Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Cotações por TradingView
2023-01-12T11:14:55-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Espanto na B3

Caos na Americanas (AMER3): mercado fica perplexo com notícias de rombo contábil de R$ 20 bi e saída precoce de Rial

Sergio Rial, ex-Santander, ficou menos de 15 dias como CEO da Americanas; a passagem relâmpago chocou gestores ouvidos pelo Seu Dinheiro

11 de janeiro de 2023
22:17 - atualizado às 11:14
Montagem com Sergio Rial, novo CEO da Americanas, com o logo da empresa
Montagem com Sergio Rial, então CEO da Americanas, com o logo da empresa - Imagem: Murillo Constantino/Quartetto - Montagem Brenda Silva

Em 22 de agosto do ano passado, as ações da Americanas (AMER3) tiveram uma sessão memorável: disparada de 22%, a R$ 15,96 — tudo por causa do anúncio de que Sergio Rial, o respeitado ex-presidente do Santander Brasil, assumiria o comando da companhia a partir de 2023.

A notícia foi tão inesperada quanto bem-vinda: a Americanas vinha de um longo processo de reorganização administrativa e, agora, parecia pronta para buscar o tão evasivo crescimento com rentabilidade — e, com Rial ao leme, os mais otimistas acreditavam que a companhia poderia bater de frente com as rivais Magazine Luiza e Via.

Pois se o 22 de outubro foi um dia de glória para AMER3, tudo leva a crer que o 12 de janeiro será de infâmia: Rial, recém empossado CEO, comunicou há pouco a sua saída da companhia — e leva consigo André Covre, diretor financeiro e de relações com investidores, que também tinha apenas 10 dias de casa.

  • Mais ações serão impactadas com o rombo da Americanas? Veja o que diz o analista e estrategista-chefe da Empiricus Research [CONFIRA A ANÁLISE AQUI] 

E as notícias ruins não param por aí: a saída dos dois executivos foi motivada pela descoberta de uma inconsistência contábil da ordem de R$ 20 bilhões nos balanços das companhias, incluindo os números do terceiro trimestre. Um conjunto de informações que trouxe perplexidade ao mercado financeiro.

"Ninguém tinha a menor ideia", disse ao Seu Dinheiro um gestor de uma asset paulista, minutos após a comunicação oficial da Americanas chegar ao mercado — embora possua exposição ao setor de e-commerce nos portfólios, ele diz não ter posição em AMER3. "Também não dá para entender o que aconteceu".

Essa falta de entendimento se deve aos poucos detalhes revelados pela companhia até agora: a Americanas cita apenas que foram encontrados problemas em "lançamentos contábeis redutores da conta fornecedores" — especula-se que a questão envolva financiamentos bancários para a compra de estoque e que não foram lançadas corretamente no balanço.

Se for esse o caso, falamos de um impacto que não atingiria o caixa da companhia, mas que traria efeitos brutais às métricas de endividamento e alavancagem da empresa. Mas, enquanto tudo não é colocado às claras, a incerteza persiste — e isso não costuma ser um bom sinal, especialmente para uma companhia que já está num setor fragilizado.

"O que mercado vinha comprando de expectativa de turnaround com o Rial vindo água abaixo. Vão precisar detalhar ainda essa conta de fornecedores", diz outro gestor, também em condição de anonimato. "Um absurdo".

Sergio Rial, CEO por uma semana

Se há algum ranking de mandatos mais curtos da história, Sergio Rial certamente colocou seu nome nas posições mais altas: oficialmente, ele assumiu o cargo de CEO da Americanas na segunda-feira, 2 de janeiro; a despedida ocorreu hoje, dia 11.

Nem mesmo Liz Truss, a fracassada ex-primeira ministra do Reino Unido, teve uma passagem tão breve pelo poder: ela aguentou firme por longos 44 dias; ainda assim, durou menos que um alface.

Comparações à parte, a passagem relâmpago de Rial pela Americanas salta aos olhos por sua altíssima reputação junto ao mercado: ex-presidente do Santander Brasil, da Seara e da Marfrig, ele conduziu as empresas em seus respectivos processos de reestruturação interna — e as três histórias são tidas como cases de bastante sucesso.

E se um raio cai três vezes no mesmo lugar, ele pode cair quatro — ao menos, é o que o mercado pensava em relação à Americanas, um caso clássico de empresa que nunca deslanchou na bolsa. O próprio Rial não se furtou em alimentar as expectativas elevadas:

Não houve tempo para que a tal 'onda red' se formasse; mesmo na bolsa, em que os papéis AMER vêm de uma sequência positiva no último mês, a Americanas está longe de uma 'mobilização e transformação'.

"Ainda estamos tentando entender a extensão dos danos, mas uma inconsistência contábil de R$ 20 bi em uma empresa que vale R$ 10 bi no mercado não sinaliza boa coisa", diz o diretor de um family office — por volta das 20h, ele ainda discutia a questão com a equipe de empresas do escritório.

O conteúdo para análise, no entanto, tende a aumentar nesta quinta (12). Às 9h, Rial e Covre prometem mais informações quanto aos problemas encontrados no balanço da Americanas, numa teleconferência organizada pelo BTG Pactual; o convite para o evento circulava intensamente entre gestores e analistas no WhatsApp nesta noite.

Americanas na berlinda

Naquele 22 de agosto em que Rial foi anunciado como CEO da Americanas, as ações AMER3 chegaram ao próximas do patamar de R$ 20, chegando a ultrapassar esse nível em outubro. O bom momento, no entanto, durou pouco: nesta quarta (11), os papéis fecharam a R$ 12,00.

É verdade que, ao fim de dezembro, a Americanas chegou a valer menos de R$ 8,00; portanto, no horizonte de um mês, as ações até acumulam um ganho significativo de mais de 40%. Mas, como o gráfico acima mostra, o quadro não é nada animador quando se analisa um período mais longo.

A situação só piora conforme aumentamos a janela temporal: em agosto de 2020, no ápice do otimismo com o e-commerce em meio ao fechamento da economia tradicional e ao isolamento imposto pela pandemia, as ações AMER3 tocaram os R$ 120. Portanto, falamos numa queda de cerca de 90% na bolsa de lá para cá.

E agora, o que esperar para o pregão de amanhã? Com as informações disponíveis nesta noite, os gestores são unânimes: teremos um dia, no mínimo, agitado.

"Vai ser uma paulada no papel", diz uma das fontes ouvidas pelo Seu Dinheiro; "Se tiver ajuste contábil, grande parte dessas varejistas vão sofrer questionamento", diz outro gestor. O mercado pode temer que questões semelhantes possam estar presentes em outras empresas do setor e, na dúvida, muitos não vão pagar para ver.

Portanto, se o impacto maior deve ser visto nas ações AMER3, os investidores também devem ficar atentos aos papéis de empresas como Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e outros players do varejo que têm no e-commerce uma peça central de sua estratégia: todos podem ser afetados, em escalas diferentes.

E o auditor independente?

Em meio à surpresa generalizada causada pela notícia, um outro questionamento emerge entre os gestores e investidores: como é possível que uma inconsistência de R$ 20 bilhões tenha passado despercebida? Qual o papel do auditor independente, responsável justamente por analisar os demonstrativos contábeis e verificar se tudo está certo?

Bem, a auditora dos balanços da Americanas é a PwC e, nos resultados do terceiro trimestre, ela disse não ter ressalvas quanto aos números apresentados pela companhia.

"Com base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhum fato que nos leve a acreditar que as informações contábeis intermediárias individuais e consolidadas incluídas nas informações trimestrais acima referidas não foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com o CPC 21 e o IAS 34, aplicáveis à elaboração das Informações Trimestrais - ITR, e apresentadas de forma condizente com as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários", diz a auditora independente.

Procurada pelo Seu Dinheiro, a PwC disse apenas que "não comenta balanços auditados pela firma por questões de confidencialidade contratual". A Americanas disse que, por ora, seguirá apenas com as informações divulgadas no Fato Relevante.

Nossa reportagem também tentou contato com dois acionistas relevantes da Americanas: o Capital Group, dono de 9,91% do capital da companhia, e o TIAA Cref, detentor de outros 6,05%. Nenhum dos dois respondeu até o fechamento desta matéria.

Já um dos gestores que se mostrou mais perplexo com a situação concluiu sua análise com uma constatação simples: "Esse mercado tá demais. É uma surpresa a cada dia. Não tá para amadores esse Brasil".

Logo em seguida, compartilhou um meme em que Rial se mostra assustado, dando meia volta e fugindo; ao topo, a mensagem Encaminhada com frequência.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Repercussão do resultado

Itaú (ITUB4) acertou em provisionar 100% da exposição à Americanas, dizem analistas; ações disparam na bolsa

8 de fevereiro de 2023 - 12:56

Ao se prevenir totalmente de calote da Americanas no balanço do 4T22, Itaú evita que efeito contamine resultados de 2023

CORRIDA PLATINUM

Uber supera expectativas no 4º trimestre e encerra 2022 com balanço 5 estrelas; ações disparam nas bolsas

8 de fevereiro de 2023 - 12:09

A empresa encerrou os últimos três meses do ano passado com um lucro líquido de US$ 595 milhões, contrariando as expectativas de prejuízo dos analistas

VESPEIRO POLÍTICO

CEO do Itaú (ITUB4) fala sobre disputa entre Lula e presidente do BC: “é do jogo”

8 de fevereiro de 2023 - 11:44

Milton Maluhy, CEO do Itaú, vê a equipe do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, “na direção correta”, mas defende definição rápida da meta de inflação

TEMPOS DIFÍCEIS

Entenda o que está acontecendo com a Marisa (AMAR3) após a renúncia do presidente e alerta financeiro — ações caem mais de 5% na B3

8 de fevereiro de 2023 - 11:12

A Marisa (AMAR3) não detalhou quais as suas dificuldades financeiras que demandam melhorias na estrutura de capital

NOVIDADE BEM RECEBIDA

Tesouro Renda+ Aposentadoria Extra movimenta mais de R$ 60 milhões na primeira semana de negociação

8 de fevereiro de 2023 - 11:07

O título mais negociado foi o Tesouro Renda+ Aposentadoria Extra 2030, representando 40,12% do total (24 milhões). Quase 8 mil pessoas negociaram os títulos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies