De futebol a basquete

Os 10 maiores bilionários norte-americanos que possuem seu próprio clube esportivo

O dinheiro pode comprar muitas coisas, incluindo uma equipe inteira. Confira a lista dos mais ricos e aficionados por esportes

o esperado dia

Reforma da Previdência tem 99% de chance de ser aprovada como está, diz relator do projeto

Tasso Jereissati falou após aprovação por votação simbólica do projeto na CCJ do Senado; ele disse que espera texto em segundo turno na Casa ainda hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements