🔴 DÓLAR A 5,38 E PODE SUBIR MAIS – VEJA COMO PROTEGER O SEU PATRIMÔNIO

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
ENTREVISTA EXCLUSIVA

MRV (MRVE3) acelera lançamentos adiados pela crise e traça planos para a incorporadora nos EUA que brilhou nos últimos balanços

A maior companhia do programa Casa Verde e Amarela viu suas margens serem comprimidas nos últimos balanços, mas o CEO Rafael Menin diz que uma nova fase está por vir

Larissa Vitória
Larissa Vitória
26 de setembro de 2022
7:01 - atualizado às 15:27
Foto da sede da MRV (MRVE3) em Minas Gerais
Imagem: Rodrigo Gomes/Divulgação

Da última vez em que Rafael Menin conversou com o Seu Dinheiro, em junho de 2020, o copresidente da MRV (MRVE3) celebrou o fato de que a empresa havia sido menos afetada pela crise do coronavírus do que incorporadoras voltadas para os segmentos de renda mais altos.

Mas a companhia acabou não escapando dos efeitos colaterais da pandemia na atividade econômica. Isso porque a alta da taxa básica de juros e a disparada da inflação dos insumos da construção atingiram em cheio o setor.

Como consequência, a maior companhia do programa Casa Verde e Amarela viu suas margens serem comprimidas nos últimos balanços.

Considerando o novo quadro, convidamos Rafael Menin para atualizar aquela conversa. Mas o executivo está confiante de que, com as mudanças nas regras do programa habitacional, o arrefecimento da inflação e o fim do ciclo de alta da Selic, uma nova fase está por vir.

“O segmento econômico está muito mais equilibrado do que estava no começo do ano. A combinação de um preço de venda mais elevado e da manutenção da capacidade de compra do cliente fará com que a empresa consiga repassar parte dos custos mantendo o bom volume de vendas”, afirmou o CEO ao Seu Dinheiro.

O cenário traçado pelo executivo casa com as expectativas dos investidores para a companhia. Ao menos é o que indicam as ações MRVE3, que, junto com outros nomes da construção civil, registram forte alta desde o início de agosto.

Com o rali recente, os papéis da incorporadora acumulam alta da ordem de 75% em relação às mínimas do fim de junho. Veja abaixo a trajetória ao longo deste ano da companhia na B3:

Fonte: Tradingview

Afinando o compasso

Um dos principais fatores por trás do otimismo de Menin com a recuperação da operação principal da empresa, que foca em empreendimentos para famílias de baixa renda, é o pacote de alterações no Casa Verde e Amarela anunciado pelo governo ao longo dos últimos três meses.

“O programa ficou muito tempo sem ter nenhum ajuste a despeito de a gente conviver com uma inflação alta. E não conseguimos repassar os preços na mesma velocidade em que o custo subiu porque o nosso cliente tem uma baixa capacidade de absorver aumento.”

De acordo com o CEO, o descompasso entre as regras e o ambiente macroeconômico foi solucionado após debates de “nível de maturidade muito elevado” entre o governo e representantes do setor.

As conversas resultaram em uma expansão no limite de renda de duas faixas do programa, redução nas taxas de juros, alterações na regra de subsídios fornecidos pela União e um incremento no prazo máximo para os financiamentos.

“As mudanças permitem que o cliente volte a ter uma uma capacidade de compra adequada ao preço do imóvel”, destaca Menin.

Reduzindo os ruídos

Além do destravamento no repasse de custos para os lançamentos voltados ao CVA, o executivo celebra um arrefecimento da inflação que, ainda que “muito sutil”, alivia a pressão de custos sobre o setor.

Felizmente, o pior ficou para trás e há um cenário de estabilidade para alguns materiais que é fruto do câmbio mais comportado, da acomodação no preço das commodities e de algumas ações do governo, como o corte do ICMS dos combustíveis. Isso fez com que passássemos a enxergar uma leve tendência de redução de custo em insumos do nosso segmento.

Rafael Menin, MRV

Contribui também para o cenário positivo o fim do ciclo de alta dos juros, oficializado pela última decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) na semana passada

Menin aposta que a trajetória da Selic pode voltar a apontar para baixo antes do previsto: “A percepção, conversando com investidores, é de que uma eventual redução dos juros aconteça num prazo um pouco mais curto do que o consenso dos economistas acreditava dois meses atrás.”

Rafael Menin é copresidente da MRV desde 2014 | Foto: Gabriel Araújo/Divulgação

Acelerando os lançamentos

Para não perder a oportunidade de surfar nesse combo de perspectivas positivas para a construção, a MRV incrementou a previsão de lançamentos para o segundo semestre de 2022.

Parte dos projetos que devem ir ao mercado até o final deste ano já estavam prontos para estrear nos primeiros seis meses do ano. “A companhia optou por não lançar, entendemos que os empreendimentos não teriam uma boa rentabilidade e não remunerariam adequadamente o capital da MRV”, argumenta o CEO.

Com isso, o Valor Geral de Vendas (VGV) lançado pela empresa ficou em R$ 2,1 bilhões no segundo trimestre. A soma é 11,6% inferior à registrada no mesmo período do ano anterior. A queda no número de novas unidades foi ainda maior, de 20,3%, com pouco mais de nove mil imóveis.

Menin promete que os números serão diferentes no próximo balanço: “Nós teremos um segundo semestre muito mais forte em lançamentos do que foi a primeira metade do ano”. O executivo também garante que haverá público para os novos imóveis.

Infelizmente, 30 milhões de famílias brasileiras moram em condições inadequadas. Por um lado, esse déficit é uma oportunidade para uma empresa como a nossa e significa que, independentemente de qualquer que seja o governo ou modelo de transação imobiliária no segmento econômico, teremos uma demanda elevada por muitos anos.

Rafael Menin, MRV

Além da procura aquecida, a MRV é beneficiada pela competição relativamente baixa dentro do segmento de baixa renda. Mas o CEO não celebra a ausência de novos rivais e atribui o cenário às dificuldades provocadas pela demora na atualização do programa habitacional governamental.

“A competição já foi maior, mas diminuiu em função desse desequilíbrio recente, o que não é bom para o país e para o consumidor. Quanto mais competição, mais eficientes são as empresas e mais opções o cliente tem”, pondera.

Outras rotas de crescimento da MRV (MRVE3)

Menin não esconde o otimismo com as perspectivas para a operação principal da MRV nos próximos trimestres, mas também destaca que a construção de empreendimentos para famílias de baixa renda pode perder espaço para outras frentes de negócio da companhia no futuro.

“Há quatros anos nós decidimos expandir a empresa via subsidiárias. Não é trivial entrar em novos mercados e um novo país, mas esse foi o caminho escolhido por nós para complementar a nossa atividade core e trazer resiliência ao negócio”, afirma.

A decisão mostrou-se acertada, já que a Urba, de loteamentos, e a Luggo, que desenvolve imóveis para a locação, amenizaram o impacto da compressão das margens da atividade core no balanço da construtora.

Isso sem falar na Resia, a incorporadora norte-americana que se tornou um dos principais destaques nos últimos balanços da MRV. A operação dos EUA registrou um salto de 162,3% nas vendas líquidas em relação ao mesmo período do ano passado.

A Resia foi a única a apresentar crescimento no Valor Geral de Vendas (VGV), que chegou a R$ 955 milhões, recorde para um trimestre.

“Essas cinco avenidas de atuação se somam e fazem com que a empresa fique mais protegida frente a crises e preparada para surfar os bons momentos”, aponta o executivo.

O que o futuro guarda para a Resia?

Com números tão impressionantes, analistas acreditam que a operação da MRV nos EUA ainda não está precificada e pode ser um gatilho de alta para os papéis MRVE3. Mas o acionamento desse gatilho dependerá dos planos da companhia para a Resia.

A MRV já admitiu que há possibilidades tanto de entrada de um parceiro na empresa quanto de uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Rafael Menin não revela qual será o futuro da subsidiária, mas indica que a saída não deve ser a bolsa, pelo menos por enquanto. “O que eu posso dizer é que a Resia despertou interesse de investidores importantes e que alguma operação privada será feita nos próximos meses.”

O CEO também confirmou que, no futuro, a empresa deve ir ao mercado e fortalecer a estrutura de capital para atender aos objetivos do projeto, que incluem a entrega de 12 mil unidades por ano.

Compartilhe

HISTÓRIA

Lula e Bolsonaro estavam errados sobre o Plano Real — e eles tinham um motivo para isso 30 anos atrás

4 de junho de 2024 - 6:19

Enquanto Bolsonaro votou contra o Plano Real em 1994, Lula disputava a presidência contra Fernando Henrique Cardoso

AUTOMÓVEIS

Os carros mais injustiçados do Brasil: 7 modelos de bons automóveis que andam empacados nas concessionárias — mas talvez não seja à toa

2 de junho de 2024 - 7:50

Esses carros são reconhecidamente bons produtos, mas vendem pouco; saiba quando (e se) vale a pena comprá-los

DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

26 de maio de 2024 - 8:00

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar