🔴 +35 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – VEJA GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
MISSÃO CUMPRIDA

Banco do Brasil tem lucro de R$ 7,8 bilhões no 2T22 e cumpre promessa de se equiparar a bancos privados em rentabilidade

Lucro do Banco do Brasil aumentou 54,8% em relação ao mesmo período de 2021 e rentabilidade sobre o patrimônio líquido superou a do Bradesco

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
10 de agosto de 2022
19:12 - atualizado às 17:11
Fachada do Banco do Brasil
Sede do Banco do Brasil - Imagem: Divulgação - Banco do Brasil

Missão dada é missão cumprida. O Banco do Brasil (BBAS3) conseguiu alcançar uma promessa antiga no segundo trimestre deste ano. O banco registrou lucro líquido recorrente de R$ 7,803 bilhões, o que representa um forte aumento de 54,8% em relação ao mesmo período de 2021.

O resultado deixou no chinelo as projeções do mercado, que apontavam para um lucro de R$ 6,203 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

Mais do que isso: com uma rentabilidade sobre o patrimônio líquido (ROAE) de 20,6%, o Banco do Brasil enfim cumpriu o objetivo traçado pela instituição de se equiparar com os concorrentes privados.

O indicador de rentabilidade do Banco do Brasil superou o do Bradesco (18,1%) e ficou pouco abaixo de Santander Brasil e Itaú Unibanco, ambos com 20,8%.

Se compararmos apenas o lucro do segundo trimestre, o BB superou inclusive o Itaú. Mas essa não é a métrica ideal, já que as instituições possuem portes diferentes.

Banco do Brasil: mais crédito, mais margem, mais tudo

Em uma primeira análise, fica difícil apontar um número ruim no resultado. O Banco do Brasil manteve o pé no acelerador e registrou um aumento de 19,9% na carteira de crédito em relação a junho do ano passado, para R$ 919,5 bilhões.

Mas esse avanço nos financiamentos não veio acompanhado de um salto significativo da inadimplência, como se poderia esperar. O índice de calotes acima de 90 dias do banco encerrou o trimestre em 2%, o que representa uma alta de apenas 0,11 ponto percentual no trimestre.

O avanço do crédito contribuiu para um crescimento de 18,9% da margem financeira em relação aos meses de abril a junho do ano passado. A linha do balanço que inclui as receitas com a concessão de financiamentos, menos os custos de captação, somou R$ 17,056 bilhões.

Ao contrário dos concorrentes privados, as despesas com provisões do Banco do Brasil se mantiveram controladas e aumentaram apenas 2,3% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

Tarifas e despesas

O Banco do Brasil também conseguiu um bom resultado com as receitas com tarifas, que vinham sendo pressionadas com o aumento da concorrência no setor financeiro.

As receitas de prestação de serviços aumentaram 8,9% na comparação com o segundo trimestre de 2021 e atingiram R$ 7,8 bilhões.

O BB ainda fez um bom trabalho do lado das despesas, que cresceram 5,7% e ficaram abaixo da inflação acumulada dos últimos 12 meses, que superou os dois dígitos.

Leia também:

Banco do Brasil revisa projeções (para cima)

Para quem ficou com dúvida se o Banco do Brasil vai conseguir sustentar os resultados nos próximos trimestres, a própria instituição traz uma pista.

Junto com o resultado, o BB revisou para cima as projeções (guidance) para o desempenho no ano. A estimativa para o lucro líquido passou para um intervalo entre R$ 27 bilhões e R$ 30 bilhões. A projeção anterior variava de R$ 23 bilhões a R$ 26 bilhões.

O Banco do Brasil também elevou o guidance para o crescimento da carteira de crédito neste ano para até 16%. Por fim, o BB também espera um avanço maior na margem financeira e nas receitas de serviços. Tudo isso sem aumentar mais despesas, cuja estimativa de crescimento foi mantida em até 8%.

Vem dividendo aí!

Além do balanço, o Banco do Brasil anunciou a distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio no total de R$ 2,2 bilhões. Confira o valor por ação:

O Banco do Brasil pagará os proventos no dia 31 de agosto, com correção pela Selic, para quem tiver ações BBAS3 em 22 de agosto. Ou seja, os papéis serão negociados ex-dividendos a partir do dia 23.

Compartilhe

ATENÇÃO, ACIONISTA!

Dividendos e JCP: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia pagamento de R$ 781 milhões em proventos; confira prazos

26 de agosto de 2022 - 18:54

A distribuição do montante será feita em antecipação ao terceiro trimestre de 2022, de acordo com informações do próprio banco

Market Makers

Banco do Brasil (BBAS3) está ‘ridiculamente barato’, diz Sara Delfim, da Dahlia

25 de agosto de 2022 - 18:00

Analista e sócia-fundadora da Dahlia Capital, Sara Delfim retorna ao Market Makers ao lado de Ciro Aliperti, da SFA Investimentos, para detalhar suas teses de investimento

Hora de comprar

Ação do Banco do Brasil (BBAS3) ainda está barata e Itaú BBA revisa preço-alvo para cima

23 de agosto de 2022 - 11:40

Destaque da temporada de balanços, o Banco do Brasil conta com recomendação de compra de suas ações da ampla maioria dos analistas

MENOS LUCRO

Lula fala em enquadrar Banco do Brasil (BBAS3) e quer lucro menor que concorrentes privados

17 de agosto de 2022 - 17:09

Líder nas pesquisas, Lula disse que, em um eventual novo governo, irá “orientar” o Banco do Brasil; ações BBAS3 fecham em queda

BOMBOU NAS REDES

Banco do Brasil ‘vence’ Bradesco em rentabilidade e ações disparam 53% no ano — estatal ainda pagará R$ 2 bilhões em dividendos e analista alerta: BBAS3 supera Nubank (NUBR33)

15 de agosto de 2022 - 13:49

Após resultados fortíssimos no segundo trimestre, as ações do Banco Brasil estão em disparada. Descubra se vale a pena comprar os papéis

SEXTOU COM O RUY

Investir em estatal vale a pena? Uma reflexão sobre como o Banco do Brasil (BBAS3) subverteu as máximas dos manuais de investimentos

12 de agosto de 2022 - 5:57

Banco do Brasil (BBAS3) negocia com múltiplos baixos demais para a qualidade dos resultados que tem apresentado e ainda guarda um bom potencial de valorização

BALANÇO

BB Seguridade tem salto no lucro e anuncia data para pagar dividendos; banco recomenda compra de BBSE3

8 de agosto de 2022 - 12:06

A holding de seguros do Banco do Brasil lucrou R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre e vai distribuir mais de R$ 2 bilhões em dividendos no dia 29 de agosto

A NATA DA B3

Suzano (SUZB3) ou Klabin (KLBN11): veja qual empresa de papel é a ação mais recomendada para julho — e confira as principais indicações das corretoras

5 de julho de 2022 - 7:03

O candidato ideal para substituir o plástico e atrair um mercado que valoriza cada vez mais a agenda ESG é o principal produto da ação mais recomendada para julho

SEGURO AGRO É POP?

Banco do Brasil (BBAS3) e BB Mapfre criam plataforma digital para o agronegócio

27 de junho de 2022 - 10:17

A Broto será focada na cadeia produtiva do setor, aproveitando a proximidade do Banco do Brasil (BBAS3) com o segmento

DISPUTA DOS BANCÕES

XP está mais otimista com o Itaú (ITUB4), mas ainda prefere outra ação no setor bancário — saiba qual

14 de junho de 2022 - 14:06

A corretora vê maior competição no segmento nos próximos anos, à medida que as fintechs amadureçam as operações, tanto em tamanho quanto em diversidade de produtos e serviços

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies