🔴 PRIO3 E +9 AÇÕES PARA COMPRAR AGORA – ASSISTA AQUI

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Como eles investem?

Quem investe melhor, Lula ou Bolsonaro? Confira o patrimônio e as aplicações dos candidatos à Presidência

Candidatos às eleições de 2022 divulgaram seus bens à Justiça Eleitoral, e o Seu Dinheiro analisou as “carteiras” de cada um deles; quem é o melhor investidor?

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
11 de agosto de 2022
9:00 - atualizado às 20:58
Bolsonaro e Lula
O ex-presidente Lula tem 75% do patrimônio em VGBL, enquanto o atual presidente, Jair Bolsonaro, deixa quase 40% do patrimônio em poupança e conta-corrente. Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

A Justiça Eleitoral começou a divulgar, nesta semana, as listas dos bens declarados pelos candidatos à Presidência da República nas Eleições de 2022.

Mas para além dos debates sobre qual deles é o mais rico, da desconfiança em relação aos valores e das especulações acerca de onde veio o dinheiro para a construção daqueles patrimônios, há pelo menos mais um exercício interessante que nós aqui do Seu Dinheiro podemos fazer: será que algum dos candidatos ao principal cargo executivo do país é um investidor minimamente razoável? E se a resposta for positiva, qual deles investe melhor?

Bem, antes de mais nada é importante saber que as informações prestadas à Justiça Eleitoral são aquelas que constam na declaração de imposto de renda dos candidatos, ou seja, todos os bens são declarados pelo seu custo de aquisição, sem atualizações pelo valor de mercado.

Mesmo assim, dá para avaliar se a distribuição entre os diferentes tipos de ativos é interessante e diversificada.

Além dos principais postulantes ao cargo - o atual presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula - há mais sete candidaturas registradas na Justiça Eleitoral, sendo que uma delas, a de Pablo Marçal (PROS), será retirada pelo seu partido.

Assim, para esta matéria, considerei os bens declarados apenas pelos oito candidatos que devem permanecer na disputa, conforme as informações públicas divulgadas pelo site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A conclusão da análise (se é que é possível tirar alguma) é que os candidatos do Novo, Felipe D’Avila, e do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, têm não apenas os maiores patrimônios declarados, como também as carteiras aparentemente mais diversificadas e voltadas a buscar algum equilíbrio entre rentabilidade e liquidez.

Já na comparação entre os dois líderes nas pesquisas de intenção de voto, Lula se sai melhor investidor que Bolsonaro, que tem uma enorme fatia do seu patrimônio em caderneta de poupança e conta-corrente.

Mas vamos por partes.

Felipe D’Avila, do Novo, é o mais rico, seguido de Lula

Vamos começar dando uma geral na lista de candidatos e no total declarado por cada um. O maior patrimônio foi informado pelo empresário e cientista político Felipe D’Avila, candidato pelo Novo, cujos bens totalizam cerca de R$ 24,6 milhões.

Em seguida, vem o ex-presidente Lula (PT), com patrimônio de R$ 7,4 milhões. O terceiro mais rico é Ciro Gomes (PDT), com um patrimônio de pouco mais de R$ 3 milhões.

Simone Tebet (MDB) e Bolsonaro (PL), por sua vez, declararam patrimônios de valores parecidos, ambos em torno de R$ 2,3 milhões.

Confira o ranking completo:

  • Felipe D’Avila (Novo): R$ 24.619.627,66
  • Luiz Inácio Lula da Silva (PT): R$ 7.423.725,78
  • Ciro Gomes (PDT): R$ 3.039.761,97
  • Simone Tebet (MDB): R$ 2.323.735,38
  • Jair Bolsonaro (PL): R$ 2.317.554,73
  • Sofia Manzano (PCB): R$ 498.000
  • Vera Lúcia (PSTU): R$ 8.805
  • Leo Péricles (Unidade Popular): R$ 197,31

Você pode conferir o patrimônio de todos os candidatos das próximas eleições no site do TSE.

Como cada candidato investe

Analisando por alto as “carteiras” dos candidatos, já dá para perceber que a maioria deles tem um jeito “bem brasileiro” de investir, com preferência por imóveis e um bocado de dinheiro em caixa, seja em conta-corrente, caderneta de poupança ou em espécie.

Quando aparece alguma aplicação financeira, é quase sempre um título de renda fixa ou previdência privada. Investimentos em ações de companhias abertas não foram relatados, mas é comum que os candidatos tenham algum tipo de participação societária.

A seguir, vamos analisar os principais ativos de cada candidato e as principais características do seu jeito de investir. Só vou deixar de fora Vera Lúcia Salgado (PSTU) e Léo Péricles (Unidade Popular), cujos patrimônios declarados estão integralmente em caderneta de poupança.

Felipe D’Avila (Novo)

O patrimônio de R$ 24,6 milhões de Felipe D’Avila tem um perfil mais empresarial. Cerca de R$ 21 milhões, ou 85% do total, estão alocados em “quotas ou quinhões de capital”, o que em geral se refere a participações em empresas de capital fechado.

Esse valor está distribuído em cinco sociedades de R$ 1,2 milhão, R$ 7,1 milhões, R$ 151 mil, R$ 2,25 milhões e R$ 10,3 milhões, aproximadamente.

O candidato declarou ainda duas casas, uma de cerca de R$ 983,5 mil e outra de cerca de R$ 2,4 milhões, totalizando aproximadamente R$ 3,35 milhões, ou 14% do patrimônio.

Finalmente, D’Avila informou ter R$ 238,6 mil aplicados em títulos de renda fixa (pouco menos de 1% do seu patrimônio) e mais uma quantia de R$ 1.320 em “outras aplicações e investimentos”.

AtivoValorPercentual do patrimônio
Participações societáriasR$ 21.031.213,6285,42%
ImóveisR$ 3.348.515,2013,60%
Renda fixaR$ 238.578,790,97%
Outras aplicações e investimentosR$ 1.320,050,01%
TotalR$ 24.619.627,66100,00%
Fonte: TSE

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

Com bens declarados no valor de R$ 7,4 milhões, Lula prioriza um plano de previdência privada tipo Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), que concentra 75% do seu patrimônio (cerca de R$ 5,6 milhões).

Sobre o VGBL

Esse tipo de produto permite fazer um planejamento tributário eficiente para quem entrega a declaração simplificada de imposto de renda, pois possibilita o investimento dos recursos em aplicações financeiras sem come-cotas e com tributação apenas no resgate sobre a rentabilidade, além de uma alíquota de IR mínima de 10% após dez anos de aplicação.

Outra razão que pode levar alguém a optar por um VGBL é a necessidade de fazer planejamento sucessório: este produto não entra em inventário em caso de morte do titular, sendo transferido diretamente aos beneficiários designados e geralmente sem necessidade de pagar ITCMD, o imposto estadual sobre doações e heranças.

Embora ofereçam uma certa proteção ao patrimônio, no entanto, é importante lembrar que VGBLs não são impenhoráveis (apenas se o juiz entender que têm natureza de subsistência) e normalmente devem ser partilhados pelos casais em caso de divórcio.

O segundo principal ativo de Lula são os imóveis. O petista declarou sete propriedades, que totalizam R$ 777,6 mil, ou cerca de 10% do seu patrimônio, distribuídos da seguinte maneira:

  • 3 apartamentos, sendo dois de R$ 19.167,34 e um de R$ 94.571,25;
  • 3 terrenos, sendo um de R$ 2.733,45, um de R$ 130 mil e um de R$ 265 mil;
  • 1 imóvel em construção, no valor de R$ 247 mil.

Entre as aplicações financeiras, o candidato declarou ainda R$ 185,7 mil em títulos de renda fixa e R$ 1.213,17 em fundos de curto prazo (provavelmente também renda fixa), totalizando R$ 187 mil, ou 2,5% do patrimônio; R$ 4,7 mil na poupança (0,06% do patrimônio); e R$ 20,8 mil em conta-corrente.

Há ainda R$ 430 mil (5,8% do patrimônio) em “outros bens e direitos” não especificados, R$ 250 mil (3,4% do patrimônio) em créditos decorrentes de empréstimos e R$ 49 mil (0,7% do patrimônio) em participações societárias.

Finalmente, Lula declara dois veículos automotores, um de R$ 48,5 mil e outro de R$ 85 mil, totalizando R$ 133,5 mil.

AtivoValorPercentual do patrimônio
VGBLR$ 5.570.798,9975,04%
ImóveisR$ 777.558,2010,47%
Outros bens e direitosR$ 430.020,995,79%
Crédito decorrente de empréstimoR$ 250.000,003,37%
Renda fixaR$ 186.957,982,52%
VeículosR$ 133.475,001,80%
Participações em empresasR$ 49.000,000,66%
Conta-correnteR$ 20.862,230,28%
PoupançaR$ 4.719,220,06%
Outras aplicações e investimentosR$ 333,170,00%
TotalR$ 7.423.725,78100,00%
Fonte: TSE

Ciro Gomes (PDT)

Ciro Gomes informa um patrimônio de cerca de R$ 3 milhões, dos quais metade (R$ 1,5 milhão) está imobilizada, distribuída entre quatro imóveis:

  • 2 apartamentos, sendo um de cerca de R$ 687 mil e outro por volta de R$ 381 mil;
  • 2 casas, sendo uma de R$ 300 mil e outra de R$ 160 mil.

A segunda maior participação no patrimônio de Ciro é um crédito decorrente de alienação (que pode ter sido, por exemplo, a venda de um imóvel) no valor aproximado de R$ 1 milhão, cerca de 33% do seu patrimônio.

O pedetista informou ainda a posse de dois veículos, sendo um no valor de R$ 85 mil e outro no valor de R$ 105 mil, totalizando R$ 190 mil, pouco mais de 6% do patrimônio total.

Há duas participações societárias nos valores de R$ 12 mil e R$ 50 mil, totalizando R$ 62 mil, ou cerca de 2% do patrimônio.

Os investimentos financeiros não são o forte do patrimônio de Ciro. O candidato mantém por volta de R$ 34,4 mil em caixa, sendo cerca de R$ 32 mil em espécie e o restante em conta-corrente; há ainda cerca de R$ 28,5 mil em um VGBL, o que corresponde a pouco menos de 1% do seu patrimônio.

Finalmente, há outros itens mais genéricos, como um valor de cerca de R$ 156 mil (cerca de 5% do patrimônio) em “outros créditos e poupança vinculados”, divididos em três itens de R$ 51.990,69 cada; e R$ 36 mil de um crédito decorrente de empréstimo.

AtivoValorPercentual do patrimônio
ImóveisR$ 1.528.293,9250,28%
Crédito decorrente de alienaçãoR$ 1.004.590,7033,05%
VeículosR$ 190.000,006,25%
Outros créditos e poupança vinculadosR$ 155.972,065,13%
Participações societáriasR$ 62.000,002,04%
Crédito decorrente de empréstimoR$ 36.000,001,18%
Conta-correnteR$ 34.387,971,13%
VGBLR$ 28.517,320,94%
TotalR$ 3.039.761,97100,00%
Fonte: TSE

Simone Tebet (MDB)

O patrimônio de cerca de R$ 2,323 milhões de Simone Tebet chama a atenção por estar quase totalmente imobilizado. A candidata do MDB não tem praticamente liquidez nenhuma declarada.

Ela informou 13 imóveis que totalizam R$ 2,265 milhões, 97% do seu patrimônio declarado, distribuídos da seguinte maneira:

  • 7 apartamentos, sendo um de R$ 310 mil, um de cerca de R$ 82 mil e cinco de R$ 200 mil cada;
  • 2 casas, sendo uma de R$ 52 mil e uma de cerca de R$ 69 mil;
  • 4 terrenos, sendo um de cerca de R$ 457 mil, um de R$ 94 mil e dois de R$ 100 mil cada.

O restante (cerca de R$ 60 mil) está em conta-corrente.

AtivoValorPercentual do patrimônio
ImóveisR$ 2.264.510,3097,45%
Conta-correnteR$ 59.225,082,55%
TotalR$ 2.323.735,38100,00%
Fonte: TSE

Jair Bolsonaro (PL)

O presidente tem um padrão de investimento “tipicamente brasileiro”. Dos seus R$ 2,317 milhões declarados, quase 60% (R$ 1,38 milhão) estão distribuídos em cinco imóveis, sendo:

  • 4 casas, sendo uma de R$ 400 mil, uma de cerca de R$ 604 mil, uma de R$ 40 mil e uma de R$ 98,5 mil;
  • 1 apartamento de cerca de R$ 241 mil.

A segunda maior participação são aplicações no valor de cerca de R$ 591 mil na caderneta de poupança, aproximadamente 25% do seu patrimônio.

Por fim, o presidente deixou cerca de R$ 316,5 mil (14% do patrimônio) em conta-corrente.

Bolsonaro informou um único veículo, no valor de R$ 26,5 mil.

AtivoValorPercentual do patrimônio
ImóveisR$ 1.383.233,5459,7%
PoupançaR$ 591.047,5825,5%
Conta-correnteR$ 316.524,6113,7%
VeículoR$ 26.500,001,1%
Participação em empresaR$ 249,000,0%
TotalR$ 2.317.554,73100,00%
Fonte: TSE

Sofia Manzano (PCB)

A professora Sofia Manzano declarou um patrimônio de R$ 498 mil, também distribuídos conforme um padrão bem brasileiro: cerca de R$ 300 mil referentes a uma casa, aproximadamente R$ 200 mil em um apartamento e cerca de R$ 4 mil na poupança.

Lula ou Bolsonaro: quem investe melhor?

É claro que o que estamos fazendo aqui é um exercício teórico, já que não é possível saber quais são especificamente os ativos que compõem o patrimônio de cada candidato e avaliar a qualidade desses bens.

Dito isso, é possível tecer algumas observações sobre como investem os presidenciáveis:

  • Felipe D’Avila tem quase todo o seu patrimônio alocado em participações em suas empresas (parcela de risco da carteira e que pode render dividendos), além de uma reserva em renda fixa (parcela mais conservadora, colchão de liquidez) e dois imóveis, que podem ser investimentos ou duas residências.
  • Lula deixa a maior parte do seu patrimônio num plano de previdência privada tipo VGBL. Embora não seja possível analisar a qualidade da carteira de investimentos do plano, este fato ao menos mostra alguma atenção à diversificação e ao planejamento tributário e sucessório.
  • Bolsonaro gosta de imóveis e é o candidato com maior percentual do patrimônio em conta-corrente e poupança, um perfil típico do brasileiro conservador. Os quase 40% do patrimônio em caixa, porém, poderiam ser melhor alocados em aplicações de renda fixa conservadora e de alta liquidez, para render mais.
  • Ciro Gomes também gosta de imóveis, é o candidato com maior percentual do patrimônio em veículos e tem uma quantia razoavelmente grande de dinheiro em espécie (o que é desaconselhado por qualquer planejador financeiro, dados os riscos de perda, roubo e, é claro, de corrosão pela inflação);
  • Simone Tebet tem praticamente todo o seu patrimônio alocado em imóveis, com quase nenhuma liquidez, o que também é fortemente desaconselhado por planejadores financeiros, por mais alta que seja a qualidade das propriedades.

Como dito no início da matéria, Felipe D’Avila e Lula parecem ser os candidatos com as carteiras mais diversificadas e maior preocupação em equilibrar rentabilidade e liquidez, pelo que se pode analisar. E entre Lula e Bolsonaro, líderes nas pesquisas de intenção de voto, pelo menos na disputa de quem investe melhor, quem sai ganhando é o petista.

Veja também: LULA OU BOLSONARO: quem a Faria Lima apoia nas ELEIÇÕES DE 2022?

Compartilhe

VOTO ÚTIL OU INÚTIL?

Apoiadores de Lula voltaram a se animar com chance de vitória em primeiro turno. Mas isso é realmente possível?

14 de setembro de 2022 - 14:26

O petista está a menos de 3 pontos porcentuais de vencer em primeiro turno — e o número de eleitores de Ciro e Simone dispostos a mudar o voto é maior que isso

ELEIÇÕES 2022

14 empresários fizeram doações individuais de mais de R$ 1 milhão a partidos; veja quem mais doou (e também quem recebeu)

14 de setembro de 2022 - 9:28

Puxadas por pesos-pesados do PIB, as doações de pessoas físicas a partidos e campanhas neste ano superam R$ 246 milhões

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Vitória de Lula em 1º turno é possível? Descubra aqui

14 de setembro de 2022 - 6:00

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

ELEIÇÕES 2022

O que Bolsonaro, Lula e Ciro querem para o Brasil? Confira o programa de governo dos presidenciáveis

13 de setembro de 2022 - 19:21

Os três já apresentaram seus planos para o país: um prioriza transformar o Brasil em uma potência econômica, o outro foca na restauração das condições de vida da população e o terceiro destaca aspectos econômicos e educacionais

ELEIÇÕES 2022

Vão fatiar: Lula e Bolsonaro querem desmembrar Economia e ressuscitar ministérios de outras áreas — veja a configuração

13 de setembro de 2022 - 14:11

Caso o petista vença, a ideia é que o número de ministérios passe dos atuais 23 para 32. Já Bolsonaro, que na campanha de 2018 prometeu ter apenas 15 ministérios e fazia uma forte crítica ao loteamento de cargos, hoje tem 23 e também deu pastas ao Centrão

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Bolsonaro diz que vai ‘passar a faixa’ e se aposentar caso não consiga se reeleger

13 de setembro de 2022 - 5:47

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

ELEIÇÕES 2022

Abre o olho, presidente! Lula e Marina Silva se unem para atrair voto de Bolsonaro, Ciro e Tebet — saiba mais sobre essa aproximação

12 de setembro de 2022 - 16:46

Marina Silva deixou o PT em 2009, mas disse que, de alguma maneira, sempre esteve próxima de Lula. Agora juntos, eles querem conquistar os votos de quem acredita que Bolsonaro pode ser uma alternativa para o Brasil

ELEIÇÕES 2022

Avanço de Ciro e Simone na pesquisa BTG/FSB ajuda Bolsonaro a forçar segundo turno contra Lula

12 de setembro de 2022 - 10:35

Em segundo turno, porém, enquanto Lula venceria em todos os cenários, Bolsonaro sairia derrotado em todas as simulações da pesquisa BTG/FSB

CENTRAL DAS ELEIÇÕES

Eleições 2022: Lula segue 13 pontos à frente de Bolsonaro no 2º turno na pesquisa BTG/FSB

12 de setembro de 2022 - 7:14

Acompanhe a cobertura ao vivo das eleições 2022 com as principais notícias sobre os principais candidatos à Presidência e nos Estados

ELEIÇÕES 2022

Propaganda barrada: ministro do TSE atende pedido de Lula e proíbe Bolsonaro de usar imagens do 7 de setembro em campanha; veja qual foi o argumento

11 de setembro de 2022 - 16:43

O ministro viu favorecimento eleitoral do candidato e atendeu a um pedido da coligação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para barrar as imagens

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies