🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-02-14T19:55:25-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Banco do Brasil (BBAS3) tem lucro de R$ 21 bilhões em 2021 e diminui distância para os concorrentes privados

No quarto trimestre, o resultado recorrente do Banco do Brasil aumentou 60,5% em relação ao mesmo período de 2020 e ficou bem acima da expectativa do mercado

14 de fevereiro de 2022
18:47 - atualizado às 19:55
Fachada do Banco do Brasil
Sede do Banco do Brasil - Imagem: Divulgação - Banco do Brasil

O Banco do Brasil (BBAS3) registrou lucro líquido de R$ 21,021 bilhões em 2021, o que representa um aumento anual de 51,4%.

No quarto trimestre, o resultado recorrente do BB aumentou 60,5% em relação ao mesmo período de 2020 e atingiu R$ 5,930 bilhões.

O resultado dos últimos três meses do ano ficou bem acima do esperado pelos analistas, que esperavam um lucro de R$ 4,743 bilhões.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROAE, na sigla em inglês) do BB subiu de 12% para 15,8% em 2021 e atingiu 16,6% no quarto trimestre. Com o avanço, o Banco do Brasil diminuiu a distância para os concorrentes privados.

No ranking de rentabilidade do quarto trimestre, o Itaú Unibanco (ITUB4) voltou à liderança, com 20,2%. O Santander Brasil (SANB11) caiu para a segunda posição, com 20%, à frente do Bradesco (BBDC4), cujo retorno ficou em 17,5%.

Banco do Brasil acelera no crédito

Depois de um bom tempo com um apetite menor, o Banco do Brasil voltou a acelerar no crédito. A carteira de financiamentos atingiu a marca de R$ 875 bilhões no fim de 2021, o que representa uma expansão de 7,4% no trimestre e de 17,8% em 12 meses.

A margem financeira, porém, cresceu em um ritmo menor. A linha do balanço que contabiliza as receitas do banco com a concessão de financiamentos foi afetada pelo aumento dos custos de captação e avançou 4,9% em 2021.

Por outro lado, as despesas do Banco do Brasil com provisões para perdas no crédito despencaram 40,2% no ano passado, o que contribuiu para a melhora no resultado.

Vale lembrar que em 2020 os bancos constituíram provisões bilionárias para proteger os balanços dos efeitos da covid-19 na economia.

O aumento esperado da inadimplência, contudo, não ocorreu, pelo menos até o momento. O índice de atrasos acima de 90 dias na carteira do BB encerrou o ano em apenas 1,75%, praticamente estável tanto em relação ao trimestre anterior como na comparação anual.

Tarifas e despesas

As receitas do Banco do Brasil com prestação a cobrança de tarifas atingiram R$ 29,3 bilhões em 2021, um crescimento modesto de 2,2%. No quarto trimestre, porém, o desempenho foi melhor, com uma alta de 5,9% em relação ao mesmo período de 2020.

Algumas linhas seguem pressionadas pela concorrência dos bancos digitais e de serviços como o PIX. As receitas do BB com as tarifas de conta corrente, por exemplo, recuaram 17,2% no ano passado.

Mas o banco conseguiu compensar essa perda em outros negócios, incluindo administração de fundos, consórcios e seguros, previdência e capitalização.

Do lado das despesas, o Banco do Brasil conseguiu fazer um bom controle e encerrou o ano com um avanço de apenas 1,4%, para R$ 32 bilhões.

Projeções para 2022

Junto com o balanço, o BB divulgou as projeções (guidance) para algumas linhas do balanço deste ano. A expectativa do banco é atingir um lucro líquido entre R$ 23 bilhões e R$ 26 bilhões em 2022.

A carteira de crédito deve registrar um aumento mais tímido, de 8% a 12%, mas ainda assim a margem financeira deve crescer entre 11% e 15%.

Leia também:

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

NOITE CRIPTO

Sem fôlego: bitcoin (BTC) opera em alta, mas ainda não volta para os US$ 20 mil; entenda por quê

Apesar do respiro desta sexta-feira (1), o bitcoin ainda sente todo o peso de um Federal Reserve mais agressivo contra a inflação. A semana também não foi tão positiva assim com o noticiário do universo digital.

VAI TER QUE PAGAR!

Um acordo de milhões: Petrobras (PETR4) se entende com a ANP sobre royalties da operação de xisto no Paraná

Segundo a estatal, o acordo envolve o pagamento de R$ 601 milhões pela companhia — um montante que já foi provisionado nas demonstrações financeiras

CASOU!

Enfim, sós! Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) consumam combinação de negócios; confira detalhes

Por conta do enlace, hoje foi o último dia de negociação das ações de emissão da Unidas na B3

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa começa julho com o pé direito, o reforço de caixa da MRV (MRVE3) e a semana em cripto; confira os destaques do dia

Que sexta-feira costuma ser o dia da semana favorito de muita gente não é novidade, mas você já reparou na tendência que temos de tentar fazer dele o mais leve de todos para não atrapalhar o descanso do fim de semana? Seja no escritório ou no mercado financeiro, o último dia útil é o momento […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa dá uma pausa nas perdas e sobe 0,29% na semana, mas dólar dispara e chega a R$ 5,32

O começo de julho foi mais animador para o Ibovespa, mas as dificuldades seguem pressionando o câmbio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies