🔴 PRIO3 E +9 AÇÕES PARA COMPRAR AGORA – ASSISTA AQUI

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sobe 1,8% na semana, enquanto dólar cai mais de 2%; Americanas (AMER3) tenta recuperação, mas desaba 73% desde revelação de escândalo contábil bilionário

Pressionado pelos balanços dos bancos nos EUA e as medidas econômicas de Haddad, o Ibovespa fechou o dia em queda. O saldo semanal, porém, foi positivo.

Lupa destaca site da Americanas.com em tela de computador
Tela do site da Americanas.com - Imagem: Shutterstock

Está em busca de um filme de terror para esta sexta-feira 13? Uma boa — e rápida — pedida para causar aquele friozinho na espinha é a releitura do comunicado em que a Americanas (AMER3) revela ter identificado inconsistências da ordem de R$ 20 bilhões em seus balanços.

A notícia foi o foco do mercado brasileiro ontem e provocou um banho de sangue nos papéis AMER3, que fecharam em queda de 77%. Esse escândalo contábil seguiu no centro das conversas e negócios hoje.

E, como todo bom sucesso de bilheteria, teve logo uma sequência encomendada. “Caso Americanas 2: uma nova esperança” pode ser o seu nome. Isso porque, passado o pânico inicial, a varejista engatou em uma recuperação que a levou para a ponta positiva do Ibovespa.

As ações da companhia entraram e saíram de leilão várias vezes ao longo do pregão por oscilação máxima permitida — dessa vez para cima — e chegaram a subir mais de 55%. O saldo final foi uma alta de 15,81%, a R$ 3,15. 

A cotação ainda está longe do patamar dos R$ 12 no qual AMER3 se encontrava na última sessão antes da revelação bombástica. Ainda não há mais detalhes sobre a extensão do problema, mas o desempenho mostra que o mercado está disposto a precificá-lo de forma menos catastrófica.

A generosidade foi estendida a outros nomes do setor. Ontem havia a preocupação de que a Americanas não fosse a única varejista a adotar a "contabilidade criativa" que gerou a inconsistência.

Hoje, um relatório do JP Morgan indicou que o problema não deve se repetir em outras varejistas. A Via também veio a público para explicar como faz sua contabilidade e tranquilizar os acionistas.

O Magazine Luiza (MGLU3) ainda não fez o mesmo, mas surfou na diminuição do “risco Americanas” e registrou o segundo dia de alta expressiva, ficando atrás apenas da própria companhia originadora da dúvida no ranking de altas do Ibovespa.

Por falar nele, o principal índice acionário da B3 não compartilhou do mesmo otimismo. Uma das fontes de pressão foi o início da temporada de balanços nos Estados Unidos — que, por lá, começa sempre com os números de grandes bancos.

O mercado também reagiu às medidas econômicas anunciadas ontem pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Com isso, o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,84%, aos 110.916 pontos, mas subiu 1,79% na semana.

Já o dólar à vista enfrentou volatilidade nos negócios e conseguiu encerrar a sexta-feira em leve alta de 0,12%, cotado em R$ 5,1064. Na semana, porém, o resultado foi outro: a moeda norte-americana acumulou um recuo de 2,48% nos últimos cinco dias. Essa é a maior baixa do dólar em seis semanas.

Sobe e desce do Ibovespa

As duas varejistas já mencionadas praticamente não saíram da ponta positiva hoje e terminaram o dia com um dobradinha no pódio. Além de Americanas e Magalu, a Minerva (BEEF3) também foi um dos destaques do dia.

CÓDIGONOMEULTVAR
AMER3Americanas S.AR$ 3,1515,81%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,437,52%
BEEF3Minerva ONR$ 15,254,67%
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 14,762,50%
SLCE3SLC AgrícolaR$ 46,541,50%
Fonte: B3

Já o título de maior queda do Ibovespa no pregão ficou com outra ação do setor alimentício, a BRF (BRFS3), veja abaixo:

Prévia do PIB Brasileiro

Na agenda macroeconômica, o destaque de hoje foi o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR). Considerado a prévia do Produto Interno Bruto (PIB), o indicador registrou queda de 0,55%, com ajustes, em novembro ante outubro de 2022. A variação é maior do que o recuo de 0,20% esperado.

A desaceleração da atividade econômica contribuiu para a retração do IBC-Br em novembro.

Na comparação anual, a atividade econômica avançou 1,65% em novembro, sem ajuste. Os analistas ouvidos pela Broadcast aguardam uma alta de 2,25% em novembro ante o mesmo mês de 2021.

Em 12 meses até novembro, o IBC-Br subiu 3,15% em novembro, sem ajustes.

Os índices anteriores também foram revisados pelo Banco Central. Confira:

  • Maio ante abril: de -0,46% para -0,54%;
  • Junho ante maio: de +1,01% para +0,99%;
  • Julho ante junho: +1,92% para +1,87%;
  • Agosto ante julho: de -1,13% para -1,21%;
  • Setembro ante agosto: de 0,00% para -0,11%;

Bancos movimentam negócios em Wall Street

Nos EUA, inaugurou-se a temporada de balanços com resultados do quarto trimestre de 2022 e do ano. Os primeiros a divulgar os demonstrativos foram os bancos. O destaque foi o JP Morgan.

A tradicional instituição financeira americana teve lucro líquido de US$ 11 bilhões no quarto trimestre de 2022, 6% maior do que o ganho de US$ 10,4 bilhões apurado em igual período de 2021, segundo balanço publicado nesta sexta-feira.

O lucro por ação do maior banco dos EUA entre outubro e dezembro ficou em US$ 3,57, bem acima da previsão de analistas consultados pela FactSet, de US$ 3,08.

Apesar dos fortes resultados, o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, fez um alerta sobre desafios da economia americana, o que acabou pesando na ação do banco nos negócios do pré-mercado.

"A economia dos EUA permanece forte, com os consumidores ainda gastando recursos extras e com empresas saudáveis. No entanto, ainda não sabemos o efeito final de obstáculos ligados a tensões geopolíticas, incluindo a guerra na Ucrânia, a situação vulnerável do abastecimento de energia e alimentos, a inflação persistente que corrói o poder de compra e impulsionou as taxas de juros, e o inédito aperto quantitativo", disse Dimon, em comunicado que acompanha o balanço.

Confira o desempenho das bolsas americanas:

  • Dow Jones: +0,33%;
  • S&P 500: +0,40%;
  • Nasdaq: +0,71%.

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsas hoje: Ibovespa recua com pressão de bancos e Wall Street no vermelho; dólar sobe a R$ 5,18

15 de abril de 2024 - 6:43

RESUMO DO DIA: O Ibovespa terminou a sessão desta segunda-feira (15) no vermelho, pressionado pelo desempenho dos bancos, que recuaram em meio à crescente aversão ao risco no mercado hoje. O principal índice de ações da B3 fechou o pregão em baixa de 0,49%, aos 125.333 pontos. Já o dólar à vista avançou 1,25%, aos […]

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Prévia do PIB no Brasil e balanços nos EUA são destaque junto com Livro Bege nos próximos dias

15 de abril de 2024 - 6:20

As reuniões do FMI ao longo da semana permanecem no radar, com discussões focadas na estabilidade financeira global e nas estratégias para enfrentar as incertezas econômicas

TOUROS E URSOS

O enigma da Petrobras (PETR4): entre dividendos e “risco Lula”, vale a pena ter ações da estatal?

14 de abril de 2024 - 7:45

Ruído da intervenção do governo impede a Petrobras de negociar no patamar de companhias como Chevron e Exxon, segundo analista

TEMPESTADE PERFEITA

Como a escalada das tensões no Oriente Médio derruba as ações da Azul (AZUL4) e da Gol (GOLL4) na B3

12 de abril de 2024 - 16:10

A crise geopolítica pressiona as cotações do petróleo e do dólar, o que afeta os negócios das companhias aéreas

RISCO GLOBAL

Dólar bate em R$ 5,14  e atinge maior nível em seis meses — e aqui estão três motivos para a disparada da moeda norte-americana hoje 

12 de abril de 2024 - 13:25

O dólar também se valoriza ante as divisas globais; as cotações do petróleo e do ouro renovam máximas históricas

VEJA O QUE DIZ A COMPANHIA

Ações da JHSF (JHSF3) tombam 7% na B3; empresa se pronuncia após embargo do Complexo Boa Vista

12 de abril de 2024 - 12:12

A companhia afirmou, em comunicado enviado à CVM mais cedo, que seus advogados avaliam o “sentido e alcance” da liminar expedida na última quinta-feira

DESTAQUES DA BOLSA

Plano & Plano (PLPL3) despenca mais de 7% e registra maior queda da bolsa após prévia operacional; veja os números que desagradaram o mercado

12 de abril de 2024 - 11:33

O forte recuo é uma reação a números considerados neutros por parte dos analistas das principais casas brasileiras

NOVO FOCO DE INCÊNDIO

O cabo de guerra na Petrobras (PETR4) já tem um vencedor? Justiça suspende presidente do conselho de administração — e a estatal promete recorrer da decisão 

12 de abril de 2024 - 10:11

A suspensão de Pietro Mendes enfraquece o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que é um dos pivôs da crise no comando da petroleira

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa entra no barril de pólvora do Oriente Médio e cai mais de 1%; dólar vira abrigo e fecha a R$ 5,12

12 de abril de 2024 - 6:45

RESUMO DO DIA: Não bastasse a semana agitada por dados de inflação, os mercados acionários entraram em modo de alerta com a escalada das tensões no Oriente Médio — e o Ibovespa não conseguiu ignorar o tom negativo do dia.  O principal índice da bolsa brasileira fechou em queda de 1,14%, aos 125.946 pontos. Na […]

DINHEIRO NOVO

Americanas (AMER3) chama acionistas para aprovar injeção de capital bilionária liderada por Lemann e bancos credores

11 de abril de 2024 - 10:07

Acionistas vão aprovar aumento de capital que pode chegar a R$ 41 bilhões. Lemann e bancos se comprometeram a colocar R$ 24 bilhões na varejista

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies