Menu
2019-12-03T07:51:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro

Após EUA ameaçarem tarifas sobre a Europa, Trump diz que país vai taxar a França

Governo americano já havia ameaçado impor tarifas de até 100% a US$ 2,4 bilhões em importações de produtos franceses por causa do imposto

3 de dezembro de 2019
7:38 - atualizado às 7:51
Presidente dos EUA, Donald Trump; Facebook; Mark Zuckerberg
Imagem: Shutterstock

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira (3) que seu país vai tarifar os vinhos da França e "todo o resto" em razão do Imposto sobre Serviços Digitais do país europeu.

Trump, que falou durante coletiva de imprensa em Londres, onde participará de reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), disse que não vai permitir que a França "tire vantagem" de empresas americanas.

O presidente dos EUA também voltou a acusar a União Europeia de tratar os EUA "de forma muito injusta" no que diz respeito ao comércio. Ontem, o governo americano já havia ameaçado impor tarifas de até 100% a US$ 2,4 bilhões em importações de produtos franceses por causa do imposto.

Segundo relatório do Escritório do Representante Comercial dos EUA (USTR, na sigla em inglês), o imposto francês discrimina empresas digitais americanas como Google, Apple, Facebook e Amazon.

UE

Nesta segunda, o USTR também anunciou que está iniciando um processo para avaliar a elevação de tarifas a produtos da União Europeia, após a OMC ter rejeitado as últimas apelações do bloco no caso dos subsídios à fabricante de aviões Airbus.

"As descobertas de hoje confirmam que, apesar de perder em cinco relatórios anteriores da OMC, a Europa permanece mais focada em gerar litígios sem mérito do que em abordar os subsídios maciços à Airbus que continuam a prejudicar a indústria aeroespacial dos EUA e seus trabalhadores", escreveu em um comunicado o representante comercial americano, Robert Lighthizer.

O USTR afirma que publicará um Aviso de Registro Federal sobre o processo ainda nesta semana. "À luz do relatório de hoje e à falta de progresso nos esforços para resolver esta disputa, os EUA estão iniciando um processo para avaliar o aumento das tarifas e sujeitando produtos adicionais da UE às tarifas", diz o comunicado.

No dia 14 de outubro, a OMC já havia dado autorização para que os EUA impusessem sanções comerciais de até US$ 7,5 bilhões a produtos da UE, após ter decidido que subsídios concedidos pelo bloco à Airbus são ilegais.

Na decisão de hoje, a OMC diz que "com base nas análises e descobertas anteriores, concluímos que a União Europeia não tomou medidas apropriadas para remover os efeitos adversos".

Escalada

O anúncio de Trump faz parte de uma escalada que teve início nesta semana com os EUA comunicando a retomada de tarifas sobre a importação de aço e alumínio de Brasil e da Argentina.

O presidente americano acusou os países de desvalorizarem as suas moedas, o que seria prejudicial aos produtores agrícolas americanos. Em novembro, a moeda americana apresentou uma valorização de 5,77% no mês e fechou cotado a R$ 4,24.

Trump voltou a apelar ao Federal Reserve. Segundo ele, a entidade precisa agir e reduzir as taxas de juros para que os países 'não tirem vantagem do nosso dólar forte'.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Dinheiro no bolso do acionista

CVC paga R$ 62 milhões em juros sobre capital próprio aos acionistas

Para o pagamento, que será realizado no dia 8 de janeiro, será considerada a posição acionário em 23 de dezembro de 2019, respeitando a negociação realizada no dia

novos ventos

Estrangeiros injetam R$ 161 bilhões em aquisições no Brasil

Depois de um 2018 permeado por incertezas provocadas pela corrida eleitoral, o ambiente voltou a ficar mais favorável para fechar operações de fusões e aquisições no Brasil

dinheiro no caixa

Notre Dame Intermédica define ação a R$ 57 em nova oferta e movimenta R$ 5 bilhões

Companhia faz a oferta para levantar recursos para novos investimentos, liquidar debêntures e para pagar a aquisição do grupo Clinipam

guerra comercial

Negociadores de comércios dos EUA e China ‘mantêm contato próximo’, diz Pequim

No domingo (15), vence o prazo para que os EUA adotem tarifas extras a mais US$ 156 bilhões em importações chinesas

em brasília

Senado aprova pacote anticrime de olho em possíveis vetos de Bolsonaro

Projeto foi desidratado em relação ao conteúdo original encaminhado pelo ex-juiz da Lava Jato; Moro já defendeu que os pontos retirados sejam novamente discutidos no Congresso

Recado ao mercado

O BC até pode cortar a Selic em 2020, mas deixou claro que o ciclo está perto do fim

O Copom deixou a porta aberta para mais um corte de 0,25 ponto na Selic em 2020. E, ao não se comprometer com o próximo passo, o BC passou a mensagem de que a onda de reduções nos juros está quase terminando

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements