🔴 [TESTE GRÁTIS] 30 DIAS DE ACESSO A SÉRIE RENDA IMOBILIÁRIA – LIBERE AQUI

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa fecha em alta e atinge os 130 mil pontos após alívio em Wall Street; dólar sobe a R$ 4,93

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
21 de fevereiro de 2024
7:24 - atualizado às 18:16

RESUMO DO DIA: Até poucos minutos antes do fechamento dos mercados, era quase certo que a sessão desta quarta-feira (21) terminaria tingida de vermelho. Mas nos 45 minutos do segundo tempo, a bolsa brasileira conseguiu inverter a trajetória e marcar um tímido avanço.

O Ibovespa encerrou em leve alta de 0,09%, aos 130.031 pontos. Por sua vez, o dólar avançou 0,14% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9384.

O movimento de alívio da B3 veio do exterior, com a recuperação de Wall Street após a ata da reunião de janeiro do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos).

O documento reforçou a mensagem de que o Fed precisa ter mais confiança nos dados sobre a inflação para só aí começar o ciclo de afrouxamento monetário nos EUA. 

Depois da publicação, os mercados norte-americanos deixaram a maior aversão ao risco de lado e terminaram o dia mistos. Apenas a bolsa de tecnologia Nasdaq se manteve no vermelho, em compasso de espera pelo balanço financeiro da gigante de chips Nvidia.

Já no cenário doméstico, os destaques positivos ficaram com as ações da Weg (WEGE3), que lideraram os ganhos após mais um resultado trimestral robusto.

Os papéis do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) também ocuparam lugar de relevância, subindo 5% com as expectativas em torno dos números do quarto trimestre de 2023.

A Oi (OIBR3) também atraiu os holofotes após acumular alta de mais de 138% no mês de fevereiro, impulsionada pela expectativa com a aprovação do novo plano de recuperação judicial e pela montagem de posição da Trustee DTVM na operadora.

Ainda por aqui, a agenda vazia de indicadores cedeu lugar ao calendário político, com os olhos voltando-se para o encontro do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

O tema da reunião não foi revelado, mas a expectativa é que os políticos tenham tratado de negociações em torno da proposta de reoneração da folha de pagamentos.

Confira o que movimentou os mercados nesta quarta-feira (21):

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO PREGÃO 

Os destaques positivos da sessão ficaram com as ações da Weg (WEGE3), que lideraram os ganhos após mais um resultado trimestral robusto.

Os papéis do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) também ocuparam lugar de relevância, subindo 5% com as expectativas em torno dos números do quarto trimestre de 2023.

Veja as maiores altas do pregão:

CÓDIGONOMEULTVARMIN MAX 
WEGE3Weg ONR$ 36,596,77%          35,51          36,63
PCAR3GPA ONR$ 4,276,22%            3,99            4,28
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 12,544,07%          11,78          12,54
SMTO3São MartinhoR$ 26,982,70%          26,15          27,14
SUZB3Suzano ONR$ 55,272,60%          53,02          55,36

Os ativos mais cíclicos, como a Hapvida (HAPV3), foram penalizados no Ibovespa nesta quarta-feira (21) pela maior cautela nos mercados e pelo avanço dos juros futuros (DIs) por aqui.

As ações de aéreas também recuaram hoje com o avanço do petróleo e após a notícia de que o programa "Voa Brasil', que promete viagens de avião mais acessíveis, não garantirá passagens mais baratas, mas sim vai apenas reunir bilhetes que já custam até R$ 200.

Os papéis da CSN (CSNA3) também acompanham a derrocada do minério de ferro em Dalian.

Confira as maiores quedas da sessão:

CÓDIGONOMEULTVARMIN MAX 
HAPV3Hapvida ONR$ 3,39-4,51%            3,31            3,56
AZUL4Azul PNR$ 11,82-4,37%          11,80          12,31
GOLL4Gol PNR$ 2,65-4,33%            2,65            2,79
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 1,96-2,97%            1,95            2,03
CSNA3CSN ONR$ 17,47-2,94%          17,23          17,82
FECHAMENTO DE WALL STREET

A poucos minutos do fim das negociações, os índices de ações de Nova York conseguiram esboçar uma recuperação e terminaram o dia mistos. Confira:

  • Dow Jones: +0,13%
  • S&P 500: +0,13%
  • Nasdaq: -0,32%
FECHAMENTO DO IBOVESPA 

O Ibovespa terminou a sessão desta quarta-feira (21) em leve alta de 0,09%, aos 130.031 pontos.

O desempenho positivo do principal índice de ações da B3 deu-se após uma recuperação de Wall Street nos minutos finais do pregão.

O MAU HUMOR DE NY FOI EMBORA?

Depois de amargarem fortes perdas nesta tarde, os índices de ações de Wall Street reduziram o ritmo de quedas por volta das 17h45. Confira:

  • Dow Jones: -0,14%
  • S&P 500: -0,08%
  • Nasdaq: -0,52%
Mistério revelado? Ata do Fed dá pistas do que pode acontecer com os juros em março

O Federal Reserve (Fed) jogou um verdadeiro balde de água fria nos mercados na primeira reunião de política monetária de 2024. A decisão de janeiro indicou claramente que os juros não começariam a cair no curto prazo nos EUA

Para não deixar dúvidas, na coletiva que seguiu a decisão, o presidente do banco central norte-americano, Jerome Powell, foi enfático ao dizer que, embora o comitê de política monetária decida reunião por reunião sobre a trajetória dos juros, as chances de um afrouxamento em março eram mínimas

"Não acho provável que atingiremos esse nível de confiança suficiente em para cortar os juros em março", disse Powell na ocasião, acrescentando que é preciso ver os dados até lá para saber se isso é possível.

Por isso, os investidores aguardavam com atenção a divulgação da ata desse encontro em busca de pistas sobre o futuro da taxa referencial da maior economia do mundo. 

Leia mais.

DERROCADA DA AMERICANAS (AMER3) NA B3

A Americanas (AMER3) ampliou as quedas neste pregão após a alta dos juros futuros por aqui.

Não bastasse o avanço dos DIs, as ações ainda repercutem o novo adiamento da varejista dos balanços atrasados de 2023.

A companhia reprogramou para a próxima segunda-feira (26) a divulgação dos resultados do primeiro, segundo e terceiro trimestres, antes da abertura dos mercados.

Por volta das 17h10, os papéis da varejista recuavam 10,17%, a R$ 0,53.

Com a baixa das ações na B3, a empresa atingiu o menor valor de mercado da história, avaliada a R$ 478,34 milhões.

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

As ações da Weg (WEGE3) seguem invictas na liderança dos ganhos do Ibovespa nesta quarta-feira, com alta de 6,57%, a R$ 36,52.

O Pão de Açúcar (PCAR3) também mantém ganhos robustos neste pregão, com valorização de 4,73%, a R$ 4,21, impulsionado pela expectativa com o balanço do quarto trimestre.

Já no campo negativo, os papéis mais cíclicos são destaque após a valorização dos juros futuros.

As ações da Hapvida (HAPV3) puxam as quedas do Ibovespa, com baixa de 5,92%, a R$ 3,34. A Azul (AZUL4) também recua 4,13% na B3, a R$ 11,85.

FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar terminou a sessão desta quarta-feira (21) em alta. A moeda norte-americana subiu 0,14%, cotada em R$ 4,9384 no mercado à vista.

FECHAMENTO DO PETRÓLEO

Os contratos do petróleo terminaram a sessão desta quarta-feira (21) com ganhos robustos no exterior.

O Brent, considerado referência no mercado internacional, para abril fechou em alta de 0,84%, a US$ 83,03 o barril na Intercontinental Exchange (ICE).

Por sua vez, o barril do WTI para abril encerrou com valorização de 1,13%, a US$ 77,91 New York Mercantile Exchange (Nymex).

WALL STREET NO VERMELHO

As bolsas de valores de Wall Street intensificaram as perdas após a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve nos Estados Unidos. Confira:

  • Dow Jones: -0,36%
  • S&P 500: -0,44%
  • Nasdaq: -0,98%
ATA DO FED: ALGUNS BANCOS AINDA DEMANDAM ATENÇÃO

Quando os bancos regionais começaram a entrar em colapso nos EUA, em março do ano passado, a luz amarela acendeu para todo o sistema financeiro diante do temor de uma crise novos moldes do que aconteceu em 2008.

Só que diferente daquele momento, o Federal Reserve (Fed) agiu rapidamente e estancou os problemas, mas não deixou de monitorar a saúde das instituições financeiros com ainda mais rigor.

A ata da reunião de política monetária do banco central norte-americano mostrou que, apesar de os perigos relacionados aos bancos regionais não serem mais iminentes, alguns deles ainda demandam um monitoramento mais cauteloso.

"Na discussão sobre a estabilidade financeira, os membros [do Fomc] observaram que os riscos para o sistema bancário diminuíram significativamente desde a primavera passada, embora tenham notado vulnerabilidades em alguns bancos que consideraram merecedoras de monitoramento", diz a ata.

Segundo esses membros do comitê de política monetária, os riscos potenciais para alguns bancos norte-americanos estão associados ao aumento dos custos de financiamento, à dependência significativa de depósitos não segurados, às perdas não realizadas em ativos resultantes do aumento do juro de longo prazo ou às elevadas exposições aos imóveis comerciais.

OI (OIBR3) DE VOLTA A LEILÃO

A Oi (OIBR3) entrou em leilão na B3 outra vez por oscilação máxima permitida após as ações dispararem 11,81%, para a máxima do dia, a R$ 1,42.

IBOVESPA TESTA ALTA

O Ibovespa arranha o campo positivo após a ata do Federal Reserve. O principal índice de ações da B3 registrou leve alta de 0,01% por volta das 16h23, aos 129.923 pontos.

ATA DO FED EXPLICA A FORÇA DA ECONOMIA DOS EUA E MOSTRA QUE FUTURO É INCERTO

A força da economia norte-americana em meio a um ciclo de aperto monetário tão agressivo — os juros estão na faixa de 5,25% a 5,50% ao ano, o maior nível em 22 anos — chamou atenção não só do mercado como dos dirigentes do Federal Reserve (Fed).

Na ata da reunião de janeiro do banco central norte-americano, o comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) explica a origem dessa força.

O documento mostra que os recentes indicadores econômicos sugerem uma expansão em ritmo sólido da atividade. Além da forte demanda, muitos dos membros do Fomc atribuem o crescimento a desdobramentos favoráveis do lado da oferta.

Segundo a ata, a força inesperada do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no quarto trimestre de 2023 refletiu exportações líquidas e investimento em estoques maiores do que esperado — fatores que tendem a ser voláteis e dão poucos sinais sobre o crescimento futuro.

REAÇÃO DOS MERCADOS À ATA DO FED

Depois da publicação da ata do Federal Reserve nos Estados Unidos, o Ibovespa acompanha reduziu as perdas no pregão desta quarta-feira (21). Por volta das 16h15, o principal índice de ações da B3 caía 0,08%, aos 129.813 pontos.

No mesmo horário, o dólar avançava 0,23% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9390.

Em Wall Street, as bolsas norte-americanas mantiveram a trajetória de baixa. Confira:

  • Dow Jones: -0,23%
  • S&P 500: -0,28%
  • Nasdaq: -0,75%
ATA DO FED REFORÇA JURO EM PATAMAR ELEVADO E RISCO DE ALTA DA INFLAÇÃO

A ata da reunião de janeiro do Federal Reserve (Fed) reforçou a mensagem de que o banco central norte-americano precisa ter mais confiança nos dados sobre a inflação para só aí começar o ciclo de afrouxamento monetário nos EUA.

"Os membros [do Fomc] concordaram que não é apropriado reduzir o intervalo dos juros até terem ganhado maior confiança de que a inflação está evoluindo de forma sustentável para 2%", diz o documento.

Apesar disso, os membros do comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) entendem agora que que os riscos para o alcance das metas de emprego e de inflação estão se equilibrando.

"Os membros consideraram as perspectivas econômicas incertas e concordaram que permaneciam muito atentos aos riscos de inflação", diz a ata.

DESTAQUES DO PREGÃO

Por volta das 15h55, o Ibovespa recuava 0,17%, aos 129.699 pontos.

No mesmo horário, o dólar subia 0,29%, para a máxima de R$ 4,9420 no mercado à vista.

Já em Wall Street, o tom de cautela prevalece sobre as bolsas de valores.

  • Dow Jones: -0,15%
  • S&P 500: -0,22%
  • Nasdaq: -0,66%
FECHAMENTO DO OURO

Os contratos futuros do ouro encerraram em queda na sessão desta quarta-feira (21), em compasso de espera pela ata do Federal Reserve nos EUA.

O metal precioso com entrega prevista para abril fechou com baixa de 0,27%, a US$ 2.034,30 a onça-troy na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

RETRATO DOS JUROS FUTUROS

A menos de uma hora da publicação da ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), os juros futuros aceleraram os ganhos por aqui.

Os DIs acompanham a alta dos rendimentos dos Treasurys, os títulos de dívida do governo norte-americano, e do dólar.

E por falar em Treasurys, os títulos com vencimento em dez anos atingiram um retorno (yield) de 4,319% por volta das 15h35. Já os rendimentos dos títulos de 30 anos subiram para 4,483%.

Veja como andam os DIs por volta das 15h20:

CÓDIGONOMEULT MIN MAX ABE FEC 
DI1F25DI Jan/259,99%9,96%10,00%9,98%9,99%
DI1F26DI Jan/269,79%9,75%9,81%9,79%9,80%
DI1F27DI Jan/279,96%9,91%9,97%9,95%9,96%
DI1F28DI Jan/2810,21%10,16%10,22%10,19%10,19%
DI1F29DI Jan/2910,38%10,33%10,40%10,35%10,37%
DI1F30DI Jan/3010,53%10,48%10,55%10,50%10,51%
DI1F31DI Jan/3110,61%10,56%10,63%10,57%10,60%
DI1F32DI Jan/3210,68%10,62%10,69%10,64%10,64%
DI1F33DI Jan/3310,73%10,68%10,75%10,69%10,72%
ADEUS, NUBANK: ITAÚ BBA TIRA FINTECH DA CARTEIRA TOP 5 E COLOCA OUTRO BANCO EM SEU LUGAR

Apesar do Nubank (ROXO34) ter rendido mais que o Ibovespa desde que entrou na carteira Top 5 do Itaú BBA — acumulando ganhos de 26% desde outubro do ano passado, contra 15% do índice , os analistas decidiram retirar o banco digital da carteira.

Segundo relatório divulgado nesta quarta-feira (21), os os BDRs ROXO34 darão lugar às ações de outra instituição financeira a partir de agora: o BTG Pactual (BPAC11).

O Itaú BBA explica que a troca não é motivada por preocupações com a solidez do Nubank. Muito pelo contrário, o banco de investimentos destaca que a fintech tem apresentado resultados muito fortes nos últimos trimestres e a expectativa para o balanço do 4T23, que será divulgado nesta semana, esta alta.

Os analistas optaram, porém, por realizar lucros agora e voltar para a tese do banco digital "em um momento mais atrativo".

Leia mais.

DÓLAR EM ALTA

O dólar ampliou os ganhos nesta tarde. Por volta das 15h10, a moeda norte-americana subia 0,25%, cotada a R$ 4,9397 no mercado à vista.

FIM DO CALVÁRIO? OI (OIBR3) DISPARA 124% EM FEVEREIRO

Há quem diga que todo calvário há de ter um final — e a situação não parece ser diferente para a Oi (OIBR3).

Se há quase um ano a entrada em uma nova recuperação judicial assustou os acionistas da empresa — que outrora chegou a ser uma das maiores companhias da bolsa de valores brasileira —, agora a operadora parece enxergar a luz no fim do túnel.

Em mais um pregão de forte valorização, os papéis ordinários da Oi entraram em leilão após uma disparada superior a 10% na B3 — elevando o valor de mercado da Oi para R$ 941,78 milhões, no nível mais alto desde que a empresa entrou com o novo pedido de reestruturação de dívidas. 

Por volta das 14h50, as ações tinham alta de 11,02%, a R$ 1,41 — aumentando a distância de sua antiga classificação depenny stock. Veja a cobertura de mercados ao vivo do Seu Dinheiro aqui.

Leia mais.

OI (OIBR3) EM DISPARADA

As ações da Oi (OIBR3) têm mais um dia de ganhos na B3. Por volta das 12h15, os papéis disparavam 10,24% fora do Ibovespa, negociado a R$ 1,40.

Em fevereiro, as ações já ultrapassam a marca de 124% de valorização na bolsa brasileira.

COMO JEFF BEZOS "DRIBLOU" IMPOSTOS NA VENDA BILIONÁRIA DE AÇÕES DA AMAZON

Aquele momento de separar documentos, notas e fazer contas chegou para os brasileiros que declaram impostos — e, nessa hora, muita gente tenta encontrar meios legais de reduzir o tamanho da mordida do Leão. Esse cenário não é muito diferente para os bilionários, ainda que seja Jeff Bezos, o fundador da Amazon

Bezos vendeu mais 14 milhões de ações da Amazon no valor de cerca de US$ 2,4 bilhões (R$ 11,8 bilhões no câmbio atual). 

Essa transação elevou o número total de ações da gigante do varejo eletrônico que ele vendeu nos últimos nove pregões para cerca de 50 milhões, com um valor aproximado de US$ 8,5 bilhões (R$ 42 bilhões no câmbio atual). 

Sem impostos: Bezos foge da mordida do Leão

O tamanho da mordida do Leão sobre os bilhões que Bezos levantou com essas vendas de ações é de doer no bolso. 

Leia mais.

DESTAQUES DA BOLSA

As ações da Weg (WEGE3) continuam a liderar os ganhos do Ibovespa após o balanço do quarto trimestre de 2023.

Na ponta positiva da B3, ainda encontram-se as ações das novatas do petróleo, que aproveitam a recuperação da commodity no exterior para avançar na bolsa.

CÓDIGONOMEULTVARMIN MAX 
WEGE3Weg ONR$ 36,356,07%          35,51          36,55
VBBR3VIBRA energia ONR$ 25,743,42%          24,76          25,84
PCAR3GPA ONR$ 4,142,99%            3,99            4,27
RECV3PetroReconcavo ONR$ 24,222,58%          23,85          24,41
PRIO3PRIO ONR$ 47,292,54%          45,65          47,29

Já no campo positivo, a Hapvida puxa as perdas do pregão devido à maior cautela dos investidores pela ata da última reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos).

CÓDIGONOMEULTVARMIN MAX 
HAPV3Hapvida ONR$ 3,38-4,79%            3,37            3,56
AZUL4Azul PNR$ 11,95-3,32%          11,92          12,31
LWSA3Locaweb ONR$ 5,36-3,25%            5,34            5,53
ALPA4Alpargatas PNR$ 9,36-2,80%            9,23            9,64
ELET3Eletrobras ONR$ 43,30-2,61%          43,05          44,52
AMERICANAS (AMER3) EM QUEDA NA B3

As ações da Americanas (AMER3) entraram em leilão após recuarem 8,47% na B3, a R$ 0,54.

COMO ANDAM OS MERCADOS

O Ibovespa reduziu as perdas nesta tarde e tenta uma recuperação em meio à espera pela publicação da ata do Fomc, o Copom dos Estados Unidos, programada para 16h.

Por volta das 14h, o principal índice de ações da B3 tinha leve alta de 0,01%, aos 129.928 pontos.

No mesmo horário, o dólar caía 0,03% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9261.

FECHAMENTO NA EUROPA

Em um dia no qual o grande evento do mercado deve ocorrer nos Estados Unidos, com a publicação da ata da última reunião do Federal Reserve marcada para às 16h, a maior parte das principais bolsas da Europa fechou o pregão em alta.

A exceção foi Londres, que recuou pressionada por balanços fracos, especialmente do banco britânico HSBC e da mineradora anglo-suíça Glencore. Confira abaixo os fechamentos das principais praças do continente europeu:

  • Paris: +0,22%
  • Frankfurt: +0,29%
  • Milão: +1,00%
  • Londres: -0,73%
A CAMPEÃ VOLTOU? WEG SUPERA PROJEÇÕES E AÇÕES LIDERAM IBOVESPA

A seleção brasileira de futebol carrega um histórico insuperável de taças da Copa do Mundo. Porém, desde 2002, as sucessivas campanhas ruins praticamente soterraram o sonho do hexa. Antes da volta da seleção, a Weg (WEGE3) é uma queridinha que foi desacreditada recentemente — mas parece ter voltado ao páreo. 

Após um resultado aquém do esperado do terceiro trimestre do ano passado, a empresa conhecida como “fábrica de bilionários” recuperou a boa forma e superou as expectativas do mercado nos números do quarto trimestre.

O lucro líquido da Weg foi de R$ 1,75 bilhão, cerca de 30% acima da expectativa do mercado e das projeções do JP Morgan, que publicou um relatório sobre a companhia nesta quarta-feira (21), reiterando a compra das ações WEGE3.

O resultado ainda representa uma alta de 46,2% em relação ao mesmo período de 2022. 

Leia mais.

COMO ANDAM OS MERCADOS

Ibovespa acompanha a cautela internacional hoje e opera em leve queda no pregão desta quarta-feira (21). Por volta das 12h50, o principal índice de ações da B3 caía 0,12%, aos 129.761 pontos.

No mesmo horário, o dólar marcava leve alta de 0,10% no mercado à vista, cotado a R$ 4,9326.

Em Wall Street, as bolsas norte-americanas davam continuidade à trajetória negativa durante a tarde, em compasso de espera pela ata do Fomc, o Copom dos Estados Unidos. Confira:

  • Dow Jones: -0,22%
  • S&P 500: -0,25%
  • Nasdaq: -0,62%
COMO ANDAM OS JUROS FUTUROS

Os juros futuros ampliaram a queda nesta quarta-feira (21) e operam nas mínimas do dia.

Os DIs acompanham a cautela do mercado antes da ata do Fomc, o Copom dos Estados Unidos, que traçará um panorama sobre a trajetória dos juros norte-americanos.

Veja como andam os DIs por volta das 12h35:

CÓDIGONOMEULT MIN MAX ABE FEC 
DI1F25DI Jan/259,97%9,96%9,98%9,98%9,99%
DI1F26DI Jan/269,76%9,75%9,79%9,79%9,80%
DI1F27DI Jan/279,91%9,91%9,96%9,95%9,96%
DI1F28DI Jan/2810,16%10,16%10,20%10,19%10,19%
DI1F29DI Jan/2910,34%10,33%10,37%10,35%10,37%
DI1F30DI Jan/3010,49%10,48%10,51%10,50%10,51%
DI1F31DI Jan/3110,57%10,56%10,60%10,57%10,60%
DI1F32DI Jan/3210,62%10,62%10,64%10,64%10,64%
DI1F33DI Jan/3310,68%10,68%10,70%10,69%10,72%
SOBE E DESCE DO IBOVESPA

As ações da Weg (WEGE3) mantêm o impulso na bolsa brasileira após o balanço do quarto trimestre de 2023 e lideram os ganhos do Ibovespa por volta das 12h10.

Os papéis do GPA (PCAR3) também são destaque de alta, com os investidores ansiosos pela divulgação do resultado trimestral após o fechamento dos mercados.

Confira as maiores altas do Ibovespa:

CÓDIGONOMEULTVAR
WEGE3Weg ONR$ 36,095,31%
PCAR3GPA ONR$ 4,132,74%
VBBR3VIBRA energia ONR$ 25,512,49%
PRIO3PRIO ONR$ 46,841,56%
VIVT3Telefônica Brasil ONR$ 53,771,59%

A maior cautela dos mercados, que esperam a divulgação da ata do Fomc, a versão norte-americana do Copom, ainda pesa sobre as ações brasileiras hoje.

Além da aversão ao risco, os papéis da CSN (CSNA3) acompanham a derrocada do minério de ferro em Dalian.

CÓDIGONOMEULTVAR
HAPV3Hapvida ONR$ 3,41-3,94%
CSNA3CSN ONR$ 17,32-3,78%
LWSA3Locaweb ONR$ 5,37-3,07%
CVCB3CVC ONR$ 3,22-3,01%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 1,96-2,97%
DANÇA DAS CADEIRAS NA TAESA (TAEE11)

A manhã desta quarta-feira (21) se iniciou com uma mudança de liderança em uma das vacas leiteiras da bolsa brasileira: a Taesa (TAEE11).

Após mais de três anos na posição, o atual CEO da empresa de energia, André Augusto Telles Moreira, apresentou hoje uma carta de renúncia ao cargo de diretor-presidente.

O motivo da saída de Moreira não foi revelado pela companhia.

Com a saída de Moreira, o diretor financeiro (CFO) e de relações com investidores (DRI) da elétrica, Rinaldo Pecchio Junior, passará a ocupar a função.

Leia mais.

GIRO DO MERCADO

Conhecida por ser uma ótima pagadora de dividendos, a Telefônica Brasil, dona da marca Vivo (VIVT3), divulgou seus resultados do 4T23. O documento divulgado pela empresa nesta terça-feira (21) mostrou lucro de 1,6 bilhão no 4T23, alta de 42% na comparação com o mesmo período de 2022.

O analista Ruy Hungria, da Empiricus Research, comenta os números apresentados pela empresa de comunicação e ainda reforça sua tese de investimentos em VIVT3.

Ainda na temporada de resultados, a administradora de shoppings Iguatemi (IGT11) também apresentou seu balanço referente ao 4T23.

Caio Araujo também participa do Giro do Mercado desta quarta-feira (21) para dar sua avaliação sobre o último trimestre da companhia.

Confira o novo episódio do Giro do Mercado. É só dar play aqui!

ABERTURA DE NOVA YORK 

Os principais índices de ações de Wall Street iniciaram a sessão no vermelho nesta quarta-feira (21), de olho na ata do Fomc, o Copom norte-americano.

Confira:

  • Dow Jones: -0,42%
  • S&P 500: -0,24%
  • Nasdaq: -0,43%
DESTAQUES DA BOLSA

As ações de empresas ligadas a commodities metálicas, como mineradoras e siderúrgicas, registram queda nesta manhã após o minério de ferro estender as perdas em Dalian.

A Gerdau (GGBR4) e a Metalúrgica Gerdau (GOAU4) vão na contramão e operam entre as maiores altas do Ibovespa após os balanços do quarto trimestre de 203.

Confira como anda o setor por volta das 11h20:

CÓDIGONOMEULTVAR
GGBR4Gerdau PNR$ 21,992,76%
GOAU4Gerdau Metalúrgica  PNR$ 10,231,79%
VALE3Vale ONR$ 66,220,32%
CMIN3CSN Mineração ONR$ 6,180,00%
BRAP4Bradespar PN N1R$ 21,64-0,14%
USIM5Usiminas PNAR$ 10,00-3,19%
CSNA3CSN ONR$ 17,30-3,89%
GPA (PCAR3) SOBE NA B3

As ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) sobem na B3 nesta manhã diante da expectativa dos investidores com o balanço do quarto trimestre de 2023.

Por volta das 11h, os papéis avançavam 3,73% na bolsa brasileira, a R$ 4,17, destoando do desempenho do setor de varejo, que recua em bloco nesta manhã. Confira:

AtivoNomeVarUlt
PCAR3PÃO DE AÇUCAR ON 3,73%4,17
GMAT3GRUPO MATEUS ON 0,27%7,44
ASAI3ASSAI ON -0,57%13,91
CRFB3CARREFOUR BR ON -0,66%11,97
BHIA3CASAS BAHIA ON-1,38%8,55
AMER3AMERICANAS ON -1,69%0,58

O resultado do Pão de Açúcar no 4T23 deve ser publicado nesta noite, após o fechamento dos mercados.

A expectativa dos analistas é que o GPA será o destaque positivo do varejo alimentar nesta safra de balanços, ainda que o resultado líquido seja negativo.

Segundo o Prévias Broadcast, a estimativa para o prejuízo líquido é de R$ 172 milhões no período, um recuo de 78,3% diante das perdas de R$ 795 milhões vistas no quarto trimestre de 2022.

Para a receita líquida, a projeção é de uma alta anual de 8,3%, para 5,305 bilhões. As médias consideram as análises de Bradesco BBI, Genial Investimentos e BTG Pactual.

A avaliação da Genial é que o ano de 2023 parece ter sido o da virada de chave para a companhia.

GERDAU (GGBR4) E METALÚRGICA GERDAU (GOAU4) SOBEM NA B3

Após um início de sessão amargo pra as ações na B3, os papéis da Gerdau (GGBR4) e Metalúrgica Gerdau (GOAU4) marcam ganhos na bolsa brasileira nesta quarta-feira (21).

Por volta das 10h30, os papéis GGBR4 subiam 1,12% e figuravam entre as maiores altas do Ibovespa, negociados a R$ 21,64. No mesmo horário, as ações GOAU4 avançavam 0,50%, a R$ 10,10.

O movimento vem na esteira dos balanços referentes ao quarto trimestre de 2023, que foram publicados após o fechamento dos mercados ontem e considerados "fracos" pelos analistas do BTG Pactual.

Isso porque a Gerdau viu o lucro líquido encolher 45,1% no quarto trimestre em relação ao mesmo período de 2021, a R$ 732 milhões. Se comparado com o trimestre anterior, o recuo foi ainda maior, de 54%.

Já a receita líquida caiu 18,1% no comparativo anual e 13,8% na base trimestral, para R$ 14,716 bilhões no quarto trimestre de 2023.

Por sua vez, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 2,039 bilhões entre outubro e dezembro, uma queda de 43,8% na comparação anual e de 39,1% frente ao 3T23.

Segundo a empresa, um dos principais motivos da queda é a "forte base de comparação" do ano de 2022, quando a Gerdau registrou o segundo maior lucro líquido ajustado da história.

A companhia ainda cita a redução nos volumes de vendas nas operações de negócios e os impactos da operação na Argentina devido à desvalorização cambial de dezembro.

DÓLAR OPERA VOLÁTIL

O dólar começa a sessão desta quarta-feira (21) sem trajetória firme, oscilando entre ganhos e perdas pela manhã.

Por volta das 10h35, a moeda norte-americana marcava tímida alta de 0,02%, negociada a R$ 4,9283 no mercado à vista.

WEG (WEGE3) EM ALTA

As ações da Weg (WEGE3) são destaque de alta na abertura do pregão desta quarta-feira (21). Por volta das 10h15, os papéis subiam 4,96%, a R$ 35,97.

O desempenho positivo vem na esteira da divulgação do balanço do quarto trimestre de 2023 e do anúncio de dividendos extras bilionários.

A companhia teve um lucro líquido de R$ 1,745 bilhão entre outubro e dezembro do ano passado, um aumento de 46,2% em relação ao mesmo período de 2022. No consolidado do ano, a empresa somou um lucro líquido de R$ 5,732 bilhões, alta de 36,2% na base anual.

A receita operacional líquida apresentou alta de 7,3% no quarto trimestre em comparação com o registrado um ano antes, a R$ 8,561 bilhões. No ano, o montante atingiu a marca de R$ 35,5 bilhões, alta de 8,7% no comparativo com 2022.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) chegou a R$ 1,829 bilhão entre outubro e dezembro, cifra 17,3% superior à reportada em igual intervalo do ano anterior. Em 2023, o valor somou 7,09 bilhões, aumento de 26,2% frente ao registrado em 2022.

Já em relação à bolada adicional aos acionistas, a Weg anunciou o pagamento de R$ 1,3 bilhão em dividendos complementares.

O pagamento corresponde a R$ 0,297942793 por ação e será destinado a quem estiver na base acionária da companhia na próxima sexta-feira (23).

MAIORES ALTAS E QUEDAS DA ABERTURA

As ações da Weg (WEGE3) e da Iguatemi (IGTI11) lideram a ponta positiva da bolsa brasileira nesta manhã após a divulgação dos balanços financeiros referentes ao quarto trimestre de 2023.

Já no campo negativo, a Marfrig (MRFG3) puxa as quedas do Ibovespa pela manhã, estendendo as perdas das últimas sessões.

Confira as maiores altas do Ibovespa na abertura:

CÓDIGONOMEULTVARMIN MAX 
WEGE3Weg ONR$ 35,964,93%          35,51          36,06
IGTI11Iguatemi ONR$ 23,962,09%          23,51          24,34
RECV3PetroReconcavo ONR$ 24,031,78%          24,01          24,39
BRKM5Braskem PNR$ 19,550,77%          19,50          19,87
PETR3Petrobras ONR$ 43,790,44%          43,60          43,79

Veja as maiores baixas do índice:

CÓDIGONOMEULTVARMIN MAX 
MRFG3Marfrig ONR$ 8,49-2,19%            8,47            8,65
LWSA3Locaweb ONR$ 5,43-1,99%            5,43            5,53
BHIA3Casas Bahia ONR$ 8,52-1,73%            8,51            8,64
HAPV3Hapvida ONR$ 3,49-1,69%            3,48            3,56
GOAU4Metalúrgica Gerdau PNR$ 9,89-1,59%            9,77            9,91
ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa iniciou o pregão desta quarta-feira (21) em queda de 0,12%, aos 129.915 pontos.

Com a agenda de indicadores local esvaziada, o principal índice de ações da B3 fica à reboque do exterior hoje para dar tom aos negócios.

Lá fora, as atenções se voltam para a divulgação da Ata da reunião do Fomc, o Copom norte-americano, que será publicada nesta tarde.

MERCADO DE COMMODITIES 

Os contratos futuros de petróleo começam mais uma sessão no vermelho.

Por volta das 9h55, o Brent, considerado referência no mercado internacional, para abril caía 0,30%, a US$ 82,09 o barril.

No mesmo horário, o WTI para março recuava 0,27%, negociado a US$ 76,83 o barril.

Já o minério de ferro para maio fechou em queda de 3,98% em Dalian, cotado a US$ 124,22.

MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

Bom dia, pessoal. Os investidores mantêm a atenção voltada para um elemento crucial do dia: a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, com os Estados Unidos à beira de importantes alterações na política monetária.

O atual presidente do Fed, Jerome Powell, parece enfrentar desafios de comunicação maiores do que seus predecessores, uma limitação que tem complicado a estabilização das expectativas desde o final do último ano.

As atas, ao oferecerem insights detalhados sobre a direção preferencial das políticas, apresentam uma oportunidade para aplacar as inquietações do mercado.

Além disso, o mercado aguarda com expectativa os resultados da Nvidia, uma líder no setor de tecnologia impulsionado pela inteligência artificial — qualquer decepção pode influenciar significativamente os mercados.

A tensão se reflete nos mercados europeus, que abrem em baixa, ecoando a tendência nos futuros dos mercados americanos.

Nem mesmo o superávit fiscal sem precedentes do Reino Unido em janeiro, contribuindo para a diminuição da relação dívida/PIB, foi capaz de revitalizar o ânimo na Europa.

Independentemente das críticas dirigidas a Sunak, o atual Primeiro-Ministro britânico, sua impopularidade e a antecipação de uma derrota eleitoral significativa para os conservadores não ofuscam sua habilidade em administrar os recursos do governo.

O dia apresentou um panorama misto na Ásia, impactado pelos números de exportação da Coreia do Sul, que foram afetados pelas celebrações do Ano Novo Lunar.

Ademais, persiste uma insatisfação com os estímulos econômicos da China, vistos como insuficientes.

A ver…

00:58 — Que tipo de diplomacia é essa?

O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, aterrissou ontem no Brasil para um encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira, marcando um momento significativo na celebração de 200 anos de relações diplomáticas entre as duas nações.

Essa visita, além de reforçar o apoio dos EUA à liderança do Brasil no G20, que terá sua cúpula realizada no Rio de Janeiro, visa também promover discussões sobre energia limpa.

Contudo, a atmosfera da visita é tensionada por recentes declarações controversas de Lula, que resultaram em uma crise diplomática com Israel.

Suas comparações das ações militares israelenses na Faixa de Gaza com atos do regime nazista geraram forte reação internacional.

Lula vinha mirando no prêmio Nobel da Paz, mas acabou acertando em uma nomeação como “persona non grata” em Israel até que uma retratação fosse feita, algo improvável dada a postura inflexível do presidente brasileiro e de seus assessores, em especial Celso Amorim.

Essa tragédia diplomática brasileira pode influenciar o diálogo entre Lula e Blinken (o secretário americano é judeu), especialmente no que diz respeito ao conflito entre Israel e o Hamas, possivelmente limitando o potencial de avanços significativos nesta visita em outras frentes.

Ademais, essa controvérsia poderia afetar as ambições brasileiras no cenário global, incluindo esforços de reforma no Conselho de Segurança da ONU e a busca por uma cadeira permanente, à medida que a credibilidade da diplomacia brasileira sofre um abalo (dependíamos da imagem do Brasil como um participante imparcial no panorama internacional, reforçando a importância da diplomacia e das parcerias estratégicas para a prosperidade econômica do país).

Apesar desses desafios diplomáticos e comerciais, os impactos imediatos no mercado financeiro brasileiro são limitados, embora as repercussões morais das declarações de Lula possam persistir.

01:57 — Capital político

Ainda no Brasil, em um período marcado por uma agenda econômica menos intensa, continuamos analisando a temporada de resultados financeiros e mantendo a vigilância sobre os desenvolvimentos políticos em Brasília.

Destacam-se na agenda do dia pronunciamentos de Roberto Campos Neto pela manhã e um encontro entre Lula e Haddad à tarde, onde temas como a reoneração e o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) dominarão as discussões.

Além disso, a agenda política de Lula inclui uma reunião com Arthur Lira e outros líderes da Câmara dos Deputados, o que promete ser um desafio dada a situação atual do capital político do presidente, comprometido em um governo no seu segundo ano, sem maioria no Congresso e necessitando de alianças com o Centrão e segmentos da centro-direita, em meio a uma crise diplomática.

O esforço para a articulação política se torna cada vez mais custoso.

O Brasil testemunha um aprofundamento da polarização política e social, especialmente evidente com a proximidade de manifestações marcadas para o dia 25.

Declarações recentes do presidente causaram descontentamento em setores do establishment, ofenderam a comunidade judaica e acirraram os ânimos da direita alinhada a Bolsonaro.

Existe a possibilidade de que Lula busque, com essas atitudes, voltar a posicionar-se de maneira antagonista ao bolsonarismo (temos eleições neste ano), embora a intenção por trás dessas declarações possa permanecer incerta.

Quanto ao orçamento, o relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2024, o deputado Danilo Forte, planeja solicitar ao presidente do Congresso a antecipação da sessão para análise dos vetos presidenciais, ainda sem data definida.

A principal controvérsia está na proposta de redução de R$ 5,6 bilhões em verbas destinadas às emendas de comissão, representando mais um desafio para Haddad.

02:55 — Um foco para o G20

O Brasil está utilizando sua liderança no G20 para destacar as iniciativas sustentáveis implementadas em sua agropecuária.

Priorizando a reformulação dos sistemas alimentares para promover a segurança alimentar e práticas agrícolas sustentáveis, estabelecemos esse foco como um dos seus principais objetivos para o ano.

Tal ênfase na sustentabilidade busca apresentar a diversidade de abordagens possíveis na agricultura sustentável, procurando prevenir decisões precipitadas e unilaterais de certos blocos ou nações contra as metodologias produtivas de um país específico, uma preocupação compartilhada por nações produtoras globalmente.

Essa agenda está alinhada ao Programa Nacional do Brasil para a Conversão de Pastagens, que tem como meta transformar 40 milhões de hectares de terras de pastagens degradadas em áreas aptas para a agricultura dentro de uma década.

Além disso, o grupo focará em outras três áreas prioritárias: o estímulo e expansão do comércio internacional como mecanismo de garantia da segurança alimentar; a valorização da agricultura familiar e a integração de pescadores e pescadoras às cadeias de valor nacionais e globais.

Reconhecido como um gigante na exportação de alimentos, o Brasil desempenha um papel crucial no abastecimento mundial, especialmente para o Sul Global, com destaque para países do Oriente Médio, onde a segurança alimentar é uma questão chave.

É importante ressaltar a importância da postura de neutralidade que deveria ser sempre adotada pelo Brasil.

Posições extremadas ou desinformadas poderiam prejudicar significativamente a influência e a eficácia do país nesse contexto global.

03:53 — Cedendo às tensões

Nos Estados Unidos, o mercado de ações registrou queda ontem, marcando a continuação do declínio iniciado na sexta-feira anterior.

Esse movimento descendente foi liderado pelas empresas de tecnologia, aguardando os resultados financeiros da Nvidia, que serão divulgados hoje.

Entre os relatórios financeiros relevantes já divulgamos, destacaram-se os de grandes varejistas, incluindo o Walmart, que excedeu as expectativas de receita, vendas em lojas comparáveis e crescimento do lucro por ação para o trimestre de novembro a janeiro, mas isso não foi suficiente para melhorar o ânimo do mercado.

A notícia da aquisição da Discover Financial Services pela Capital One também não conseguiu elevar o espírito dos investidores, apesar de representar uma fusão significativa no setor de financiamento ao consumidor.

Esta combinação, avaliada em US$ 35 bilhões e inteiramente baseada em ações, está posicionada para ultrapassar os rivais JP Morgan e Citigroup em volume de empréstimos com cartão de crédito nos EUA.

Com a conclusão prevista entre o final de 2024 e o início de 2025, sujeita à aprovação regulatória e dos acionistas, a fusão fortalecerá a competitividade da empresa resultante contra os gigantes de Wall Street.

A transação é considerada a maior fusão global do ano, superando a aquisição da Ansys pela Synopsys, anunciada em janeiro por cerca de US$ 34 bilhões.

Apesar desses desenvolvimentos, a atenção do mercado permanece voltada para a ata do Federal Reserve.

04:39 — O que esperar da ata

Investidores aguardam com prudência a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve, programada para esta tarde.

Na ocasião, a taxa de juros dos fundos federais foi mantida no intervalo de 5,25% a 5,50%, com indicações de que uma futura redução nas taxas poderia ocorrer, condicionada à permissão dos dados econômicos.

No entanto, espera-se que o documento apresentado hoje possa descartar a possibilidade de um corte de juros em março, direcionando expectativas para um potencial ajuste em junho, em vez de maio.

A decisão futura sobre as taxas de juros dependerá de evidências adicionais de uma desaceleração da inflação, particularmente nos meses de março a maio.

Além das expectativas com relação ao Fed, o mercado também acompanha a divulgação de resultados financeiros de diversas empresas, incluindo Analog Devices, Ansys, APA, Etsy, Exelon, Garmin, Rivian Automotive, Synopsys, Verisk Analytics e Vertiv Holdings.

Contudo, todas as atenções estão voltadas para a Nvidia, cujos resultados serão anunciados após o fechamento do mercado.

A empresa, que faz parte do grupo das "Sete Magníficas", ao lado de Meta, Microsoft, Apple, Alphabet, Amazon e Tesla, tem sido um marco do otimismo em relação à inteligência artificial.

O desempenho revelado hoje tem o potencial de confirmar as altas expectativas geradas pelo entusiasmo em torno da inteligência artificial, representando um momento decisivo. Make it or break it.

Uma eventual decepção poderia desencadear uma onda de vendas, especialmente após a Nvidia ter recentemente superado tanto a Amazon quanto a Alphabet em valor de mercado.

ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

Os juros futuros (DIs) abriram em queda em toda a curva, com recuo mais acentuado nos títulos de vencimentos mais longos.

Os DIs acompanham o desempenho negativo dos rendimentos dos Treasurys, os títulos de dívida do governo norte-americano, em Nova York e do dólar no mercado à vista. 

Veja como abriram os DIs hoje: 

CÓDIGONOMEULT MIN MAX ABE FEC 
DI1F25DI Jan/259,97%9,97%9,98%9,98%9,99%
DI1F26DI Jan/269,76%9,76%9,79%9,79%9,80%
DI1F27DI Jan/279,92%9,92%9,96%9,95%9,96%
DI1F28DI Jan/2810,17%10,17%10,20%10,19%10,19%
DI1F29DI Jan/2910,35%10,34%10,37%10,35%10,37%
DI1F30DI Jan/3010,50%10,49%10,51%10,50%10,51%
DI1F31DI Jan/3110,57%10,56%10,60%10,57%10,60%
DI1F32DI Jan/3210,62%10,62%10,64%10,64%10,64%
DI1F33DI Jan/3310,69%10,68%10,70%10,69%10,72%
AGENDA DO DIA
HoraPaísEvento
5hZona do EuroReunião de política não monetária do Banco Central Europeu (BCE)
10hEstados UnidosDiscurso de Rafael Bostic, membro do Fomc, o Copom americano
16hEstados UnidosAta da reunião do Fomc
21h30JapãoPMI industrial e do setor de serviços
Fonte: Investing.com

Balanços do dia

NomeTickerDataHorário de divulgação
WEGWEGE321/02/2024Horário a confirmar
GPAPCAR321/02/2024Horário a confirmar
AerisAERI321/02/2024Horário a confirmar
Nvidia (EUA)---21/02/2024Após o fechamento dos mercados
Fonte: Levantamento Seu Dinheiro
ESQUENTA DOS MERCADOS

O Ibovespa futuro começou o dia em queda de 0,37%, aos 131.555 pontos. Já o dólar à vista avança próximo da estabilidade, cotado a R$ 4,9305, alta de 0,02%.

UNIGEL ENTRA COM PEDIDO DE RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Em grave crise financeira, a indústria química Unigel chegou a um acordo com credores e entrou com um plano de recuperação extrajudicial. Com isso, a empresa pretende reestruturar um total de R$ 3,9 bilhões em dívidas.

Entre os principais credores da Unigel estão investidores de títulos de dívida local (debêntures) e externos (bonds). Aliás, a companhia inclusive conseguiu uma vitória recente contra os debenturistas ao impedir a penhora de ativos na Justiça.

A Unigel começou a romper compromissos com estes credores em setembro do ano passado. Na ocasião, deixou de pagar US$ 23,2 milhões em juro dos "bonds" (títulos de dívida emitidos no exterior). Em outubro, não honrou com compromissos referentes a juros também junto aos debenturistas.

Disputas à parte, a Unigel obteve a adesão de pouco mais de um terço dos credores ao plano e agora tem 90 dias para conseguir o quórum para a aprovação.

Leia mais.

FUTUROS DE NOVA YORK AMANHECEM NO VERMELHO

Os índices futuros das bolsas de valores de Nova York amanheceram no vermelho nesta quarta-feira.

O movimento sugere a continuidade, na abertura do pregão, das perdas observadas nos últimos dias.

Os investidores demonstram cautela antes da divulgação da ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano).

Antes da ata, prevista para as 16h, as atenções estarão voltadas para o discurso de uma dirigente do Fed.

A expectativa em relação ao balanço da Nvidia, esperado para depois do fechamento, também deve movimentar o mercado norte-americano hoje.

Confira:

  • S&P 500 futuro: -0,22%
  • Dow Jones futuro: -0,19%
  • Nasdaq futuro: -0,41%
BOLSAS DA EUROPA ABREM SEM DIREÇÃO ÚNICA

As principais bolsas de valores da Europa abriram sem direção única nesta quarta-feira.

Em Frankfurt e Paris, os índices oscilam em leve alta, mas sem um gatilho que os impulsione.

Em Londres, a bolsa é pressionada pelo balanços fracos do HSBC e da Glencore.

Confira:

  • DAX: +0,42%
  • FTSE 100: -0,80%
  • CAC 40: +0,34%
  • Euro Stoxx 50: +0,42%
BOLSAS DA ÁSIA FECHAM SEM DIREÇÃO ÚNICA

As principais bolsas de valores da Ásia fecharam sem direção única nesta quarta-feira.

O recente corte de juros pelo banco central da China continua animando os índices locais.

A bolsa de Xangai subiu 0,97% hoje. Em Hong Kong, a alta foi de 1,57%.

Já as bolsas de Tóquio, Seul e Taiwan fecharam em queda em meio à cautela de investidores antes do balanço da Nvidia.

Confira:

  • Nikkei: -0,17%
  • Xangai: +0,97%
  • Hang Seng: +1,57%
  • Kospi: -0,17%
O QUE ROLOU NOS MERCADOS ONTEM?

A bolsa brasileira conseguiu manter abafados os ruídos externos e fechou a terça-feira (20) nas alturas, mesmo com os mercados internacionais encerrando o pregão sem uma direção única.

Por aqui, o pregão foi marcado por uma queda consistente das ações da Petrobras (PETR3;PETR4) e da Vale (VALE3), que limitaram os ganhos da B3. Os setores de mineração e siderurgia caíram em bloco hoje, acompanhando a derrocada do minério de ferro em Dalian.

Na ponta positiva, as ações do Carrefour Brasil (CRFB3) passaram por três leilões devido à oscilação máxima permitida e terminaram a sessão como a maior alta do Ibovespa após os resultados do quarto trimestre de 2023.

O setor financeiro também deu apoio à bolsa brasileira hoje, com destaque para os papéis do Bradesco (BBDC4), que mantiveram fortes ganhos durante o dia após os analistas do Goldman Sachs abandonarem a recomendação de venda.

Com isso, o Ibovespa terminou o pregão em alta de 0,68%, a 129.916 pontos. Por sua vez, o dólar encerrou em queda de 0,61%, negociado a R$ 4,9316 no mercado à vista.

Lá fora, os investidores repercutiram o corte de 0,25 ponto porcentual das taxas de referência de cinco anos na China, que fez com que o fechamento na Ásia fosse misto hoje.

Em Wall Street, as bolsas de valores norte-americanas amargaram perdas no retorno do feriado do Dia do Presidente nos Estados Unidos, em um movimento de ajuste e de olho nos balanços corporativos desta semana.

Por sua vez, na Europa, os negócios terminaram mistos, com um tom mais negativo em Londres após os comentários do presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Andrew Bailey, sobre alívio monetário.

Bailey não deu sinais de quando começariam os cortes nas taxas, apesar de afirmar que reduções não seriam “irracionais".

Confira o que movimentou os mercados nesta terça-feira (20).

Compartilhe

MAIS 11 ATIVOS PARA A CONTA

Fundo imobiliário BTLG11 fecha acordo de quase R$ 2 bilhões por portfólio de imóveis em SP

16 de abril de 2024 - 11:36

O FII deve adquirir 11 ativos, com cerca de 550 mil metros quadrados prontos e performados

SÉRIE A DA B3

Auren (AURE3) fica de fora da segunda prévia do Ibovespa, que agora conta com a entrada de apenas uma ação

16 de abril de 2024 - 10:32

Se a previsão se confirmar, a carteira do Ibovespa contará com 87 ações de 84 empresas a partir de maio

MERCADOS HOJE

Dólar se aproxima de R$ 5,30 com meta fiscal e juros nos EUA no radar; Ibovespa reduz perdas com Petrobras (PETR4)

16 de abril de 2024 - 6:33

RESUMO DO DIA: Enquanto as bolsas de Nova York operam em alta à espera do discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, o Ibovespa segue mais avesso ao risco com o cenário fiscal no radar. Já o dólar mantém a trajetória de valorização e bateu máxima a R$ 5,27, o maior nível desde […]

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos e Wall Street no vermelho; dólar sobe a R$ 5,18

15 de abril de 2024 - 6:43

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta segunda-feira (15) no vermelho, pressionado pelo desempenho dos bancos, que recuaram em meio à crescente aversão ao risco no mercado hoje. O principal índice de ações da B3 fechou o pregão em baixa de 0,49%, aos 125.333 pontos. Já o dólar à vista avançou 1,25%, aos […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Prévia do PIB no Brasil e balanços nos EUA são destaque junto com Livro Bege nos próximos dias

15 de abril de 2024 - 6:20

As reuniões do FMI ao longo da semana permanecem no radar, com discussões focadas na estabilidade financeira global e nas estratégias para enfrentar as incertezas econômicas

TOUROS E URSOS

O enigma da Petrobras (PETR4): entre dividendos e “risco Lula”, vale a pena ter ações da estatal?

14 de abril de 2024 - 7:45

Ruído da intervenção do governo impede a Petrobras de negociar no patamar de companhias como Chevron e Exxon, segundo analista

TEMPESTADE PERFEITA

Como a escalada das tensões no Oriente Médio derruba as ações da Azul (AZUL4) e da Gol (GOLL4) na B3

12 de abril de 2024 - 16:10

A crise geopolítica pressiona as cotações do petróleo e do dólar, o que afeta os negócios das companhias aéreas

RISCO GLOBAL

Dólar bate em R$ 5,14  e atinge maior nível em seis meses — e aqui estão três motivos para a disparada da moeda norte-americana hoje 

12 de abril de 2024 - 13:25

O dólar também se valoriza ante as divisas globais; as cotações do petróleo e do ouro renovam máximas históricas

VEJA O QUE DIZ A COMPANHIA

Ações da JHSF (JHSF3) tombam 7% na B3; empresa se pronuncia após embargo do Complexo Boa Vista

12 de abril de 2024 - 12:12

A companhia afirmou, em comunicado enviado à CVM mais cedo, que seus advogados avaliam o “sentido e alcance” da liminar expedida na última quinta-feira

DESTAQUES DA BOLSA

Plano & Plano (PLPL3) despenca mais de 7% e registra maior queda da bolsa após prévia operacional; veja os números que desagradaram o mercado

12 de abril de 2024 - 11:33

O forte recuo é uma reação a números considerados neutros por parte dos analistas das principais casas brasileiras

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies