O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-05-10T19:25:14-03:00
Carolina Gama
BALANÇOS

Telefônica Brasil (VIVT3) vê lucro líquido cair 20,4% no primeiro trimestre; confira os resultados da dona da Vivo

Receita operacional líquida da empresa, no entanto, é a maior em sete anos, com destaque para o segmento de fibra para o lar (FTTH, na sigla em inglês)

10 de maio de 2022
18:17 - atualizado às 19:25
loja da vivo operadora
Imagem: Reprodução/Felipe Ventura/Tecnoblog

Quem é rei nunca perde a majestade. Será? Os resultados da Telefônica Brasil (VIVT3), a dona da Vivo, colocaram o ditado popular em xeque. No primeiro trimestre de 2022, a empresa de telecomunicações viu o lucro líquido cair 20,4% em relação ao mesmo período do ano anterior, para R$ 750 milhões. 

A queda do lucro líquido nos três primeiros meses do ano, segundo da Telefônica Brasil, reflete despesas financeiras maiores e aumento da depreciação e amortização no período.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação), por sua vez, aumentou 1,3% entre janeiro e março e alcançou R$ 4,5 bilhões.

O desempenho reflete o maior crescimento de receita, embora tenha sentido o impacto da mudança de mix dos custos (+7%), relacionado ao forte crescimento de receitas de aparelhos e serviços digitais.

Já a receita operacional líquida somou R$ 11,3 bilhões no primeiro trimestre de 2022, alta de 4,6% em base anual — o maior crescimento em sete ano.

O resultado foi impulsionado pelo desempenho positivo da receita fixa total, que aumentou 1,9% em termos anuais, com destaque para a receita de FTTH (fibra para o lar), que subiu 25,9% na mesma base de comparação.

Outros números do trimestre

Os custos com depreciação e amortização pesaram negativamente no desempenho da Telefônica Brasil (VIVT3) no primeiro trimestre. Essa linha cresceu 5,8%, para R$ 3,074 bilhões.

Segundo a dona da Vivo, isso ocorreu em função do início da amortização das licenças do 5G, da amortização de novas licenças de software e do maior volume de depreciação dos ativos de arrendamento.

Confira outros números da Telefônica Brasil entre janeiro e março, na comparação anual:

  • Margem Ebitda: queda de 1,3 ponto porcentual, para 20,4%;
  • Custos totais: alta de 7%, para R$ 6,840 bilhões;
  • Resultado financeiro (saldo entre receitas e despesas financeiras): negativo em R$ 524 milhões, um salto de 66,6%.

Pós-pago x pré-pago

A Telefônica Brasil (VIVT3) deu continuidade à estratégia de migrar clientes de planos pré-pagos para pós-pagos, de maior valor agregado.

Além do crescimento da base de clientes, a receita de pós-pago reflete positivamente o reajuste anual aplicado para parte da base de usuários dos planos controle. Ainda assim, o faturamento com o segmento pré-pago avançou devido à maior recorrência nas recargas pelos clientes.

No total, a receita de serviço móvel da Telefônica Brasil subiu 5,7% no primeiro trimestre, em base anual, para R$ 6,873 bilhões. Houve evolução no faturamento tanto das linhas pré-pagas (+4,7%), quanto de pós-pagas (+5,9%). A operadora também viu crescer em 10% a sua receita com a venda de aparelhos, para R$ 708 milhões.

Ao todo, a base de clientes de serviços móveis aumentou 7% na comparação anual, para 85 milhões. A base pré-paga ficou estável, enquanto a pós-paga subiu 11%.

Por outro lado, a receita média por usuário (ARPU, na sigla em inglês) do setor móvel baixou 0,9%, para R$ 27,1.

Já no segmento fixo, a receita cresceu 1,9% entre janeiro e março ante o mesmo período do ano anterior, para R$ 3,770 bilhões.

Telefônica Brasil (VIVT3) nos holofotes

Recentemente, a Telefônica Brasil (VIVT3) esteve sob os holofotes do mercado por conta da compra, junto com a Claro e a Tim, do negócio de telefonia móvel da Oi (OIBR3)

Segundo a dona da Vivo, as sinergias potenciais do negócio devem chegar a R$ 5,4 bilhões, um cálculo líquido do investimento e do custo de integração.

Com a aquisição dos ativos da Oi Móvel, a Vivo pulará de 100 para 112 milhões de clientes, sendo que a base será dividida entre 56% de usuários de planos pós-pagos e 44%, de pré.

Com a saída da Oi do mercado de telefonia e internet móveis, a Vivo ampliará sua fatia no segmento de 33% para 38%, sustentando a liderança. Em pós-pago, o negócio mais lucrativo, crescerá de 37% para 40%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies