🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduanda em Comunicação Digital pela ESPM, Beatriz é responsável pelas redes sociais do Seu Dinheiro.
DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
26 de maio de 2024
8:00 - atualizado às 15:08
Cena do filme Wall.E
Imagem: Reprodução Pixar filme Wall.E

Você acorda em uma manhã qualquer e antes mesmo de abrir os olhos direito, acessa seu celular. Boas notícias: o mundo inteiro concorda com você. Fascinante! 

Finalmente acabaram as horas e mais horas de convencimento, os outros são ingênuos demais… ignorantes demais. Mas agora entenderam e foi provado por A + B que você sempre esteve certo. 

Você pensa naquele seu colega de trabalho que simplesmente nunca concordou com uma sílaba que saísse da sua boca e que insistia em postar informações falsas: “hoje o Marcelo vai ver!” 

Entra no ônibus com satisfação. Aquele sorrisinho sarcástico cheio de si estampado no rosto. 

Afinal, você avisou e os posts no seu Instagram não negam. “Eu sou objetivamente mais inteligente que todos eles”. 

Mas algo está errado… todo mundo parece estar com o mesmo gozo. Você estranha, mas não examina melhor nos poucos segundos que separam o embarque do momento em que a notificação do celular toca de novo. 

A sua e a de todos que estão ali. Só no Instagram você pode ser reconhecido pelo que realmente é: esperto e sagaz. 

Lembra do primeiro YouTuber que te avisou sobre isso num vídeo cujo título é: “eles não querem que você saiba disso”. Pronto, eles perderam.

Você chega ao escritório. Olha o Marcelo. Ansioso, quer ver na cara dele o misto de vergonha, raiva e choque que só alguém que cometeu um erro tão ingênuo seria capaz de expressar. 

Ele está de costas, sentado na cadeira digitando freneticamente. Deve estar irritado, você pensa. Chegou a hora: “Marcelo, bom dia”, diz sem conseguir conter o deleite. Ele se vira… contente? 

A resposta logo vem: “bom dia, você viu no Instagram hoje? Eu sabia que você estava errado!”

O mundo à parte que nos é desenhado

O assunto que quero introduzir com essa breve historinha é: onde vamos parar se não colocarmos limites nas redes sociais logo? 

Até porque, se como o protagonista da historinha acima, todos puderem criar sua realidade diante de um algoritmo que os endeusa, o que sobra da sociedade? 

A segunda vítima é a verdade 

A tragédia do Rio Grande do Sul fez milhares e milhares de vítimas, que perderam vidas, entes queridos, moradia e um sem número de outras coisas que eu seria incapaz de citar por aqui. Gostaria de destacar minha profunda solidariedade. 

Ou seja, a população foi a primeira vítima do caos no Estado. Então eu diria que a verdade foi a segunda, parafraseando a famosa frase dita e repetida ao longo da história. 

O número de fake news envolvendo o Rio Grande do Sul foi assustador (pelo menos para mim). 

A Quaest fez um levantamento consultando moradores de 120 municípios e concluiu que 31% do público disse ter recebido alguma notícia falsa sobre a catástrofe. 

Há quem diga que o número não é de fato alarmante e que as discussões sobre isso foram até maiores do que a ocorrência em si. Isso me lembra um conceito que aprendi na aula de Fundamentos de Marketing, na ESPM: o das ‘gavetinhas’ no cérebro. 

É basicamente o seguinte: toda marca que encontra uma ‘gaveta’ (leia-se: espaço vazio) na cabeça do consumidor tende a conquistar a lealdade dessa pessoa e provavelmente será a empresa do ramo mais conhecida pelo público por longos anos. 

Uma vez preenchido, é bem difícil tomar esse espaço. Veja o exemplo do Band-Aid, Cotonete, Nescau, Catupiry e assim por diante. Essas marcas inclusive se transformaram em uma metonímia para o produto que oferecem. 

O mesmo acontece com informações. Se o primeiro contato que você tem com um acontecimento é por meio de uma fake news, ela preenche o espaço vazio e nem sempre é possível tirá-la dali. 

Aqui explico como é difícil para nós nos desapegarmos das nossas verdades, inclusive em um sentido evolutivo

E a tendência é que isso se espalhe. Quem nunca contou uma notícia bombástica para alguém sem nem checar se era verdade? 

Você deve se lembrar dessas ‘bobeiras’ como Lady Gaga é interssexual, ou as mais perigosas como Sérgio Moro treinado pela CIA, a mamadeira de piroca ou que em universidade pública só tem maconheiro… 

O que eu quero dizer é: o número não é alarmante por si só, mas pelas consequências de médio e longo prazo que eles podem trazer. 

O mesmo acontece com os grandes acontecimentos históricos que temos presenciado nos últimos meses. A guerra em Gaza, Ucrânia, eleições nos Estados Unidos e assim por diante. Explico o papel das redes em cada um dos casos aqui e aqui

A disputa por narrativas é característico da história, mas agora existem outros agentes envolvidos nisso. 

Os influencers e nossas realidades tão particulares

Mais dados sobre as redes sociais em meio à tragédia no Rio Grande do Sul:  influenciadores foram responsáveis por 10 vezes mais interações do que políticos e 7 vezes mais do que canais de imprensa. Essa informação é do portal “Essa tal de rede social”, que analisa debates nas redes sociais. 

O poder da influência de indivíduos “não institucionais” — entenda-se: sem necessário  comprometimento com a verdade factual das coisas —  pode ser uma ameaça. 

Até porque, dada a relação aparentemente horizontal que eles constroem com o público, o nível de confiança atribuída ao que eles falam é grande. 

Fora quando eles não ficam reconhecidos justamente por falar “o que os poderosos não querem que você saiba” — o que geralmente são fatos distorcidos. 

Eu discuto um pouco por aqui como esse poder do influencer é construído e como ele pode afetar a percepção de realidade do público. 

Também não dá para esquecer como os algoritmos funcionam: curvando a realidade virtual aos nosso bel prazer. 

E se hoje as redes sociais são as praças públicas de debate, cada vez mais vai parecer que o céu tão próprio pintado para nós é o mesmo que o nosso vizinho enxerga, o que até poderia funcionar, se vivêssemos em bolhas unitárias.

O que acontece quando o mundo real (chame de físico, factual ou do que quiser) entra em cena? Hannah Arendt previu essa minha pergunta e sintetiza a resposta que considero perfeita: 

“O resultado da substituição coerente e total da verdade pela mentira não é que as mentiras passam a ser aceitas como verdades, nem simplesmente que a verdade passa a ser difamada como mentira, mas a destruição do próprio sentido que usamos para nos orientar no mundo”. 

Onde vamos parar se os limites não forem colocados logo? 

O perigo de nossas ‘gavetas’ serem preenchidas com alguma informação errada é cada vez maior à medida que nos tornamos indistintos dos nossos celulares. 

No final das contas, atenção é poder — e nenhuma plataforma tem tanto poder hoje como as redes sociais. 

O problema é que não existe um limite concreto para isso hoje. Elas encontraram um guarda-roupa de Nárnia nos nossos cérebros. A moeda de troca é o conforto da razão. 

O Rio Grande do Sul e as guerras são um gostinho do que isso pode resultar. Percebendo o contexto talvez tarde demais, as autoridades do mundo inteiro discutem hoje como tomar as rédeas da situação. 

Explico mais sobre as polêmicas aqui. A questão é: até quando a distância entre Marcelo e seu ‘rival’ ficará grande demais? 

Eu sempre me pego imersa no meu próprio universo virtual e consecutivas vezes falo coisas como: “ué, mas todo mundo sabe isso”, ou “todo mundo acha aquilo”. E você, já se flagrou em uma situação assim? Responda para nós nas redes sociais ou neste email. 

Enquanto isso, o Seu Dinheiro está em todas as redes sociais

O remédio para tudo isso parece ser sempre manter uma âncora com informações isentas e que explorem vários lados da mesma moeda. Por isso, fica o convite para nos seguir no Instagram e YouTube. 

Aliás, acabamos de chegar aos 100 mil inscritos no YouTube, venha se juntar a nós por lá! E se você já acompanhava, agradeço por fazer parte dessa conquista! 

Bom domingo e até mais! 

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Quanto de mim e de você tem no ChatGPT? Como nossos dados viraram o novo petróleo desta revolução

23 de junho de 2024 - 9:06

“As rodas da máquina têm de girar constantemente, mas não podem fazê-lo se não houver quem cuide delas”. Na falta de um jeito original de começar a news desta semana, recorro ao ChatGPT para me fazer parecer mais sofisticada.  Oi, Chat! [digito educadamente na intenção de ser poupada caso as IAs tomem o poder] Quero […]

HISTÓRIA

Lula e Bolsonaro estavam errados sobre o Plano Real — e eles tinham um motivo para isso 30 anos atrás

4 de junho de 2024 - 6:19

Enquanto Bolsonaro votou contra o Plano Real em 1994, Lula disputava a presidência contra Fernando Henrique Cardoso

AUTOMÓVEIS

Os carros mais injustiçados do Brasil: 7 modelos de bons automóveis que andam empacados nas concessionárias — mas talvez não seja à toa

2 de junho de 2024 - 7:50

Esses carros são reconhecidamente bons produtos, mas vendem pouco; saiba quando (e se) vale a pena comprá-los

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar