🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-02-22T00:10:58-03:00
Camille Lima
VOANDO ALTO

Fechando 2021 com chave de ouro: carteira de pedidos da Embraer (EMBR3) chega ao maior valor desde 2018, mas ações caem na B3

A companhia conseguiu entregar 55 jatos no quarto trimestre, totalizando 141 aeronaves em 2021

21 de fevereiro de 2022
11:38 - atualizado às 0:10
Aeronave da Embraer (EMBR3)
Aeronave da Embraer - Imagem: Divulgação

Se teve alguém que conseguiu voar alto em 2021, foi a Embraer (EMBR3). A empresa encerrou o ano passado com patamares bem positivos, tanto para os 12 meses quanto para o quarto trimestre.

Nos três últimos meses do ano, a companhia entregou 55 jatos, dos quais 16 eram comerciais e 39 executivos. Em 2021 como um todo, foram entregues 141 jatos, sendo 48 comerciais e 93 executivos.

Esses números fizeram a carteira de pedidos firmes da Embraer atingir o valor mais alto desde o segundo trimestre de 2018, chegando a US$ 17 bilhões (ou, considerando a cotação atual do dólar, aproximadamente R$ 87,4 bilhões) em 31 de dezembro.

O valor atual da carteira de pedidos já considera o resultado da negociação com a Força Aérea Brasileira (FAB), que diminuiu o total de aeronaves a serem entregues nos termos do contrato, de 28 para 22.

Dados positivos, ações no negativo

Apesar dos dados extremamente positivos para a empresa, as ações da Embraer começaram o pregão desta segunda-feira (21) com o pé esquerdo — caminhando bem em direção ao campo negativo.

Na abertura da bolsa nesta manhã, EMBR3 se encontrava entre as maiores baixas do Ibovespa. Os papéis fecharam o dia com desvalorização de 4,23%, cotados a R$ 18,35.

A queda acontece depois do anúncio de uma pausa de três anos no desenvolvimento do jato E175-E2. Vale lembrar que a família E2 de aviões hoje é considerada líder de mercado no seu segmento.

A pausa na programação acontece em meio às inúmeras discussões sobre os jatos, que permeiam tanto as características dos aviões quanto o cenário do mercado.

Com relação às especificações das aeronaves, as discussões giram em torno do limite máximo de peso para decolagem dos jatos com até 76 assentos.

Já a respeito do mercado global da aviação comercial, as principais companhias aéreas norte-americanas e os sindicatos de pilotos discutem sobre as atuais condições de mercado e do contínuo interesse pelo jato E175 no mercado norte-americano.

Segundo a Embraer, as atividades devem voltar a acontecer depois do período de três anos, o que faz com que a entrada em serviço das aeronaves E175-E2 deva acontecer somente entre 2027 e 2028.

Aviação comercial

De volta aos dados da carteira da Embraer, quando analisamos as entregas por segmento, a aviação comercial somou 48 jatos em 2021.

Durante o Dubai Air Show, a Embraer anunciou um pedido firme da Overland Airways, da Nigéria para três jatos E175, além de direitos de compra para três aeronaves do mesmo modelo, por US$ 299,4 milhões.

Além disso, a empresa vendeu três aeronaves E175 para a American Airlines, em uma operação que envolveu cerca de US$ 160,2 milhões. 

Antes que o ano acabasse, a companhia fechou um contrato bilionário com a Azorra, para 20 pedidos firmes e 30 direitos de compra de E190/195-E2, por mais de R$ 21 bilhões.

O negócio com a norte-americana ajudou a consolidar a liderança da família E2 no seu segmento de mercado.

Aviação executiva

O segmento de aviação executiva contou com a entrega de 93 aeronaves no ano passado.

Em outubro, a Embraer fechou um acordo com a NetJets para a venda de até 100 jatos adicionais, com valor de US$ 1,2 bilhão.

Com o negócio, a NetJets vai receber o avião Phenom 300E no segundo trimestre de 2023, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa.

A Embraer também entregou um jato do mesmo modelo no Equador, a primeira entrega desse tipo de aeronave no país. No Canadá, também foi entregue o primeiro Praetor 500 para a AirSprint Private Aviation, uma empresa de propriedade compartilhada de jatos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Taxas gordas

Com risco fiscal, retorno de 6% + IPCA volta a ser comum entre títulos Tesouro IPCA+ de longo prazo

6 de julho de 2022

Todos os vencimentos de títulos públicos Tesouro IPCA+ a partir de 2035 já voltaram a pagar a rentabilidade “mágica” desse tipo de ativo

QUEDA DE APORTES

Crise dos unicórnios e demissões em massa têm explicação: investimentos em startups caíram 44% no primeiro semestre

6 de julho de 2022

Inflação global, escalada da alta de juros e a Guerra da Ucrânia geraram incertezas no mercado e “seguraram” os investimentos; as mais afetadas são as startups de late stage e unicórnios

CARA CADÊ MEU DEFI?

Roubo de criptomoedas com ataque hacker levou US$ 1,3 bilhão de plataformas de DeFi em 2022; maior crime foi de US$ 180 milhões

6 de julho de 2022

Mesmo com a alta do dia, os investidores acompanham os desdobramentos do pedido de falência da Voyager Digital

O FANTASMA DA RECESSÃO

Ata do Fed manda recado: saiba se os próximos passos do BC dos EUA podem tirar o sono dos investidores

6 de julho de 2022

Na reunião de junho, o banco central norte-americano elevou a taxa de juro em 0,75 ponto percentual, o maior aumento desde 1994, na tentativa de conter uma inflação que não dá tréguas; será que vem mais por aí?

Está vindo aí

Risco de recessão volta a assustar, petróleo amplia perdas e petroleiras lideram quedas do dia; Hypera (HYPE3) e Americanas (AMER3) sobem forte

6 de julho de 2022

Com a queda do petróleo no mercado internacional, papéis de commodities no Brasil têm maiores quedas nesta quarta-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies