O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-15T15:41:32-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
ELEIÇÕES 2022

Fake news vão dominar as eleições de 2022? WhatsApp tem novas regras, mas Bolsonaro é contra; entenda

Bolsonaro afirmou que acordo entre TSE e WhatsApp, que tentar barrar disseminação de fake news nas eleições deste ano, não será cumprido

15 de abril de 2022
15:40 - atualizado às 15:41
Jair Bolsonaro, presidente da República
Imagem: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta sexta-feira (15), que o acordo entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o WhatsApp para combate à desinformação durante as eleições não "será cumprido". 

O acordo firmado no dia 15 de fevereiro estabelece uma parceria entre a rede social e o Tribunal, para conter a disseminação de notícias falsas na plataforma em período eleitoral. 

O WhatsApp se comprometeu a estabelecer uma série de medidas nesse sentido, tais como: difusão de informações confiáveis sobre o processo eleitoral, criação de um canal de comunicação extrajudicial para denúncias de conteúdo falsos sobre as eleições. 

O acordo também prevê que a nova funcionalidade que permite a criação de grupos com milhares de integrantes só fique disponível no Brasil após o segundo turno das eleições.

“Isso que o WhatsApp está fazendo no mundo todo, sem problema. Mas abrir uma excepcionalidade no Brasil é inadmissível e inaceitável. Não vai ser cumprido esse acordo”, disse Bolsonaro durante motociata em São Paulo, em vídeo exibido pela Jovem Pan. A fala foi transmitida ao vivo pelo Facebook do presidente. 

TSE vs. Bolsonaro 

A tensão entre Jair Bolsonaro e o Tribunal Superior Eleitoral é antiga. Isso porque o presidente não acredita na segurança das urnas eletrônicas, mesmo que não haja nenhuma evidência que motive as desconfianças. 

Ao longo de 2021, Bolsonaro atacou o Tribunal diversas vezes e entrou em rota de colisão com o então presidente da casa, Luís Roberto Barroso. O mandatário já insinuou que o ministro não quer eleições limpas e o chamou de “mentiroso” e “tapado”. 

Cabe lembrar que o presidente é alvo de investigação do TSE que quer apurar a divulgação de fake news por parte do político. 

Investigação levará em conta os ataques feitos às urnas eletrônicas sem apresentação de fatos que corroborem com as afirmações. O chefe do governo questionou a legalidade desses procedimentos e disse que, em resposta, poderá atuar fora “das quatro linhas da Constituição”.

“Com todo o respeito, um presidente da República pode ser investigado? Pode, num inquérito que comece lá no Ministério Público, e não diretamente de alguém interessado, e esse alguém vai abrir o inquérito, como abriu, vai começar a catar provas e essa mesma pessoa vai julgar”, disse Bolsonaro, durante entrevista à rádio Jovem Pan. 

Veja também - A morte da Terceira foi decretada?

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

PORTFÓLIO DE BILHÕES

Aposta contra a Apple (AAPL34)? Veja as mudanças que Warren Buffett, Michael Burry e investidores de elite fizeram nas carteiras

Esses pesos-pesados do mercado financeiros tomaram decisões surpreendentes no primeiro trimestre; confira as mudanças mais significativas que eles fizeram no período

DO BRASIL PRO MUNDO

Guedes tem encontro com Escobari, da General Atlantic, e vai a jantar do BTG; confira a agenda do ministro em Davos

O banqueiro André Esteves, que em abril voltou ao comando do conselho do BTG Pactual, está participando do evento na Suíça

UMA TECH ATRAENTE

É hora da Locaweb? Saiba por que o Deutsche Bank vê ponto de entrada para as ações LWSA3

Banco alemão atualizou a recomendação para a empresa de neutra para compra e vê potencial de valorização de mais de 50% para os papéis

O QUE VEM POR AÍ

Ata do Fed e IPCA-15: confira a agenda de indicadores da semana aqui e lá fora

Nos Estados Unidos, a segunda prévia do PIB no primeiro trimestre também é destaque; na Europa, o PIB da Alemanha é o principal dado

CAMINHO DO MEIO

Menor rejeição e apoio interno no MDB dão vantagem a Simone Tebet; veja os rumos da senadora da terceira via

Maior desafio, segundo marqueteiros, é torná-la popular: 46% do eleitorado desconhece Simone Tebet, segundo pesquisas recentes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies