🔴 É HOJE! COMO BUSCAR ATÉ R$ 2 MIL DE RENDA EXTRA TODO OS DIAS – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
É hora dos prés?

O fim está próximo? As oportunidades de lucro (e os riscos) do Tesouro Direto com a alta da Selic na reta final

Com o fim do ciclo de alta da Selic e a perspectiva de uma inflação mais controlada, é hora de comprar prefixados para ganhar com sua valorização? Pode até ser, mas lucros não virão sem riscos

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
9 de fevereiro de 2022
5:30 - atualizado às 8:22
Ilustração de homem encontrando tesouro representa oportunidade de investimento
Fim do ciclo de alta nos juros abriu oportunidade no Tesouro Direto?Imagem: POMB/Seu Dinheiro

Em sua última reunião de decisão de juros, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) não só aumentou a taxa básica de 9,25% para 10,75% ao ano, como também sinalizou que o ciclo de alta da Selic está se aproximando do fim.

A instituição acredita que os efeitos da política monetária devem começar a surtir efeito na inflação num horizonte curto de tempo, já sendo necessário começar a “dosar melhor” as novas elevações na Selic. Afinal, aumentar juros sacrifica o crescimento econômico, que neste ano já deve ficar bastante machucado.

Para quem fica de olho em oportunidades de lucro com investimentos mais arrojados no Tesouro Direto, o fim de um ciclo de alta de juros aliado a uma inflação mais controlada é um cenário que, no geral, é benéfico para os títulos prefixados.

Em outras palavras, em situações como essa, é possível que surjam oportunidades de compra desses títulos para quem quer ganhar com a sua valorização. Mas, dado o pano de fundo de aperto monetário global, risco fiscal e eleições presidenciais, será que os prefixados estão mesmo interessantes?

Prefixados e títulos atrelados à inflação têm apanhado

Os títulos prefixados e atrelados à inflação (que têm parte da sua remuneração prefixada) têm uma dinâmica de preços um pouco contraintuitiva para a maioria das pessoas.

Eles se valorizam quando há uma queda nos juros futuros (que precificam as perspectivas do mercado para as taxas de juros) e suas remunerações prometidas caem; da mesma forma, se desvalorizam quando os juros futuros avançam e suas remunerações prometidas sobem.

Nesta matéria, eu explico, com mais detalhes, por que isso ocorre e como esses papéis são precificados.

Devido a essas características, é possível investir nesses títulos de duas maneiras: você pode levá-los até o vencimento e receber a rentabilidade contratada, ou vendê-los antes do fim do prazo para embolsar os lucros de uma eventual valorização. Eu falo mais sobre essas duas estratégias de investimento nesta matéria.

Desde o ano passado, estamos vivendo um cenário de alta nos juros futuros, que precificam o risco fiscal elevado do país e a necessidade de o Banco Central aumentar a Selic para conter a inflação.

Em razão disso, os prefixados e os títulos Tesouro IPCA+ têm apanhado um bocado. Em 2021, eles recuaram entre 0,39% (caso do Tesouro IPCA+ 2026) e 25,47% (Tesouro IPCA+ 2045), ficando entre os piores investimentos do ano, em termos de classes de ativos.

O ciclo de alta dos juros está chegando ao fim

Mas o ciclo de alta da Selic, um dos fatores que vêm pesando sobre os juros futuros e os preços dos títulos, está prestes a chegar ao fim. Tanto no comunicado divulgado após sua última reunião, em 2 de fevereiro, quanto na ata divulgada ontem (08), o Copom indicou a redução no ritmo de ajuste monetário, embora não tenha se comprometido com valores.

Espera-se, portanto, que as próximas altas sejam inferiores ao 1,5 ponto percentual da última reunião. O mercado prevê mais uma ou duas elevações, para 11,75%, 12,00% ou 12,25%. Segundo o Boletim Focus do Banco Central, a mediana das estimativas é de uma Selic em 11,75% no fim de 2022 e uma queda para 8,00% até o final de 2023.

Já para a inflação, a mediana das estimativas aponta para um IPCA de 5,44% em 2022 - ainda acima do teto da meta, que é de 5% -, caindo para 3,50% em 2023, mais próximo da meta, de 3,25%.

Ou seja, apesar de o aperto monetário estar chegando ao fim e a inflação ter perspectiva de ficar mais controlada, ela ainda deve ficar alta por mais algum tempo. Até porque há uma série de fatores externos pressionando os preços, como a alta das commodities e a inflação nos países desenvolvidos.

É hora da redenção dos prefixados?

Com isso em mente, é ou não uma boa hora para comprar títulos prefixados no Tesouro Direto com vistas a ganhar com a sua possível valorização? Aliás, essa pausa na alta dos juros, junto com uma inflação mais controlada, embora alta, pode levar a uma queda nas taxas futuras e consequente valorização desses títulos?

Para Marc Forster, head da Western Asset, até existe oportunidade de valorização, tanto nos prés quanto nas NTN-Bs, porque de fato os juros estão em um patamar elevado, e as remunerações prometidas por esses títulos estão historicamente altas. Mas os riscos também são grandes, então não é uma barbada.

“Ganho de capital evidente não tem em nenhum vencimento, na verdade, dados os riscos atuais”, me disse Forster, em entrevista por telefone.

Ele destaca o risco fiscal - pressionado agora pelo projeto do Congresso para baixar o preço dos combustíveis via corte de impostos - e as eleições presidenciais, que costumam ser um grande fator de volatilidade nos mercados. Por sinal, desta vez sequer temos clareza - ao menos por enquanto - sobre o grau de responsabilidade fiscal dos candidatos mais competitivos.

Em adição a isso, o aperto monetário promovido pelo Federal Reserve, o banco central americano, não facilita as coisas por aqui, mantendo os juros pressionados.

Riscos são elevados, mas prefixados curtos ainda têm o melhor risco-retorno

Na nossa reportagem especial sobre renda fixa da série Onde Investir em 2022, publicada no início de janeiro, Forster foi um dos especialistas que destacou a atratividade dos títulos prefixados de prazos mais curtos naquele momento (seu preferido, na época, era o de vencimento em 2023, mas no Tesouro Direto o mais curto à venda é o 2024).

Do dia da publicação da matéria até ontem (cerca de um mês), o Tesouro Prefixado 2023 valorizou 0,76%, e o 2024 subiu 0,25% (considerando o preço de compra no início do período e o preço de venda no final do período).

Para Forster, esses títulos de vencimento próximo ainda são os prefixados mais atrativos no momento. “A relação risco-retorno dos prés mais curtos para ganho de capital é melhor”, diz.

Preferência pelos títulos privados

Laís Costa, analista de renda fixa da Empiricus, também gosta dos prefixados de prazos mais curtos, mas não tanto dos títulos públicos com esse perfil. Ela prefere os títulos privados. “Títulos que estejam pagando acima de 12% ao ano (bruto), emitidos por instituições financeiras sólidas, com prazo de um ou dois anos”, diz.

Lembrando que títulos emitidos por bancos, como CDBs, LCIs e LCAs, contam com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) para investimentos de até R$ 250 mil por CPF, por instituição financeira - a mesma garantia da poupança.

Os prefixados de prazos mais curtos, públicos ou privados, são mais influenciados pela política monetária, e evidentemente há uma previsibilidade maior até seus respectivos vencimentos.

Já os mais longos, que Laís também considera mais arriscados no momento, sofrem mais influência do cenário fiscal e do resultado eleitoral. A analista lembra, inclusive, que o próprio Banco Central manifestou, na ata da última reunião do Copom, preocupação em relação ao fiscal e a como esse risco pode continuar pressionando a inflação, apesar da alta da Selic.

O BC não cita diretamente, por exemplo, a iniciativa de tentar baixar os preços dos combustíveis por meio do sacrifício na arrecadação, mas diz na ata que “mesmo políticas fiscais que tenham efeitos baixistas sobre a inflação no curto prazo podem causar deterioração nos prêmios de risco, aumento das expectativas de inflação e, consequentemente, um efeito altista na inflação prospectiva.”

Inflação pode permanecer pressionada por mais tempo que o esperado

Já Jorge Dib, sócio e gestor macro da Frontier Capital, acredita que o mercado de títulos já está “muito bem precificado”, dados todos esses riscos. Para ele, inclusive, uma aposta em um Tesouro IPCA+ de vencimento em 2035 em diante está com uma relação risco-retorno melhor do que a compra de um prefixado no Tesouro Direto.

Isso porque, segundo ele, as NTN-Bs estão precificando uma inflação mais elevada que os prefixados. Ele lembra que, na média, a inflação brasileira dos últimos 20 anos foi de 6,30%, isso num cenário desinflacionário no mundo, que não é o que está ocorrendo agora.

Assim, supor uma inflação relativamente alta por um tempo prolongado no Brasil daqui em diante não seria algo tão fora da caixa. Ainda mais se considerarmos as incertezas em relação às próximas eleições. “Como será o próximo governo? É improvável que ele seja muito austero fiscalmente. Então a inflação brasileira ainda deve ficar alta por algum tempo”, diz Dib.

Ele lembra ainda que não há como manter os juros altíssimos por tempo prolongado, porque assim se sacrifica demais o crescimento. Nesse caso, o BC pode acabar se vendo obrigado a cortar juros, futuramente, mesmo com a inflação num patamar mais alto, o que beneficiaria mais as NTN-B.

Mas então, o que fazer?

Segundo os especialistas com quem eu conversei, a compra de títulos prefixados ou atrelados à inflação para tentar lucrar com sua valorização é uma aposta arriscada, neste momento, mesmo com a chegada ao fim do ciclo de aperto monetário. Pode acontecer, mas não sem uma boa dose de volatilidade no meio do caminho.

A própria diversidade de opiniões já evidencia o quanto o cenário está nebuloso adiante. O lado bom disso tudo é que, ao comprar um título de renda fixa, inclusive um título público, o investidor não tem perdas nominais caso fique com ele até o vencimento.

E, embora a Selic possa acabar surpreendendo para cima até a data de vencimento dos títulos públicos à venda atualmente no Tesouro Direto, é fato que as taxas que estão sendo oferecidas hoje, tanto nos prés quanto nas NTN-B, são historicamente elevadas. Todos os prefixados estão pagando mais de 11% ao ano, enquanto a maioria dos Tesouro IPCA+ estão remunerando em torno de 5,5% ao ano mais IPCA.

Assim, se a aposta de valorização num prazo mais curto não se concretizar, ao menos o investidor sabe que irá receber um bom retorno se carregar o título até o fim do prazo. Ele não precisa realizar uma eventual perda na marcação a mercado. “É pra ter esses papéis na carteira sim”, diz Marc Forster, da Western Asset.

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

26 de maio de 2024 - 8:00

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

DE OLHO NAS REDES

Este episódio de Black Mirror não está na Netflix, mas vai alugar um triplex na sua cabeça: descubra como o ChatGPT pode até mesmo ‘roubar’ o lugar da sua namorada

25 de junho de 2023 - 8:00

Um homem chega em casa exausto depois de uma semana intensa de trabalho. É sexta -feira e tudo está em silêncio, o lugar está escuro. Ele mora sozinho. O vazio do ambiente começa a contaminá-lo a ponto de despertar uma certa tristeza pela solidão que enfrentaria nas próximas horas.  Ele se senta no sofá e, […]

DE OLHO NAS REDES

TikTok está fazendo jovens gastarem o dinheiro do aluguel em roupas de marca: entenda como a rede social está criando um boom no varejo de luxo

28 de maio de 2023 - 7:30

Um novo fenômeno no TikTok está causando um boom para marcas de luxo, como Prada, Chanel e outras

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar