🔴 EVENTO GRATUITO: COMPRAR OU VENDER VALE3? INSCREVA-SE

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
RENDA VARIÁVEL

O mercado errou? Aqui estão os quatro motivos para a queda de mais de 4% do Ibovespa no primeiro trimestre — e o que esperar da bolsa para o resto do ano

Apesar da frustração do começo do ano, a bolsa ainda está barata e tem espaço para avançar

Liliane de Lima
1 de abril de 2024
6:03 - atualizado às 20:41
Montagem do touro dourado encarando urso dourado na frente da B3 | Ibovespa
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Sabe aquela festa sobre a qual todos estão comentando, mas que acaba sendo um fiasco quando você chega lá? Foi mais ou menos o que aconteceu com o Ibovespa, o principal índice da bolsa brasileira, nos primeiros meses de 2024.

Após atingir o nível dos 134 mil pontos no fim de 2023, praticamente todas as projeções apontavam para novos recordes nos primeiros meses do ano, o que, de fato, aconteceu — mas lá nos Estados Unidos. 

Os índices S&P 500 e Dow Jones renovaram os recordes históricos. O Ibovespa, porém, não acompanhou o rali das bolsas norte-americanas e acumulou queda de 4,53% do trimestre

O desempenho é ainda mais surpreendente porque o cenário de dezembro para cá não mudou substancialmente. Ou seja, os investidores ainda apostam na continuidade do ciclo de cortes nos juros no Brasil e no início do afrouxamento monetário nas principais economias do mundo.

Com esse fato, difícil é não surgir a pergunta: ‘Será que o mercado estava errado ou otimista demais?’

Segundo os analistas ouvidos pelo Seu Dinheiro, a resposta não é tão simples. Velhos conhecidos fizeram com que os investidores puxassem o freio de mão entre janeiro e março de 2024. 

1 - Juros no Brasil e nos EUA

Um dos principais motivos para a queda do Ibovespa nos três primeiros meses do ano, contrariando as expectativas do mercado, é justamente um dos temas mais comentados nos últimos meses: a política monetária, seja do Brasil seja dos Estados Unidos. 

Lá fora, a expectativa era de que o início dos cortes de juros começasse em março. Enquanto isso, aqui no Brasil parte do mercado apostava em uma Selic abaixo dos 9%. 

“Hoje, o cenário é um pouco diferente. Nos Estados Unidos, a redução dos juros deve ser metade do esperado, de 0,75 ponto percentual, e aqui a projeção é [Selic terminal] abaixo dos 10% ao ano”, afirma Filipe Villegas, estrategista de ações da Genial Investimentos.

Vale lembrar que a relação juros e renda variável é uma forma de medir a atratividade dos ativos. Em linhas gerais, quando a taxa de juros é menor, os rendimentos da renda fixa — como os títulos do Tesouro Direto — também ficam menores. Esse cenário proporciona a tomada de mais risco dos investidores e a aposta em renda variável como as ações na bolsa de valores. 

Na visão de Villegas, o cenário atual ainda pode ajudar a bolsa daqui para frente. 

Mas, para ele, é necessário pelo menos duas condições: se o mercado conseguir estimar que existe espaço para uma redução maior no Brasil e, a trajetória da inflação, que segue acima da meta do Banco Central. 

2 - A debandada do investidor estrangeiro 

A mudança na política monetária esbarra em outro fator que impediu a alta do Ibovespa entre janeiro e março deste ano: a debandada do capital estrangeiro. 

Após a forte entrada de R$ 45 bilhões na B3, o investidor gringo bateu em retirada neste início de ano e vendeu mais de R$ 20 bilhões em ações desde janeiro.

Fonte: Genial Investimentos/B3

O motivo para saída do fluxo estrangeiro está relacionado com o primeiro item desta matéria. Ou seja, a menor expectativa de corte de juros nos Estados Unidos. 

“Quando a gente tiver um pouco mais de visibilidade em relação ao ciclo de cortes, a tendência é que comece a ter um fluxo positivo de capital estranegeiro e os ativos, aqui, comecem a andar”, disse Frederico Nobre, líder de análise da Warren Investimentos. 

Vale lembrar que a forte alta do Ibovespa entre novembro e dezembro do ano passado foi justamente patrocinada pelo capital do exterior alocado no Brasil. Assim, há grandes chances de o Ibovespa engrenar uma nova alta se esse dinheiro voltar à B3.

3 - A China, mais uma vez, e Vale (VALE3) 

Por mais um ano, a economia chinesa continua sendo um fator de preocupação. Isso porque, além de ser a segunda maior economia do mundo, o gigante asiático é um dos maiores compradores de produtos brasileiros. 

Os estímulos econômicos anunciados até agora ainda são considerados insuficientes para alavancar o consumo do país — perspectiva que é também validada pelos dados recentes, que pouco contribuem para um cenário otimista. 

Para este ano, a China manteve a meta de crescimento econômico de cerca de 5%, a mesma de 2023. Para o mercado, a expansão nesse nível é um grande desafio considerando a crise imobiliária. 

Com efeitos práticos, o desempenho da China, além de ser relevante para a economia global, também pesa sobre os ativos brasileiros, principalmente os ligados às commodities. 

O minério de ferro tem sofrido uma forte desvalorização desde janeiro deste ano e derrubou as ações das companhias do setor de mineração e siderurgia, entre elas, a da Vale (VALE3). 

Dada a participação de quase 12% na composição no Ibovespa, qualquer movimento com as ações da Vale (VALE3) mexe com o principal índice da bolsa brasileira. E nos primeiros três meses de 2024, os papéis da mineradora acumulam queda de quase 18% na B3. 

Além da dúvida sobre a China, a Vale vive um dilema em relação à governança após a tentativa de o governo emplacar o nome do ex-ministro Guido Mantega para o comando da companhia.

O mandato do atual CEO acabou sendo prorrogado até o fim deste ano, mas os acionistas de referência da Vale ainda divergem sobre quem vai suceder Eduardo Bartolomeo no cargo.

Além disso, os analistas mencionam os processos ambientais que envolvem a Vale, em relação com a Samarco, que estão em andamento na Holanda, Londres e no Brasil. “Em algum momento, a empresa pode ter que fazer uma provisão maior de passivo judicial no balanço”, afirma Frederico Nobre, da Warren.

4 - Efeito ‘Petrobras (PETR4)’

Outra companhia que tem participação relevante no principal índice da bolsa brasileira é a Petrobras (PETR4). 

E, assim como no caso da Vale (VALE3), o desempenho dos papéis da estatal petrolífera também impactam — em grandes proporções — o Ibovespa. Por exemplo, no ano passado, cerca de 35% da alta do Ibovespa foi atribuída à performance da Petrobras. 

Mas nos últimos três meses, inúmeras notícias causaram aversão aos papéis da companhia. 

Mais recentemente, a companhia decidiu pelo não pagamento de dividendos extraordinários referentes ao quarto trimestre de 2023, com um montante na ordem de R$ 40 bilhões, segundo as estimativas do mercado. 

Além disso, a volatilidade do petróleo em meio às incertezas de demanda global e a escalada dos conflitos do Oriente Médio e entre a Rússia e Ucrânia também afetam diretamente a performance do setor em que a Petrobras está inserida no mercado. 

O que pode (voltar a) preocupar 

Com o recesso parlamentar do início do ano e feriados como Carnaval e Páscoa, os ruídos políticos envolvendo o Congresso Nacional e o governo deram uma trégua — e foi uma preocupação a menos para os investidores. 

Mas a partir de agora o mercado deve acompanhar mais de perto a relação do governo com o Legislativo e o desdobramento de temas como a segunda fase da Reforma Tributária. 

As preocupações com as contas públicas e o cumprimento da meta fiscal também estão no radar dos investidores. Lembrando que o novo arcabouço fiscal prevê a meta de déficit zero neste ano, mas os analistas não creem no cumprimento do objetivo.

Ibovespa: Os dias de glória do passado vão se repetir? 

Apesar da queda de mais de 4% nos primeiros três meses de 2024, os analistas ouvidos pelo Seu Dinheiro mantêm a visão otimista para o Ibovespa do início do ano. 

Ou seja, o principal índice da bolsa brasileira deve voltar a subir e superar o nível dos 140 mil pontos até o fim do ano. Vale lembrar que em 2023, o índice acumulou alta de cerca de 22%, no patamar dos 134 mil pontos

Isso porque a bolsa ainda está barata na comparação entre o preço e o lucro (P/L) das ações que compõem o Ibovespa. Esse indicador procura mostrar em quantos anos o investidor tem de volta o valor investido com base nos lucros das companhias. Ou seja, quanto menor o P/L, mais baratas estão as ações. 

De acordo com os analistas, o P/L da bolsa brasileira segue abaixo da média histórica. 

“No cenário doméstico, temos uma dinâmica de queda de juros e de atividade econômica ainda resiliente. A bolsa brasileira também tem um valuation relativamente atrativo”, afirma Frederico Nobre, líder de análise da Warren Investimentos. 

Para ele, uma das saídas para o Ibovespa voltar a crescer, diante do cenário atual, é o desempenho das empresas listadas. 

“Tem bastante oportunidade, a questão é o tipo de empresa e setor que está sendo analisado”, diz Nobre. 

A visão é compartilhada pelo líder de Research da Guide Investimentos, Fernando Siqueira. 

“Os resultados fracos do 4T23 parecem estar impactando negativamente o Ibovespa. As empresas que tiveram maiores revisões de estimativas de lucros estão com o pior desempenho em 2024. Como no agregado os resultados divulgados este ano (referentes ao 4T23) foram mais negativos que positivos, os resultados contribuíram para ‘segurar’ o Ibovespa”.

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Exame bem feito: Fleury (FLRY3) acerta o diagnóstico com aquisição milionária e ações sobem 4%

23 de abril de 2024 - 14:04

A aquisição marca a entrada do Grupo Fleury em Santa Catarina com a estratégia B2C, o modelo de negócio direto ao consumidor

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa recua com pressão de Vale (VALE3) na véspera do balanço; dólar cai após dados nos EUA

23 de abril de 2024 - 7:06

RESUMO DO DIA: O Ibovespa até começou a semana com o pé direito, mas hoje faltou impulso para sustentar a continuidade de ganhos da véspera O Ibovespa fechou com queda de 0,34%, aos 125.148 pontos. O dólar à vista segue enfraquecido e terminou o dia a R$ 5,1304, com baixa de 0,74%. Por aqui, o […]

SEM PARAR

A bolsa nunca mais vai fechar? O plano da Bolsa de Valores de Nova York para negociar ações 24 horas por dia, sete dias da semana

22 de abril de 2024 - 17:22

O tema esquentou nos últimos anos por conta da negociação de criptomoedas e também por concorrentes da Nyse, que tentam registro para funcionar sem intervalo

EXCLUSIVO

Gestor do Quasar Agro (QAGR11) acusa Capitânia de “estratégia predatória” em disputa sobre FII com mais de 20 mil cotistas na B3 

22 de abril de 2024 - 13:32

A Capitânia solicitou no mês passado uma assembleia para discutir uma possível troca na gestão do fundo imobiliário

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com Petrobras (PETR4) e Wall Street, Ibovespa fecha em alta; dólar cai e volta para o nível abaixo de R$ 5,20

22 de abril de 2024 - 6:54

RESUMO DO DIA: A Petrobras (PETR4) deu o tom do pregão mais uma vez e impulsionou o principal índice a bolsa brasileira, mas sem desprezar o apoio de Wall Street. O Ibovespa fechou em alta de 0,36%, aos 125.573 pontos. Já o dólar seguiu a trajetória de queda e fechou a R$ 5,1687, com baixa […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Inflação é destaque no Brasil e nos Estados Unidos na mesma semana dos balanços das ‘big techs’

22 de abril de 2024 - 6:20

Também nos EUA serão publicados dados do PIB do primeiro trimestre e diversos outros indicadores, como pedidos de bens duráveis e a balança comercial norte-americana

BOLSA NA SEMANA

Petz (PETZ3) zera as perdas do ano enquanto CVC (CVCB3) despenca quase 15% — veja o que foi destaque na bolsa na semana

20 de abril de 2024 - 12:50

Ibovespa teve uma sequência de seis quedas com a disparada do dólar em meio às incertezas sobre os juros nos EUA

APERTA O PLAY!

Barril de pólvora — e inflação. Como o conflito no Oriente Médio e os juros nos EUA mexem com a bolsa e o dólar

20 de abril de 2024 - 11:02

O podcast Touros e Ursos recebe João Piccioni, CIO da Empiricus Gestão, para comentar a escalada das tensões entre Irã e Israel e a pressão inflacionária nos EUA

VOLTOU ATRÁS

Vitória dos acionistas? Petrobras (PETR4) pode distribuir parte dos dividendos extraordinários após sinal verde de Lula

20 de abril de 2024 - 9:58

O pagamento dos proventos foi aprovado pelo conselho de administração e deve ser votado na assembleia geral na próxima semana

Market Makers

Vale (VALE3) é a mais barata do setor de mineração e sai ganhando com futuro promissor do minério de ferro

19 de abril de 2024 - 13:46

Eu, Matheus Soares, enxergo um grande potencial na commodity independentemente da crise de sua maior exportadora: a China — e a mineradora brasileira sai ganhando com isso

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar