🔴 META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM 2 OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
O QUE ESTÁ POR VIR…

Mais um trimestre a ser esquecido? Casas Bahia (BHIA3) divulga balanço do 4T23 hoje e aqui está tudo o que você precisa saber

É quase consenso entre os especialistas que o resultado da empresa continuará sendo penalizado pela deterioração na confiança no setor de varejo, pelo ciclo de juros altos e pela maior restrição de crédito

Camille Lima
Camille Lima
25 de março de 2024
6:24 - atualizado às 8:28
Montagem com Baianinho, mascote da Casas Bahia (BHIA3)
Imagem: Shutterstock/ Montagem: Julia Shikota

A Casas Bahia (BHIA3) parece estar longe de avistar o fim do calvário. A varejista divulga nesta segunda-feira (25), após o fechamento dos negócios na B3, o balanço do quarto trimestre de 2023 — e a perspectiva geral do mercado é de céu fechado para a companhia.

Na última sessão, os papéis BHIA3 desabaram 12,93% e atingiram o menor patamar desde o grupamento de ações realizado no fim do ano passado, a R$ 6,80, pressionados pelos temores com o que está por vir no balanço.

É quase consenso entre os especialistas que o resultado da empresa continuará sendo penalizado pela deterioração na confiança dos investidores em relação ao setor de varejo — além de um ciclo de juros altos doloroso para as empresas ligadas a consumo e de uma maior restrição de crédito.

A expectativa é de que a varejista registre um prejuízo ajustado de R$ 836 milhões no quarto trimestre, segundo a média das projeções compiladas pela Bloomberg. Caso confirme a estimativa, a empresa vai aumentar em mais de 412% as perdas em relação aos últimos três meses de 2022.

Veja as principais estimativas do consenso Bloomberg para a Casas Bahia no 4T23:

  • Prejuízo líquido: -R$ 836 milhões;
  • Receita líquida: R$ 6,59 bilhões;
  • Ebitda: -R$ 66 milhões;
  • Dívida líquida: R$ 10,6 bilhões.

Vale destacar que o balanço do 4T23 inicialmente estava programado para ter saído duas semanas atrás — e o temor causado pelo adiamento dos números da varejista também causa calafrios nos investidores da bolsa brasileira.

É importante lembrar que a Casas Bahia enfrenta problemas financeiros há tempos — e, como outras empresas do setor de varejo, sofreu os efeitos de um mercado traumatizado pelo escândalo da Americanas (AMER3).

A empresa, que trocou de nome não faz muito tempo, encontra-se em um processo de reestruturação e recentemente conseguiu dar mais um passo em seu plano para arrumar a casa. A varejista assinou um acordo com instituições financeiras para alongar os prazos para pagamento das dívidas de R$ 1,5 bilhão.

Os analistas do mercado devem aguardar a teleconferência de resultados da varejista — marcada para às 14h de terça-feira (26) — em busca de pistas sobre quando a Casas Bahia passará por uma virada.

Casas Bahia (BHIA3): prejuízo, despesas e volume de vendas

Um dos fantasmas temidos pelos investidores no balanço da Casas Bahia (BHIA3) é o nível crescente de despesas da companhia. 

A expectativa dos analistas é que o alto patamar de alavancagem financeira da companhia mantenha as despesas como uma dor de cabeça para a varejista no último trimestre de 2023.

Enquanto isso, para a receita bruta de lojas físicas, a expectativa é uma queda no comparativo anual devido ao fechamento de 17 unidades no quarto trimestre, elevando o número de encerramento de lojas da Casas Bahia em 2023 para 55 unidades consideradas não rentáveis.

Já do lado das vendas, a perspectiva é de uma desaceleração nos três canais: loja física, mercadoria própria online (1P) e marketplace (3P). 

Para o Santander, as expectativas para os números da Casas Bahia no quarto trimestre são negativas. Os analistas projetam uma queda de 7,6% no volume geral de vendas (GMV) em relação ao último trimestre de 2022, para um total de R$ 11,5 bilhões. 

No caso específico do segmento digital, a estimativa é de um recuo ainda maior, de 14,1% na mesma base, a R$ 4,9 bilhões.

Efeito Copa e restrição de crédito

Para a Genial Investimentos, o balanço da Casas Bahia deve trazer “uma piora anual em todas as linhas do resultado” — ainda sofrendo os efeitos do cenário macroeconômico difícil para o consumo de eletroeletrônicos e da reestruturação em andamento na companhia.

“Sem dúvidas, em termos de rentabilidade, acreditamos que este deve ser mais um trimestre a ser esquecido”, destacam os analistas.

Os analistas preveem que a Casas Bahia perderá volume de compra no quarto trimestre de 2023, enquanto a expectativa é de que os concorrentes devam se beneficiar do alto fluxo de compra no período, especialmente durante a Black Friday.

Para os analistas, apesar de o ciclo de afrouxamento monetário já ter começado no Brasil, a queda dos juros e da inflação ainda não mostrou efeitos relevantes no nível de endividamento familiar e de confiança do consumidor.

Outros dois pontos que devem pressionar os números da Casas Bahia — assim como aconteceu com o Magazine Luiza — no 4T23 são a base forte de comparação do ano anterior devido à Copa do Mundo e o cenário restritivo de fornecimento de crédito, que tende a impactar o setor de consumo como um todo. 

Com o fornecimento de crédito limitado, a venda de produtos de ticket médio mais elevado como telefonia, eletrodomésticos, televisões e móveis — categorias consideradas fundamentais para o e-commerce da Casas Bahia — deve ser impactada pela redução do consumo no trimestre, segundo os analistas.

O que esperar das ações BHIA3

É fato que o mercado está cético em relação ao futuro das ações da Casas Bahia (BHIA3). 

De acordo com dados da plataforma TradeMap, os papéis da varejista atualmente contam hoje com seis recomendações de manutenção e uma de venda.

A XP Investimentos é uma das casas que tem recomendação neutra para as ações BHIA3. Segundo a corretora, a visão cautelosa para a empresa é baseada no momento de transformação estratégica e financeira em que a varejista se encontra atualmente, já que a reestruturação têm pressionado os últimos balanços da Casas Bahia.

Os analistas projetam resultados trimestrais fracos no curto prazo, impactados pelas taxas de juros elevadas e renda pressionada.

Além disso, os analistas destacam os riscos do cenário competitivo no varejo, especialmente com a aceleração de investimentos de rivais estrangeiras como Shopee, Amazon e Mercado Livre no Brasil.

A XP ainda avalia que existem riscos de execução no processo de reestruturação da Casas Bahia, que prevê entregas de melhorias mais concretas apenas em 2025.

“Existem riscos de execução associados às entregas dessas iniciativas, que aumentam em meio a um ambiente competitivo mais acirrado. Além disso, a competição exige mais investimentos e, portanto, pode obrigar a empresa a escolher entre investir em seu plano estratégico ou proteger participação de mercado”, escreveram os analistas.

O Santander, que também tem recomendação neutra para as ações da Casas Bahia, estabeleceu um preço-alvo de R$ 2,2 para os papéis, implicando em uma desvalorização potencial de 72%.

Compartilhe

A FARRA VAI ACABAR?

A Inteligência Artificial (IA) alçou Wall Street a novos recordes — mas os investidores estão preparados se a bolha estourar?

18 de junho de 2024 - 9:39

O surgimento de empresas de ponta no ramo de inteligência artificial conseguiu driblar — ainda que momentaneamente — o mau humor decorrente das altas taxas de juros por lá

MAIS UM CAPÍTULO DA NOVELA

Petrobras (PETR4): dividendos comprometidos… de novo? O pagamento de R$ 19,8 bilhões à Receita que pode cortar a remuneração extra aos acionistas

17 de junho de 2024 - 20:09

Cálculos da própria estatal mostram que o impacto após os efeitos tributários será de R$ 11,87 bilhões no lucro líquido do segundo trimestre de 2024

É TUDO CULPA DA IA

Nem Japão, nem Cingapura: o país asiático que está se tornando a nova potência em data centers e já atraiu bilhões de big techs como Google e Microsoft

17 de junho de 2024 - 20:00

Uma cidade com quase 800 mil habitantes se tornou um dos principais destinos dos investimentos bilionários de grandes empresas de tecnologia em centros de dados

ATENÇÃO, ACIONISTA!

Dividendos e JCP: Itaúsa anuncia provento bilionário e Cemig (CMIG4) marca data do pagamento; confira os detalhes

17 de junho de 2024 - 19:15

O valor total de Juros sobre Capital Próprio e dividendos a ser pago pelas duas empresas ultrapassa R$ 3 bilhões

TECH EM FOCO

A bateria do iPhone finalmente vai melhorar? Fornecedora da Apple desenvolve bateria revolucionária — e segura —, que promete armazenar mais energia

17 de junho de 2024 - 18:29

As chamadas solid-state battery são consideradas a nova fronteira da tecnologia, ao menos no ramo de capacitância

AS RAINHAS DOS PROVENTOS

Dinheiro no bolso: As 7 ações que prometem pagar os melhores dividendos na visão do Itaú BBA

17 de junho de 2024 - 17:00

O Índice Dividendos (IDIV) do banco, que superou o Ibovespa, tem empresas de serviços públicos essenciais e de construção entre os setores de destaque

BATALHA DAS CONSTRUTORAS

Meus dividendos, minha vida: Bank of America escolhe ação favorita entre Cury (CURY3) e Direcional (DIRR3) e prevê proventos robustos para a top pick

17 de junho de 2024 - 16:35

O banco atualizou seus números para incorporar o crescimento recente do programa habitacional e o otimismo dos analistas com as construtoras de baixa renda

PAPEL QUE RELUZ

Ouro nas alturas: Metal precioso já subiu 15% em 2024 e valorização abre oportunidade para se tornar sócio desta gigante da mineração

17 de junho de 2024 - 16:16

Segundo o BTG Pactual, este é o “tão esperado ponto ideal” para quem quer se tornar sócio desta mineradora canadense; descubra qual é o papel

DIREITOS TRABALHISTAS

Vale (VALE3) consegue aval da Justiça para sair da “lista suja” do trabalho escravo — pelo menos por enquanto

17 de junho de 2024 - 10:16

A mineradora foi incluída no cadastro de trabalho escravo devido a uma situação ocorrida em fevereiro de 2015 com uma de suas contratadas em Minas Gerais; entenda a situação

PAPÉIS NO VERMELHO

Ficou barato? Cogna (COGN3) lança programa de recompra após ações perderem metade do valor na B3

17 de junho de 2024 - 9:59

De olho na maximização do retorno dos acionistas, a companhia de educação decidiu tirar 44,2 milhões de papéis de circulação do mercado

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar