🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
RUMO À BÊNÇÃO FINAL

Cai mais uma barreira para a Amil mudar de mãos: empresário que venceu Tanure e a Bain Capital fica mais perto do controle da operadora de saúde

A Superintendência-Geral do Cade e a ANS deram o sinal verde para a troca de controle da companhia — mas falta mais um passo para o aval se tornar definitivo

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
17 de janeiro de 2024
18:45 - atualizado às 17:32
Agência de atendimento da Amil no Jardins, em São Paulo
Agência de atendimento da Amil no Jardins, em São Paulo - Imagem: Amil

As últimas barreiras para a Amil mudar de mãos acabaram de cair. O negócio recebeu nesta quarta-feira (17) as aprovações necessárias para a venda da empresa para o empresário José Seripieri Filho.

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deram o sinal verde para a troca de controle da companhia, segundo o colunista Lauro Jardim d’O Globo.

Conhecido no mercado como “Júnior da Qualicorp”, o executivo venceu no fim de dezembro uma disputa acirrada pelo controle da operadora de saúde, que até então pertencia ao United Health Group.

Entre os interessados, estavam a Bain Capital, que pretendia replicar o sucesso com a NotreDame Intermédica; a Coruja Capital, do ex-chefe da área de varejo do Itaú, Marcio Schettini; e até mesmo Nelson Tanure, o investidor de referência em empresas como Prio (PRIO3), Gafisa (GFSA3) e Light (LIGT3). 

O empresário, que fundou a operadora Qsaúde em 2020, não possuía mais investimentos no setor de saúde até então. Na realidade, foi a aquisição da Amil por R$ 11 bilhões que marcou o retorno de Júnior ao setor.

Vale ressaltar que a transação se tornou o maior negócio de fusão e aquisição (M&A) já realizado no Brasil por uma pessoa física sozinha.

A aprovação da compra bilionária da Amil

Em termos mais simples, a bênção do Cade para a compra da Amil por José Seripieri Filho avalia que não há conflitos de interesses no negócio.

Para o Cade, a Amil atua exclusivamente no setor de saúde, com a operação de planos de saúde e odontológicos, enquanto o fundador da Qualicorp possui atividades no ramo de investimentos financeiros e imobiliários.

Segundo o Cade, apesar de Júlio ter fundado o grupo QSaúde, a autarquia observou que todas as empresas do conglomerado nas quais o comprador detém participação indireta não estão mais em operação.

Além disso, o empresário não possui ações em outras empresas com atividades em mercados horizontal ou verticalmente relacionados àqueles em que atua o Grupo Amil.

Afinal, Seripieri deixou a Qualicorp em 2019 e vendeu a carteira de beneficiários da QSaúde para o plano de saúde Alice em maio do ano passado. 

"Assim, a operação representa apenas uma substituição de agente econômico e decidiu pela sua aprovação sem restrições", disse o Cade.

A última etapa do processo é a decisão do Tribunal do Cade. Se a autarquia não convocar os atos de concentração para análise ou se ninguém recorrer da decisão dentro de um prazo de 15 dias, o aval para a venda será definitivo.

*Com informações de Estadão Conteúdo e O Globo.

Compartilhe

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Mais uma espera

Americanas (AMER3) adia novamente a divulgação dos balanços de 2023 e do primeiro trimestre de 2024

23 de maio de 2024 - 19:13

Previsão da empresa era divulgar seus números em 28 de maio, mas investigação de comitê independente ainda não terminou

NOVAS ESTRUTURAS?

Sanepar (SAPR11) estuda criar holding e outras empresas para segregar negócios; entenda

23 de maio de 2024 - 18:46

O levantamento será elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), que terá um prazo de 240 dias para concluir os trabalhos

CHUVA DE PROVENTOS?

Petrobras (PETR4) é a segunda empresa que mais pagou dividendos no 1T24 apesar da polêmica com governo; saiba quem foi a campeã

23 de maio de 2024 - 16:15

Entre janeiro e março deste ano, a estatal depositou um total de US$ 2,03 bilhões em remuneração aos acionistas; veja a lista completa

PAPEL FICOU BARATO?

XP quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações após papéis despencarem 14% com o balanço do 1T24

23 de maio de 2024 - 13:28

O conselho de administração da companhia aprovou um programa de recompra de ações de papéis classe A no mercado norte-americano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar