🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Ana Carolina Neira
Ana Carolina Neira
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero com especialização em Macroeconomia e Finanças (FGV) e pós-graduação em Mercado Financeiro e de Capitais (PUC-Minas). Com passagens pelo portal R7, revista IstoÉ e os jornais DCI, Agora SP (Grupo Folha), Estadão e Valor Econômico, também trabalhou na comunicação estratégica de gestoras do mercado financeiro.
PODE FICAR CALMO

Para JP Morgan, problemas vistos na Americanas (AMER3) não devem se repetir em outras varejistas

Na avaliação do banco, problemas contábeis são específicos da Americanas (AMER3) e não estruturais do setor

Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express (AMER3 LAME3 LAME4), na Avenida Paulista, região central de São Paulo
Fachada de unidade da rede Lojas Americanas Express, na Avenida Paulista, região central de São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Itaci Batista

A revelação das inconsistências contábeis existentes na Americanas (AMER3) acendeu um alerta geral para analistas e gestores. Para muita gente, o principal risco era de que não somente ela estivesse fazendo essa "contabilidade criativa", mas também sua concorrentes como Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3).

Com medo de outras notícias semelhantes, o mercado não pensou duas vezes antes de descontar sua desconfiança nos papéis, arrastando todo o setor para baixo no pregão de ontem. Mas, segundo o JP Morgan, não é momento para pânico.

Em relatório, a equipe do banco afirma que, embora a prática de adiantamento a fornecedores que envolve bancos — e foi responsável pelo escândalo envolvendo a Americanas —, seja comum no varejo, o caso é bem específico.

O documento reforça que não se trata de um problema estrutural do setor, mas sim de uma opção feita pela varejista, usada principalmente para produtos de ticket médio mais alto e bens duráveis.

"Numa perspectiva mais ampla da cadeia de suprimentos, as empresas com fornecedores menores e mais fragmentados tendem a ter o menor saldo dessas operações de financiamento, pois fornecedores menores tendem a recorrer em menor escala às instituições financeiras para antecipar recebíveis", diz o documento.

O JP Morgan analisou as finanças de onze empresas que cobre e acompanha e afirmou que a maioria delas relata operações do gênero da maneira correta. Entre elas, Magazine Luiza e Via.

  • Não perca dinheiro em 2023: o Seu Dinheiro conversou com os principais especialistas do mercado financeiro e reuniu neste material as melhores oportunidades de investimentos em ações, BDRs, fundos imobiliários e muito mais. ACESSE AQUI GRATUITAMENTE

Nesta sexta-feira (13), a Via inclusive detalhou como contabiliza as operações que levaram ao rombo na concorrente. Procurada pela reportagem, a Magalu ainda não se manifestou.

Americanas (AMER3) segue no radar

Tendo em vista que as demais varejistas não inspiram preocupação no momento, o JP Morgan aproveitou para trazer mais algumas análises sobre a situação da Americanas (AMER3).

Entre os pontos indicados no relatório estão a comunicação falha da empresa, que trouxe ao mercado um comunicado confuso e fez um único pronunciamento público até agora — uma teleconferência realizada pelo BTG Pactual, um dos credores da empresa.

O sentimento mais comum no mercado é de insatisfação, já que na ocasião, somente mil pessoas tiveram acesso à reunião virtual, enquanto mais de três mil tentavam acesso simultâneo. Além disso, não foi bem recebido o fato de Sérgio Rial, já ex-CEO da Americanas, conduzir o bate papo, marcado por falhas técnicas, interrupções constantes e alternância de idiomas que só atrapalharam quem acompanhou.

Procurada, a assessoria de imprensa da Americanas disse que o pronunciamento da empresa já havia sido feito na manhã de quinta-feira (12). Sim, um posicionamento restrito a mil pessoas foi considerado um esclarecimento público pela empresa, diante de um rombo de R$ 20 bilhões e milhares de acionistas à deriva.

"A partir de nossas conversas com investidores e levando em consideração a falta de comunicação consistente da empresa após o fato relevante e uma videoconferência organizada por meio de uma corretora, percebemos que o mercado (inclusive nós) ainda não compreendeu totalmente quais são as implicações para AMER", diz o relatório do JP Morgan.

  • Ainda com dúvidas em relação ao caos na Americanas? Confira o vídeo feito pelo Seu Dinheiro para explicar todo o caso:

Por fim, a equipe reforça a necessidade de capitalização iminente e o momento ainda delicado pelo qual o setor de varejo passa no Brasil como demais desafios da empresa.

Nesse cenário, o banco acredita que a principal beneficiada pelas dificuldades da Americanas será a Magalu, especialmente nas lojas físicas.

MGLU3 é a preferida do JP Morgan no setor.

Compartilhe

Mercado acionário

Bank of America corta preço-alvo para ações de bancões brasileiros, mas mantém recomendação

12 de junho de 2024 - 15:10

Combinação de receitas diversificadas, funding, controle de custos e balanços fortes são os fatores positivos apontados pelos analistas

DINHEIRO NO BOLSO

Dividendos milionários: Grupo Mateus (GMAT3) vai pagar mais de R$ 134 milhões para acionistas; confira os prazos e como receber

12 de junho de 2024 - 12:50

O anúncio da distribuição do JCP ocorre em um momento positivo para a companhia, que vem contrariando a crise no varejo

Quem vai ficar com ela

Acionistas da Braskem descartam negociação com a Petrochina

12 de junho de 2024 - 11:42

Companhia informou à CVM que seus controladores, Petrobras e Novonor, negam as negociações

UM NOVO PEDIDO

Vale (VALE3), BHP e Samarco fazem nova proposta bilionária por desastre em Mariana — mas ainda é menos do que o governo exige

12 de junho de 2024 - 10:39

Junto com a BHP Brasil e a Samarco, as mineradoras se propuseram a pagar R$ 140 bilhões pela tragédia na barragem

MAIS UMA FATIA

Do papel ao pano, Suzano (SUZB3) entra no ramo têxtil e compra 15% de fabricante de fibras por cerca de R$ 1,3 bilhão

12 de junho de 2024 - 8:54

Além da aquisição, o acordo com acionistas da B&C inclui o direito da Suzano a duas cadeiras no conselho de administração da Lenzing

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Diversidade de gênero: presidente da ABVCAP anuncia iniciativa para impulsionar mulheres em carreiras de investimentos

11 de junho de 2024 - 19:45

Em entrevista ao Seu Dinheiro, Priscila Rodrigues, presidente da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital contou detalhes do projeto de incentivo a mulheres

CONFIRA OS CENÁRIOS

Rede D’Or (RDOR3) quer recomprar até R$ 1 bilhão em ações e deve usar reserva de lucros para isso; como ficam os acionistas?

11 de junho de 2024 - 18:38

A empresa poderá adquirir até 30 milhões de ações ordinárias, soma que corresponde a 10% do total em circulação no pregão de ontem

APÓS FUSÃO FRUSTRADA

Santander corta o preço-alvo da PetroReconcavo (RECV3), mas mantém recomendação de compra e ações saltam 4% na bolsa

11 de junho de 2024 - 15:25

Para o segundo semestre, a expectativa é de que a PetroReconcavo pise no acelerador, para uma média de 27 mil boed até o fim de 2024 e de 31 mil boed em 2025

Recuperação judicial

Tapando o buraco? Americanas (AMER3) divulga receita e lucro bruto não auditados de 2023 e 1T24; confira os números

11 de junho de 2024 - 13:11

Varejista informou ao mercado que parte dos credores foram quitados ou aderiram ao parcelamento proposto

DE VOLTA AOS TRILHOS?

Lojas Marisa (AMAR3) aprova aumento de capital de até R$ 750 milhões e novas ações terão desconto de quase 20%

11 de junho de 2024 - 9:42

De acordo com a empresa, os acionistas controladores já se comprometeram a investir pelo menos R$ 290 milhões no aumento de capital

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar