🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
Market Makers

Banco do Brasil (BBAS3) está ‘ridiculamente barato’, diz Sara Delfim, da Dahlia

Analista e sócia-fundadora da Dahlia Capital, Sara Delfim retorna ao Market Makers ao lado de Ciro Aliperti, da SFA Investimentos, para detalhar suas teses de investimento

Flavia Alemi
Flavia Alemi
25 de agosto de 2022
18:00
Sara Delfim e Ciro Aliperti falaram de suas teses sobre Banco do Brasil e outras ações no Market Makers #09
Sara Delfim e Ciro Aliperti falaram de suas teses sobre Banco do Brasil e outras ações no Market Makers #09 - Imagem: Rodrigo Tafuri/Market Makers

Se você acompanha o noticiário, já sabe que o Banco do Brasil (BBAS3) vem se destacando no setor bancário brasileiro neste ano.

Inclusive, o BB saiu da segunda temporada de balanços com honrarias, cumprindo a promessa de se equiparar a bancos privados em rentabilidade.

Desde o início do ano, a ação acumula alta acima de 40% na B3, mas será que os investidores estão surfando essa onda?

Bem, a Sara Delfim, da Dahlia Capital, sim, mas o Ciro Aliperti, da SFA Investimentos, já vendeu os papéis.

Os dois tiveram a oportunidade de voltar ao episódio #09 do Market Makers para expor suas principais teses de investimento. Eles já haviam participado do episódio #04, quando falaram principalmente de Sinqia (SQIA3) e Totvs (TOTS3).

O curioso é que o Banco do Brasil só foi mencionado por insistência do apresentador Thiago Salomão, que questionou os convidados sobre a atratividade do papel após os ótimos resultados. Para Sara, a ação do BB está “ridiculamente barata”.

Abaixo, no texto, você pode conferir alguns detalhes do bate-papo. Se preferir, a íntegra da entrevista também está disponível no Spotify:

Banco do Brasil = qualidade

“A gente tem Banco do Brasil, mas tinha evitado falar porque fica essa chatice de ‘ah, mas é estatal, e a eleição e blá-blá-blá’. Mas a gente pegou essa alta do BB, que tá ridiculamente barato”, explicou Sara.

A analista e sócia-fundadora da Dahlia reforça o coro dos que veem uma oportunidade de investir no banco estatal. Nesta semana, o Itaú BBA, inclusive, revisou o preço-alvo da ação para cima e reiterou a recomendação de compra. 

Sara ressaltou no Market Makers a qualidade da carteira do BB e disse que não havia motivo para o banco público estar sendo negociado abaixo da média dos privados só porque é estatal.

“A gente não está indo de uma democracia para uma ditadura”, disse, referindo-se às eleições. “Tem coisas que você tem que deixar de lado a emoção, o barulho, a eleição e ir para o que, de fato, está acontecendo”.

Aliperti concordou com Sara, mas disse que vendeu a posição que tinha em Banco do Brasil após a publicação dos resultados do segundo trimestre. 

Além do BB

Além do Banco do Brasil (BBAS3), os convidados também explicaram suas teses para Bradesco (BBDC4), Itaú (ITUB4) e BTG Pactual (BPAC11).

Aliperti tem uma predileção pelo Itaú, motivada pela transformação digital do banco. Ele explica que o Itaú sempre operou com um ‘prêmio’ em relação ao Bradesco na bolsa e o gestor acredita que esse prêmio fique ainda maior nos próximos 10 anos.

“O Itaú sempre foi mais vanguardista, enquanto o Bradesco sempre se sentiu confortável de fazer o passo depois”, analisou o gestor. “Ele está num movimento estratégico de digitalização e passa por uma mudança cultural muito forte”.

Sara, por sua vez, prefere o Bradesco devido a uma tese macro da casa de que o consumo das famílias e o Produto Interno Bruto (PIB) tendem a melhorar. E o Bradesco, por ter uma carteira de crédito ao consumidor relevante, estaria bem posicionado para aproveitar esse ciclo.

Ela também vê BTG Pactual com bons olhos, já que, num futuro próximo no qual a inflação perde ímpeto, os juros devem cair e tornar o ambiente de negócios mais amigável ao mercado de capitais. Assim, o BTG, sendo o principal coordenador de ofertas públicas iniciais (IPO), deve se beneficiar.

Diversificação de setores

Mas se você acha que o episódio #09 do Market Makers só falou de bancos, está enganado. Ciro Aliperti explicou detalhadamente uma outra posição que hoje é responsável por 15% da sua carteira: a Porto Seguro (PSSA3).

Além disso, Sara esmiuçou a tese de investimento em Lojas Renner (LREN3), cuja ação foi muito “amassada” na pandemia.

Para saber mais sobre as carteiras de investimento dos convidados, confira o episódio na íntegra. Você também pode assistir ao episódio #09 do Market Makers no YouTube:

Mais Market Makers:

Compartilhe

ATENÇÃO, ACIONISTA!

Dividendos e JCP: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia pagamento de R$ 781 milhões em proventos; confira prazos

26 de agosto de 2022 - 18:54

A distribuição do montante será feita em antecipação ao terceiro trimestre de 2022, de acordo com informações do próprio banco

Hora de comprar

Ação do Banco do Brasil (BBAS3) ainda está barata e Itaú BBA revisa preço-alvo para cima

23 de agosto de 2022 - 11:40

Destaque da temporada de balanços, o Banco do Brasil conta com recomendação de compra de suas ações da ampla maioria dos analistas

MENOS LUCRO

Lula fala em enquadrar Banco do Brasil (BBAS3) e quer lucro menor que concorrentes privados

17 de agosto de 2022 - 17:09

Líder nas pesquisas, Lula disse que, em um eventual novo governo, irá “orientar” o Banco do Brasil; ações BBAS3 fecham em queda

BOMBOU NAS REDES

Banco do Brasil ‘vence’ Bradesco em rentabilidade e ações disparam 53% no ano — estatal ainda pagará R$ 2 bilhões em dividendos e analista alerta: BBAS3 supera Nubank (NUBR33)

15 de agosto de 2022 - 13:49

Após resultados fortíssimos no segundo trimestre, as ações do Banco Brasil estão em disparada. Descubra se vale a pena comprar os papéis

SEXTOU COM O RUY

Investir em estatal vale a pena? Uma reflexão sobre como o Banco do Brasil (BBAS3) subverteu as máximas dos manuais de investimentos

12 de agosto de 2022 - 5:57

Banco do Brasil (BBAS3) negocia com múltiplos baixos demais para a qualidade dos resultados que tem apresentado e ainda guarda um bom potencial de valorização

MISSÃO CUMPRIDA

Banco do Brasil tem lucro de R$ 7,8 bilhões no 2T22 e cumpre promessa de se equiparar a bancos privados em rentabilidade

10 de agosto de 2022 - 19:12

Lucro do Banco do Brasil aumentou 54,8% em relação ao mesmo período de 2021 e rentabilidade sobre o patrimônio líquido superou a do Bradesco

BALANÇO

BB Seguridade tem salto no lucro e anuncia data para pagar dividendos; banco recomenda compra de BBSE3

8 de agosto de 2022 - 12:06

A holding de seguros do Banco do Brasil lucrou R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre e vai distribuir mais de R$ 2 bilhões em dividendos no dia 29 de agosto

A NATA DA B3

Suzano (SUZB3) ou Klabin (KLBN11): veja qual empresa de papel é a ação mais recomendada para julho — e confira as principais indicações das corretoras

5 de julho de 2022 - 7:03

O candidato ideal para substituir o plástico e atrair um mercado que valoriza cada vez mais a agenda ESG é o principal produto da ação mais recomendada para julho

SEGURO AGRO É POP?

Banco do Brasil (BBAS3) e BB Mapfre criam plataforma digital para o agronegócio

27 de junho de 2022 - 10:17

A Broto será focada na cadeia produtiva do setor, aproveitando a proximidade do Banco do Brasil (BBAS3) com o segmento

DISPUTA DOS BANCÕES

XP está mais otimista com o Itaú (ITUB4), mas ainda prefere outra ação no setor bancário — saiba qual

14 de junho de 2022 - 14:06

A corretora vê maior competição no segmento nos próximos anos, à medida que as fintechs amadureçam as operações, tanto em tamanho quanto em diversidade de produtos e serviços

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar