2022-04-15T15:41:32-03:00
ELEIÇÕES 2022

Fake news vão dominar as eleições de 2022? WhatsApp tem novas regras, mas Bolsonaro é contra; entenda

Bolsonaro afirmou que acordo entre TSE e WhatsApp, que tentar barrar disseminação de fake news nas eleições deste ano, não será cumprido

15 de abril de 2022
15:40 - atualizado às 15:41
Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta sexta-feira (15), que o acordo entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o WhatsApp para combate à desinformação durante as eleições não "será cumprido". 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

O acordo firmado no dia 15 de fevereiro estabelece uma parceria entre a rede social e o Tribunal, para conter a disseminação de notícias falsas na plataforma em período eleitoral. 

O WhatsApp se comprometeu a estabelecer uma série de medidas nesse sentido, tais como: difusão de informações confiáveis sobre o processo eleitoral, criação de um canal de comunicação extrajudicial para denúncias de conteúdo falsos sobre as eleições. 

O acordo também prevê que a nova funcionalidade que permite a criação de grupos com milhares de integrantes só fique disponível no Brasil após o segundo turno das eleições.

“Isso que o WhatsApp está fazendo no mundo todo, sem problema. Mas abrir uma excepcionalidade no Brasil é inadmissível e inaceitável. Não vai ser cumprido esse acordo”, disse Bolsonaro durante motociata em São Paulo, em vídeo exibido pela Jovem Pan. A fala foi transmitida ao vivo pelo Facebook do presidente. 

TSE vs. Bolsonaro 

A tensão entre Jair Bolsonaro e o Tribunal Superior Eleitoral é antiga. Isso porque o presidente não acredita na segurança das urnas eletrônicas, mesmo que não haja nenhuma evidência que motive as desconfianças. 

Ao longo de 2021, Bolsonaro atacou o Tribunal diversas vezes e entrou em rota de colisão com o então presidente da casa, Luís Roberto Barroso. O mandatário já insinuou que o ministro não quer eleições limpas e o chamou de “mentiroso” e “tapado”. 

Cabe lembrar que o presidente é alvo de investigação do TSE que quer apurar a divulgação de fake news por parte do político. 

Investigação levará em conta os ataques feitos às urnas eletrônicas sem apresentação de fatos que corroborem com as afirmações. O chefe do governo questionou a legalidade desses procedimentos e disse que, em resposta, poderá atuar fora “das quatro linhas da Constituição”.

“Com todo o respeito, um presidente da República pode ser investigado? Pode, num inquérito que comece lá no Ministério Público, e não diretamente de alguém interessado, e esse alguém vai abrir o inquérito, como abriu, vai começar a catar provas e essa mesma pessoa vai julgar”, disse Bolsonaro, durante entrevista à rádio Jovem Pan. 

Veja também - A morte da Terceira foi decretada?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

FECHAMENTO DO DIA

Temor de recessão segue forte e Ibovespa volta a perder os 100 mil pontos; dólar cai com PEC melhor que o esperado

O Ibovespa chegou a amanhecer no azul, mas os temores que rondam o mercado falaram mais alto

CONTROLE DE DANOS

Pedro Guimarães entrega carta de demissão a Jair Bolsonaro e rebate acusações de assédio; veja quem o sucederá na presidência da Caixa

Guimarães deixa o cargo em meio a uma investigação do Ministério Público Federal por múltiplas denúncias de assédio sexual

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro foi bloqueado? Entenda porque o governo criou perfis temporários nas redes sociais

Mudança passa a valer a partir do próximo dia de 2 julho e deve durar até o final das eleições marcadas para o mês de outubro

CARREIRA C-LEVEL

Desigualdade no mercado: Mulheres ainda são minoria em cargos de alta liderança

Painel do Young Women Summit, organizado pela Fin4She, discute a importância das mulheres em posições de liderança em grandes empresas

SINAL VERDE

Superintendência do Cade aprova venda de ativos da Unidas (LCAM3) para Grupo Brookfield, e fusão com Localiza (RENT3) fica mais próxima

A Brookfield é dona da Ouro Verde; a venda de veículos fazia parte do acordo firmado entre Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) com o Cade