🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-17T11:46:58-03:00
Carolina Gama
POWELL TÁ ON

E agora? Fed eleva juros pela primeira vez desde 2018; veja como os mercados devem se comportar daqui para frente

Banco Central dos Estados Unidos enfrentou a guerra na Ucrânia e uma inflação galopante com um aumento de 0,25 ponto percentual na taxa básica, que passou para a faixa entre 0,25% e 0,50% ao ano

16 de março de 2022
15:02 - atualizado às 11:46
Presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, de camiseta cinza com o brasão do Fed, mãos na cabeça e rodeado pelo dragão da inflação, dólar, bandeira da Ucrânia e da Rússia e gráfico dos mercados de ações
Presidente do Federal Reserve, Jerome Powell - Imagem: Shutterstock, Envato e Brenda Silva

A maior inflação em 40 anos e o baixo nível de desemprego falaram tão alto aos ouvidos do Federal Reserve (Fed) que o aguardado aumento dos juros finalmente aconteceu - mesmo que parte do mercado demonstre preocupação quanto aos efeitos econômicos da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Há pouco, o banco central norte-americano elevou a taxa básica de juros pela primeira vez desde 2018. O aumento foi de 0,25 ponto percentual (p.p.), para a faixa entre 0,25% e 0,50% ao ano.  E não deve parar por aí.

"Em apoio a essas metas, o Comitê decidiu aumentar o intervalo da taxa de juros para a faixa entre 0,25% e 0,50% ao ano e prevê que aumentos contínuos serão apropriados. Além disso, o Comitê espera começar a reduzir suas participações em títulos do Tesouro e dívida de agências e títulos lastreados em hipotecas de agências em uma próxima reunião", diz o comunicado.

O aumento da taxa de juros trouxe outra notícia importante: a era de dinheiro farto chegou ao fim. O Fed encerrou as compras de ativos da era pandêmica como o prometido. 

O banco central norte-americano começou a comprar ativos em março de 2020 para estimular a economia dos Estados Unidos no pior momento da pandemia de covid-19, fazendo com que seu balanço saltasse de US$ 4 trilhões para US$ 9 trilhões. 

Agora, essas aquisições foram encerradas, e o próximo passo deve ser a redução desse balanço de ativos. A decisão sobre o ritmo dessa diminuição deve vir nas reuniões de política monetária previstas para este ano.

Mais elevações no caminho do Fed

Tanto o aumento de 0,25 pp da taxa de juros como o fim das compras de ativos acompanhada do anúncio de redução do balanço eram amplamente aguardados e vinham sendo telegrafados pelo presidente do Fed, Jerome Powell, e por seus colegas de banco central.

A Bolsa de Nova York teve uma reação branda assim que a decisão saiu. No entanto, o comunicado de hoje veio acompanhado de projeções econômicas e do chamado dot plot, ou gráfico de pontos, que traz a previsão dos membros do banco central norte-americano para a taxa de juros.

E foi aí que a luz amarela acendeu. Prevendo que a inflação se manterá elevada este ano - a projeção passou de 2,6% em dezembro para 4,3% agora - o Fed deixou a porta aberta para mais aumentos dos juros. Vale lembrar que a meta do banco central norte-americano para a inflação é de 2% ao ano.

O gráfico de pontos atualizado nesta quarta-feira mostra que mais seis elevações estão a caminho este ano - mais agressivo do que muitos investidores esperavam.

Fonte: Federal Reserve

A previsão dos membros do comitê de política monetária do Fed não agradou o mercado. Assim que digeriram a decisão, os índices em Wall Street perderam o fôlego. O Dow Jones passou a operar levemente em queda de 0,02%, enquanto o S&P 500 e o Nasdaq subiam 0,19% e 0,84%, respectivamente.

Mas como o mercado deve se comportar a partir de agora? 

Histórico de aumentos do Fed

O S&P 500 está em seu pior começo de ano desde a liquidação provocada pela covid-19, em março de 2020. Agora, os investidores precisam lidar com o aumento da taxa de juros.

Nos últimos dois anos, o mercado de ações norte-americano conseguiu subir diante da pior pandemia em um século e uma das eleições presidenciais mais divisivas da história dos Estados Unidos

Agora está enfrentando o maior conflito armado da Europa desde a Segunda Guerra e a inflação mais elevada desde a década de 1980. 

  • IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui

A história sugere que os índices de ações nos Estados Unidos estão prestes a experimentar mais volatilidade após o aumento dos juros. Mas isso não significa que a corrida de touros acabou. 

De fato, nos oito ciclos de alta anteriores, o S&P 500 disparou após um ano do início do aperto monetário, segundo a LPL Financial.

O grande vencedor do juro alto

Nas últimas três décadas, o Fed assumiu quatro ciclos distintos de alta de juros. Nenhum foi prejudicial aos mercados de ações. 

O setor de tecnologia, que passa por grandes oscilações este ano sob a perspectiva de um aumento agressivo da taxa básica, normalmente está entre os setores de melhor desempenho do S&P 500 durante esses ciclos.

Segundo a Strategas Securities, o segmento de tecnologia teve um ganho de quase 21% nesses períodos —  mas, no geral, a liderança varia.

Fonte: Strategas Securities, com dados da Bloomberg
*Desempenho agregado de 1994, 1999, 2004 e 2015. O setor imobiliário considera apenas os números de 2004 e 2015

Dilema do choque do petróleo

Então, por que o Fed está perto de uma encruzilhada? E a resposta é o aumento dos preços do petróleo juntamente com a elevação da taxa de juros.

O Fed enfrenta um dilema complicado com o aumento do preço do petróleo e a invasão da Ucrânia pela Rússia ameaçando torná-lo ainda mais caro. 

Os choques do petróleo precederam as crises econômicas em meados dos anos 1970, início dos anos 1980 e dos anos 1990. 

Mas outras recessões, como após o 11 de setembro de 2001 e a crise financeira global em 2008, não foram causadas diretamente por um forte aumento nos preços do petróleo.

O que pensam os especialistas

Para a maioria dos analistas, a decisão do Fed desta quarta-feira (16) veio em linha com o que se esperava.

"Nada fora do esperado. Acredito que aconteceu o melhor dos cenários. O Fed ainda está buscando alcançar o pleno emprego e a inflação na casa dos 2%, mas não está disposto a sacrificar demais a economia no curto prazo e, por isso, aumentou a taxa de juros em 0,25 pp", disse Felipe Veloso, economista e fundador da Cripto Mestre.

Luiz Carlos Corrêa, sócio da Nexgen Capital, segue o mesmo raciocínio. "De uma forma geral, o mercado já está precificando essa alta de 0,25 pp, veio em linha com o que o mercado esperou. Apenas um integrante do comitê votou acima disso, que é alguém que vem pedindo há algum tempo uma alta maior, então não vejo nenhuma mudança que surpreenda o mercado", disse.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies