Menu
2019-04-02T13:30:52+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Devo, não nego

Brasil é destaque negativo entre emergentes quando se considera dívida do governo

Levantamento do IIF mostra que endividamento público do país só perde para Egito e Líbano. Instituto apresentou seu levantamento sobre a dívida mundial, que somou US$ 243 trilhões ou 317% do PIB global em 2018

2 de abril de 2019
13:30
Paulo Guedes
Paulo Guedes - Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

O aumento no endividamento mundial apresentou forte desaceleração em 2018. A constatação é do Instituto Internacional de Finanças (IIF) que computou um aumento de apenas US$ 3,3 trilhões na dívida global no ano passado, depois um salto de US$ 21 trilhões em 2017.

Ainda assim, a montanha de dívida mundial é de US$ 243 trilhões, o equivalente a 317% do Produto Interno Bruto (PIB) global, considerando população, empresas, governos e bancos.

O acompanhamento dessas cifras astronômicas é relevante pois ajudam a mostrar o quadro geral de alavancagem da economia e quão desastrosas pode ser a próxima crise financeira.

Não por acaso vimos o mundo tremer quanto o Federal Reserve (Fed), banco central americano, chegou a falar em três ou quatro elevações de juros neste ano de 2019, no fim do ano passado, e o consequente alívio com o aceno de que novas elevações no custo do dinheiro saíram no radar ao menos no curto prazo.

Segundo o IIF, todo o aumento de dívida aconteceu no primeiro trimestre do ano passado, quando a soma atingiu US$ 248 trilhões. Depois houve um recuou e relativa estabilidade para o restante do ano.

dívida mundial

E o Brasil com isso?

Olhando apenas as economias emergentes, onde o Brasil está incluso, o crescimento da dívida foi de US$ 1 trilhão, menor ritmo desde 2001, e ficou concentrado no setor doméstico não financeiro. Como as economias também cresceram, a relação dívida sobre o PIB emergentes ficou praticamente estável em 212%.

O Brasil é destaque negativo quanto se olha a dívida governamental, que na métrica do IIF, bateu 86,8% do PIB no ano passado, contra 83,2% em 2017.

A média dos pares emergentes é de 49,7% do produto. Segundo o IIF, esse percentual é recorde e foi puxado pelos países da América Latina e Ásia.

De toda a amostra considerada, a dívida pública brasileira só não é maior que a do Egito (92,5%) e a do Líbano (150%).

O IIF alerta que esse elevado estoque de dívida tem resultado em crescente pagamento de juro da dívida, notadamente no Brasil, Egito e Líbano, cenário que pode resultar em maiores impostos junto com um esvaziamento do investimento público.

Esse alerta do IIF nos é bastante familiar, pois é o crescimento das despesas públicas, financiadas via emissão de dívida, que o governo quer atacar com a reforma da Previdência. Ao mesmo tempo, Paulo Guedes fala em fazer grandes privatizações para reduzir essa conta de juros.

Ainda sobre o Brasil, o IIF mostra que a dívida das famílias equivale a 28,1% do PIB, contra a média emergente de 37,6%. Já a dívida das empresas é pequena se comparada aos pares, totalizando 42,2% do PIB, contra 91,7% do PIB dos emergentes. Já a dívida do setor financeiro se mostra em linha com os demais, ficando em 35,5% do PIB, ante 33,6% da média.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Desenvolvidos

Entre os mercados desenvolvidos a relação dívida/PIB ficou em 390% do PIB. A estabilidade do dado agregado, no entanto, mascara discrepâncias entre os países. Japão, França e Austrália se endividaram mais, enquanto Irlanda, Holanda e Portugal reduziram seus patamares de endividamento.

Dívida nos EUA

A dívida total nos EUA subiu em US$ 2,9 trilhões, somando US$ 68 trilhões em 2018, maior crescimento anual desde 2007. Quem puxou o aumento do endividamento por lá foi o governo, respondendo por 40% do aumento, tendência que deve se repetir em função do elevado déficit público.

No entanto, como a economia cresceu de forma vigorosa no ano passado, a relação dívida total sobre o PIB ficou em 326%, menor patamar desde 2005.

Enquanto a dívida doméstica e do setor financeiro cresceram de forma moderada, permanecendo em patamares inferiores ao da crise de 2008, a dívida das empresas não financeiras foi a 73% do PIB do país, se aproximando dos patamares pré-crise.

A dívida das empresas é vista como um vetor de risco, ainda mais se o Fed retomar alta de juros e a economia entrar em recessão. Juros mais altos aumentam o gasto com o serviço da dívida em um momento de perda de receita.

A dívida do governo se mantém ao redor dos 100% do PIB desde 2015 e segue cerca de 30 pontos percentuais acima do período pré-crise.

China

Os esforços governamentais para reduzir a alavancagem financeira mostram resultado, com a dívida total da China rondando os 290% do PIB desde 2016. A dívida do setor não financeiro está entre 150% a 155% do PIB, abaixo do pico de 2016, mas ainda entre os maiores patamares do mundo.

Já a dívida doméstica, carregada pelos chineses, subiu mais de 40% desde 2016, marcando 52% do PIB, com o aumento do endividamento da população acontecendo em velocidade muito superior ao crescimento de sua renda. O IIF alerta que tal crescimento deixa a população muito mais vulnerável às oscilações do ciclo econômico.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEGUE O JOGO

Saída de Levy não deve ter impacto sobre a reforma da Previdência, diz especialista

No entanto, mesmo com eventual aprovação da reforma previdenciária, dificilmente haverá retomada considerável da confiança, diz Rafael Cortez

ANÁLISE

“Chicago Boy”, Levy transitou no petismo e no Bolsonarismo – e foi alvo dos dois”

Assim como o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, Joaquim Levy é um nome conhecido do mercado; estopim da demissão foi a nomeação de advogado

DE OLHO NAS AÇÕES

Petrobras faz maior descoberta desde o pré-sal, em Sergipe e Alagoas

Divulgada no mês passado, a descoberta deve gerar R$ 7 bilhões de receita anual à estatal e sócias, calcula a consultoria Gas Energy

MUITO RICOS X MAIS RICOS AINDA

Esta é a grande diferença entre milionários e bilionários, segundo autor

Milionários e bilionários podem ser grupos muito mais distintos do que a maioria acredita. Segundo especialista, esse contraste fica claro com a resposta para uma pergunta

MÚSICA PARA OS OUVIDOS

Energia deve ter nova rodada de privatização

A privatização de estatais é uma das alternativas propostas pelo Plano Mansueto para Estados que precisarem de socorro da União

Seu dinheiro no domingo

O mercado sempre oscila entre o cenário perfeito e o desesperador. Saber onde estamos é o segredo para ganhar dinheiro

Se a percepção prevalente no mercado é de que as coisas só podem melhorar, o investidor deve encarar isso com cautela

DIÁLOGO CORDIAL

Presidente do BNDES conversou com ministro da Economia sobre demissão

Levy entregou seu pedido de demissão do cargo ao ministro após ser alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro neste sábado (15)

TCHAU

Presidente do BNDES confirma pedido de demissão após declarações de Bolsonaro

Levy foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro no sábado (15), em função da nomeação do advogado Marcos Barbosa Pinto para o cargo de diretor

REDUÇÃO DE DANOS

Nada impede que a capitalização seja aprovada no 2º semestre, diz Maia no Twitter

O presidente da Câmara defendeu que a questão pode até ficar de fora do primeiro texto da reforma, mas destacou propostas já em andamento na área

CABEÇA A PRÊMIO

Gustavo Franco e Salim Mattar são cotados para substituir Levy

A avaliação é a de que a permanência do atual presidente do BNDES tornou-se insustentável depois da bronca em público do presidente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements