🔴 5 MOEDAS PARA MULTIPLICAR SEU INVESTIMENTO EM ATÉ 400X – VEJA COMO ACESSAR LISTA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
LOADING…

‘Shapella’ acontecerá em pouco tempo: entenda a nova atualização que permitirá sacar Ethereum (ETH) da blockchain

Mesmo com a liberação, a expectativa é de que os preços não oscilem — ao mesmo tempo, os usuários podem impulsionar uma disparada

Renan Sousa
Renan Sousa
6 de abril de 2023
6:35 - atualizado às 9:26
O ethereum 2.0 será o próximo passo do ethereum (ETH) e pode ser um destrave de preço para a segunda maior criptomoeda do mundo
Imagem: Shutterstock

A atualização mais esperada do ano para a rede da segunda maior criptomoeda do mundo, o Ethereum (ETH), está para acontecer no dia 12 deste mês. O chamado Shapella Update é a união de duas novidades que estavam no programa de atualizações (roadmap) do éter desde o estabelecimento do The Merge.

O nome Shapella se deve às duas atualizações que foram instauradas hoje: a Shanghai, que altera protocolos de execução, e a Capella, que atualiza um mecanismo de consenso da rede. Para os mais aficionados por tecnologia, a própria Ethereum Foundation disponibiliza longos documentos técnicos sobre cada uma delas — divirta-se com eles aqui.

Já para o investidor mais interessado no preço de tela, a principal mudança será um aumento da liquidez da rede. E isso acontecerá porque os tokens em staking (ou sejam travados na rede) após o Merge começarão a ter os saques liberados. 

O Shapella estabeleceu uma série de outras pequenas atualizações on-chain, mas o evento principal que os analistas consultados pela reportagem destacam é sem dúvidas a liberação dos tokens em staking

Em um primeiro momento, nem os preços do ethereum nem de criptomoedas construídas em cima da blockchain devem subir. Há expectativa de que essas atualizações gerem um acúmulo de valor no longo prazo. 

  • Com a crise bancária, o bitcoin voltou a ser apontado por parte dos investidores como reserva de valor, revivendo a “profecia” que o BTC seria uma alternativa para o sistema financeiro. A questão é: você deveria comprar bitcoin para “se proteger” contra o colapso dos bancos? Veja a resposta aqui

Como funciona o staking na rede do Ethereum 

A mudança estabelecida a partir do The Merge, que mudou o método de validação da rede ethereum de proof-of-work (PoW, a prova de trabalho) para o proof-of-stake (PoS, a prova de participação) também alterou a maneira com a qual o usuário interage com a rede.

Recapitulando, para se tornar um validador da rede, o usuário ou entidade precisa possuir uma certa quantidade de token ETH em sua carteira. Assim como na mineração do bitcoin, os autenticadores recebem uma recompensa por inserir novos blocos na rede.

Protocolos especializados em staking captam recursos dos clientes para ter mais moedas e assim autenticar mais blocos. A recompensa para os usuários que emprestam essas moedas é o pagamento de taxas — mais ou menos como funcionam os Títulos do Tesouro do governo, o que explica o fato de esse mecanismo ser comparado à renda fixa. 

O tamanho da rede validadora do Ethereum

Mesmo antes do The Merge, alguns protocolos já permitiam o staking na rede do ethereum, de olho nas recompensas projetadas pelo roadmap. O número de tokens nesse sistema, no entanto, teve um salto de 32,3% a partir de setembro, acumulando aproximadamente US$ 33,1 bilhões nas cotações atuais.

Fonte: The Block Research

Cada plataforma de staking que opera no ethereum paga taxas diferentes, mas todas convergem para um retorno médio de 4%.

O número pode parecer pequeno — se compararmos com a renda fixa brasileira, que é mais de três vezes esse valor —, mas o investidor também lucra com a valorização do token, o que torna os ganhos ainda mais interessantes.

Leia mais sobre protocolos de staking mais abaixo.

Já dados do Delphi Digital apontam que os validadores da rede já receberam mais de 1,1 milhão tokens ETH como recompensa — quase US$ 2 bilhões na cotação atual. 

Gatilhos de defesa contra explosão de saques

Existe um cenário já projetado pelos desenvolvedores em que os usuários façam uma “corrida bancária” com tokens em staking de forma massiva. O saque desses US$ 33 bilhões e a venda de outros US$ 2 bilhões poderiam desestabilizar o protocolo.

Mas, de acordo com Valter Rebelo, analista da Empiricus, o mecanismo de ajuste dinâmico das taxas de staking serve para evitar esse cenário.

“Em primeiro lugar, não faz muito sentido acontecer essa retirada em massa. O cara que participa do staking já correu muito mais risco quando os tokens estavam travados e, agora que ele tem liquidez, vai retirar?”, explica.

“E você tem um outro mecanismo que encoraja o staking, que é a taxa de recompensa dinâmica. Conforme as pessoas vão se retirando, a recompensa aumenta e aumenta a liquidez”. Em outras palavras, essa “corrida bancária” beneficia quem mantiver os tokens em staking, equilibrando o sistema.

Criptomoedas de staking também não ficam para trás

Como dito anteriormente, existem protocolos que fazem staking em cima da rede do ethereum. Muitos deles são desenvolvedores que criam criptomoedas próprias para aumentar os ganhos da comunidade.

Esses protocolos de staking criados em cima da rede do ethereum também se valorizaram nos últimos dias, com expectativas em relação aos saques.

Entretanto, vale destacar que esse movimento pós atualização é sustentado apenas pelo otimismo dos investidores e não necessariamente por alguma novidade maior. 

Confira a seguir o desempenho dos 5 maiores protocolos de staking da rede ethereum.

NameVAR(%) DiaVAR(%) MêsVAR(%) 2023
Lido-1,90%-2,27%13,42%
Coinbase Wrapped Staked ETH-1,80%-1,97%15,80%
Rocket Pool-4,15%-0,04%8,33%
Frax Ether-1,09%0,45%29,65%
StakeWise-1,93%-2,53%11,61%
Fonte: DeFi Llama

Assim como o ethereum, essas criptomoedas também podem ser compradas diretamente por meio de carteiras digitais (wallets) ou nas principais corretoras do planeta — como Binance, Coinbase, OKX. Já nas exchanges brasileiras, é mais difícil encontrar esses tokens. 

Por fim, vale ressaltar que o investimento em criptomoedas é altamente arriscado e não se deve alocar uma parcela maior do que 5% do seu portfólio em ativos digitais.

E não vá andar fora da lei

Um debate recente nos Estados Unidos tem potencial de afetar os negócios das criptomoedas. 

A SEC, a CVM americana, tem lançado inúmeras investigações sobre plataformas e entidades ligadas ao mercado de criptomoedas.

De acordo com argumentos utilizados pelos integrantes da Comissão, a prática de staking na rede do ethereum seria semelhante a um valor mobiliário e, portanto, deveria seguir uma série de regras. Mais do que isso: em alguma instância, a SEC teria o poder de banir o uso da blockchain do éter nos EUA. 

Mas o debate vai muito além disso. O entendimento legal que atualmente rege o mercado por lá é o de que as criptomoedas são commodities e, portanto, estariam sob a jurisdição da Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities (CFTC, em inglês). 

Enquanto as duas entidades batem cabeça e os EUA não tem uma regulação específica como o Brasil, cabe ao investidor permanecer atento a quaisquer novidades sobre o tema.

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

DE OLHO NAS REDES

Este episódio de Black Mirror não está na Netflix, mas vai alugar um triplex na sua cabeça: descubra como o ChatGPT pode até mesmo ‘roubar’ o lugar da sua namorada

25 de junho de 2023 - 8:00

Um homem chega em casa exausto depois de uma semana intensa de trabalho. É sexta -feira e tudo está em silêncio, o lugar está escuro. Ele mora sozinho. O vazio do ambiente começa a contaminá-lo a ponto de despertar uma certa tristeza pela solidão que enfrentaria nas próximas horas.  Ele se senta no sofá e, […]

DE OLHO NAS REDES

TikTok está fazendo jovens gastarem o dinheiro do aluguel em roupas de marca: entenda como a rede social está criando um boom no varejo de luxo

28 de maio de 2023 - 7:30

Um novo fenômeno no TikTok está causando um boom para marcas de luxo, como Prada, Chanel e outras

REPORTAGEM ESPECIAL

Hapvida do céu ao inferno: os sete erros que fizeram as ações HAPV3 despencarem quase 50% em 15 dias

16 de março de 2023 - 6:07

A frustração do mercado com a fusão da operadora de saúde com a NotreDame Intermédica passa pelo cenário macroeconômico, perda de confiança na gestão e incertezas sobre o futuro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar