O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-13T13:54:19-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Análise SD

Na Totvs (TOTS3), a união com o Itaú (ITUB4) junta a fome com a vontade de comer. Mas a que preço?

A Totvs (TOTS3) ganhará a força do Itaú (ITUB4) para oferecer crédito, produtos e serviços financeiros aos seus clientes, especialmente as pequenas e médias empresas. Mas o valor da operação levantou algumas dúvidas no mercado

13 de abril de 2022
13:54
Montagem mostrando os logos da Totvs (TOTS3), à esquerda, num fundo azul, e do Itaú (ITUB4), à direita, num fundo laranja. Há um sinal de '+' no centro, indicando a parceria entre as empresas
Imagem: Divulgação Totvs

A Totvs (TOTS3) nunca escondeu de ninguém o seu desejo de crescer e atuar em diversas fronteiras do setor de tecnologia; o Itaú (ITUB4) sempre foi vocal em seu plano de ampliar a presença junto às pequenas e médias empresas. Uma união entre as duas gigantes de seus setores, portanto, parece um plano perfeito: juntas, elas ganham escala e têm potencial para dominar o mercado de serviços financeiros para as PMEs.

E, de fato, o racional da joint-venture anunciada na noite de terça-feira (12) é bastante direto — a Totvs Techfin terá 50% de participação de cada uma das parceiras e emerge como uma potência inegável entre as fintechs. De um lado, a expertise operacional da Totvs em sistemas de gestão integrados; do outro, o canhão financeiro do Itaú, viabilizando produtos e transações a taxas atrativas.

À primeira vista, o mercado gostou desse aperto de mãos. Por volta de 11h40, as ações ON da Totvs (TOTS3) avançavam quase 6%, superando a barreira dos R$ 37,50 e se aproximando das máximas históricas — e, de quebra, liderando a ponta positiva do Ibovespa. O Itaú (ITUB4) mostra um desempenho mais contido, em leve baixa de 0,4%.

Mas se a união de forças entre as duas empresas mostra bastante potencial, os valores envolvidos na transação levantam algumas dúvidas. Ao todo, o Itaú vai colocar R$ 200 milhões no caixa da joint-venture, pagando outros R$ 410 milhões à vista pelos 50% da Totvs Techfin; outros R$ 450 milhões podem ser desembolsados após cinco anos, a depender do desempenho da empresa.

Ou seja: no melhor dos cenários, estamos falando de uma cifra de pouco mais de R$ 1 bilhão — e se esse valor não é exatamente uma pechincha, ele também não chega a saltar aos olhos, dado o potencial visto pela Faria Lima e pelo Leblon na Totvs Techfin.

É uma equação complexa, que envolve variáveis e potenciais de sinergia a serem conquistados a partir da junção das forças entre Totvs e Itaú. E, sendo assim, convém voltar alguns passos nessa história para explicar melhor os interesses de cada um dos players — e as dúvidas quanto aos valores acertados.

Gráfico de linha mostrando o comportamento das ações da Totvs (TOTS3) desde o IPO
Repare que as ações da Totvs (TOTS3) recuperaram-se rapidamente do baque da pandemia, em 2020, e continuaram em sua trajetória de valorização. Com a parceria com o Itaú (ITUB4), os papéis estão perto das máximas históricas

O que é a Totvs Techfin?

Antes de tudo, vale lembrar que a Totvs Techfin já existia: era uma divisão da gigante de tecnologia com foco no oferecimento de serviços financeiros personalizados para empresas. Através do uso de tecnologia e dados, a Totvs (TOTS3) disponibilizava produtos mais competitivos, ágeis e baratos aos seus clientes, mordendo um pedaço da torta dos bancos tradicionais.

É o conceito clássico das fintechs — desburocratizar as finanças corporativas por meio do uso de tecnologia. E uma fintech com o pedigree da Totvs já tem uma vantagem natural em relação às demais, considerando a expertise operacional da companhia no processamento de dados e na criação de sistemas de gestão integrada.

Essa divisão deu um primeiro salto de relevância em 2019, quando a Totvs anunciou a compra da Supplier, uma fintech de crédito B2B (business-to-business, ou comércio entre empresas). A empresa, que já contava com uma enorme gama de clientes, agora poderia oferecer soluções financeiras junto a seus outros serviços.

Em 2021, a divisão Techfin teve receita de R$ 281,5 milhões, mais que o dobro do resultado reportado em 2020. No entanto, os custos de financiamento das atividades da divisão cresceu num ritmo ainda mais elevado: um salto de 189% em um ano, para R$ 90,1 milhões. Sendo assim, a receita líquida de financiamento teve uma expansão menos intensa, de 95%, a R$ 191,4 milhões.

E eis o calcanhar de Aquiles da Techfin: os custos de financiamento. Para oferecer serviços de crédito aos clientes, é preciso ter alguma fonte de financiamento, e a Totvs recorria a um Fundo de Direitos Creditórios (FIDC). Não era a solução mais barata e tampouco a mais farta, mas era a solução do momento.

É aí que entra o Itaú.

Tabela mostrando os resultados da divisão Techfin da Totvs (TOTS3) em 2021
Resultados da divisão Techfin da Totvs (TOTS3) no quarto trimestre de 2021 e no ano fechado

Itaú (ITUB4): a solução para o quebra-cabeças

Bem, se há alguém que pode oferecer financiamento neste mundo, esse alguém é um banco do porte do Itaú (ITUB4): ao estabelecer a parceria com a Totvs (TOTS3), a instituição elimina as dúvidas quanto à sustentabilidade dos fundos para a Techfin oferecer seus serviços financeiros aos clientes.

E o que o Itaú ganha com isso? Bem, ele poderá explorar a imensa base de usuários dos sistemas Totvs, especialmente as pequenas e médias empresas. É uma espécie de ganha-ganha:

  • Para a Totvs, a união com o Itaú representa financiamento extra e fôlego financeiro, além do oferecimento de mais produtos e serviços financeiros personalizados;
  • Para o Itaú, a junção com a Totvs abre as portas para uma gama enorme de clientes em potencial, abrindo uma nova avenida de crescimento e, de quebra, escanteando as fintechs que atuam junto às PMEs.

Com a parceria, a Techfin deixa de ser uma simples divisão da Totvs e passa a ser uma empresa separada. A imagem de junção de forças é bastante efetiva: a joint-venture conta com a expertise operacional e a base de clientes da Totvs, e também com o poder financeiro do Itaú, que pode oferecer crédito a taxas mais atrativas e criar produtos financeiros customizados às PMEs.

Portanto, do lado do racional da operação, tudo parece bastante azeitado. Mas se há fome e há vontade de comer, também há um preço a ser pago pelo banquete — e aqui começam as dúvidas.

Totvs (TOTS3): vendeu barato ou criou valor?

No mercado, é unânime a percepção de que a joint-venture entre Itaú (ITUB4) e Totvs (TOTS3) será positiva para ambas as empresas. No entanto, há um foco de preocupação no que diz respeito aos valores da transação — uma sombra que recai especialmente sobre a companhia de tecnologia.

Vamos fazer algumas contas simples: contando com os R$ 450 milhões que o Itaú poderá desembolsar caso a Totvs Techfin cumpra as metas operacionais, o banco estará pagando R$ 1,06 bilhão por 50% da joint-venture. Portanto, 100% da nova companhia valeria R$ 2,12 bilhões (R$ 1,9 bilhão, descontada a injeção de R$ 200 milhões no caixa).

Essa é uma avaliação justa? Para vários analistas, não — a Totvs Techfin deveria valer mais. O JP Morgan, por exemplo, atribuía um valor de mercado de R$ 3,7 bilhões à divisão; o Credit Suisse estimava uma cifra de pouco mais de R$ 2,2 bilhões.

Isso quer dizer que a Totvs fez um mal negócio? A resposta não é tão simples assim. Primeiro, porque o potencial de ganho futuro a partir da união com o Itaú pode destravar valor de maneira bastante rápida à Techfin, com ganhos de escala e participação de mercado junto às pequenas e médias empresas.

E, em segundo lugar, porque é preciso colocar algumas informações em perspectiva. Voltemos à aquisição da Supplier, em 2019: na ocasião, a Totvs pagou pouco menos de R$ 500 milhões pela empresa, que tornou-se quase 100% da receita da Techfin. Portanto, em cerca de dois anos, o valor de mercado da divisão chegou a R$ 2 bilhões — uma geração e tanto de valor.

Dito isso, o copo meio cheio ou o copo meio vazio dependem agora da execução estratégica dos parceiros recém-formados. Se, de fato, a Techfin passar a oferecer produtos variados e competitivos às empresas que fazem parte da base de clientes da Totvs, dominando o mercado de serviços financeiros às PMEs, a joint-venture pode atingir valores de mercado ainda mais altos em pouco tempo, fazendo jus à visão otimista do Credit Suisse e do JP Morgan.

Mas, caso a integração operacional mostre-se mais lenta que o esperado, Itaú e Totvs podem ser penalizadas, com o otimismo dando lugar à frustração. E, a julgar pela reação dos mercados hoje, o benefício da dúvida está sendo concedido à gigante de tecnologia.

TOTS3: perto da máxima, com espaço para ir além

Com a valorização de hoje, as ações ON da Totvs (TOTS3) já acumulam ganhos de mais de 30% desde o começo de 2022. E, por mais que estejam muito próximas da faixa dos R$ 40,00 — os papéis nunca chegaram a romper esse patamar de preço —, os analistas mostram-se confiantes quanto à continuidade da valorização dos ativos.

Veja abaixo um resumo da visão dos analistas em relação aos papéis TOTS3:

BancoRecomendaçãoPreço-alvoPotencial de alta*
Morgan StanleyCompra39,00+8,9%
XPCompra48,00+34,1%
SantanderCompra40,00+11,7%
SafraCompra37,00+3,4%
JP MorganCompra43,50+21,5%
BradescoCompra40,00+11,7%
Bank of AmericaCompra45,00+25,7%
Credit SuisseCompra38,00+6,1%
*Em relação ao preço de fechamento de 12/04, de R$ 35,80. Levantamento: Seu Dinheiro

Em termos de valuation, as ações TOTS3 são negociadas com um múltiplo preço/lucro projetado para o fim de 2022 de 60x, de acordo com dados do TradeMap. O EV/Ebitda ao término do ano é de cerca de 30x.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies